Está a ser partilhada nas redes sociais uma alegada notícia que dá conta da morte de um bebé de dois anos nos Estados Unidos da América durante os testes da vacina da Pfizer contra a Covid-19. De acordo com a suposta peça noticiosa, que cita “novos relatórios”, a criança terá morrido após ter recebido a segunda dose da vacina durante uma nova fase de testagem, que abrange crianças com menos de 11 anos.

O print screen que circula no Facebook e outras redes sociais não fornece muito mais informações, sendo necessário consultar a peça original para perceber o que realmente está em causa. Como indica a imagem, trata-se de um artigo publicado, em inglês,  a 30 de abril no site Natural News. A imagem refere-se, portanto, a uma tradução para português do mesmo.

A peça original diz-nos que a criança, uma menina de apenas dois anos, teria recebido a segunda dose da vacina da Pfizer a 25 de fevereiro e que, quatro dias depois, teria sofrido “algum tipo de reação adversa séria”. “A 3 de março, morreu. Não foram adiantados mais pormenores”, refere o texto. A bebé estaria hospitalizada desde 14 de fevereiro, “o que sugere que pode ter ficado doente após ter recebido a primeira dose”.

A base do artigo do Natural News é um relatório publicado no Sistema de Notificação de Reações Adversas às Vacinas (VAERS) da autoridade norte-americana do medicamento (FDA). O VAERS foi criado em 1990 para detetar eventuais problemas de segurança relacionados com vacinas aprovadas nos Estados Unidos. Qualquer pessoa pode inserir informação no sistema sem que esta seja verificada. Contudo, no caso do relatório aqui em causa, este já não se encontra disponível, tendo sido eliminado do VAERS por conter informação “totalmente inventada”, disse a porta-voz dos CDC, Kristen Nordlund, ao USA Today.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A peça do Natural News inclui vários indícios disso mesmo. De acordo com a suposta notícia, o caso estaria relacionado com a nova fase de testagem da vacina da Pfizer, a decorrer nos Estados Unidos desde “meio de março” em 20 mil crianças dos seis meses aos 11 anos de idade. Apesar de ser verdade que a farmacêutica está neste momento a realizar testes em menores de 12 anos, estes não começaram a “meio de março”, mas a 24 de março, perto do final do mês. Não é também verdade que estejam a ser testadas 20 mil crianças, mas apenas 144 numa fase inicial, como explicou na altura o The New York Times. Depois de determinar qual a quantidade mais eficaz, a Pfizer irá testar 4.500 menores, um número ainda assim muito abaixo dos 20 mil referidos pelo Natural News.

Além disso, as datas avançadas pelo site não batem certo. Se os testes começaram a “meio de março”, como é dito, a criança de dois anos não pode ter sofrido uma reação adversa a 25 de fevereiro, antes da data do início da testagem avançada pelo próprio Natural News. As datas do artigo não correspondem igualmente ao calendário real dos testes da Pfizer.

Até ao momento, não foi divulgado oficialmente qualquer óbito relacionado com a testagem de crianças com menos de 12 anos, cujos resultados serão revelados em julho. A suposta morte da criança não foi também noticiada por qualquer órgão de comunicação relevante, encontrando-se apenas em sites de conteúdos duvidosos, como é o caso do Natural News e do The Truth Revolution, ou em artigos de fact checking, em inglês e também em português, como o que foi publicado no G1 e na Agência Lupa, da Folha de S. Paulo.

O Natural News é um site conhecido por divulgar conteúdos de pseudociência e fake news. A Media Bias / Fact Check, uma das mais completas fontes de sites de notícias falsas na internet, considera-o “uma fonte questionável de informação” que promove a pseudociência e teorias da conspiração, “assim como preconceitos de extrema direita”. A página, criado em 2005 por Mike Adams, dono de outros sites de veracidade questionável, como o News Target ou o Trump.news, foi banido do Facebook em 2020 por promover o negacionismo.

A alegada notícia do bebé que morreu durante aos testes da vacina da Pfizer segue, assim, a linha do que é normalmente publicado na página de Mike Adams.

Conclusão

Não é verdade que tenha morrido uma bebé de dois anos a 3 de março durante os testes da vacina da Pfizer a crianças com menos de 12 anos. Nessa data, a nova fase de testagem não tinha ainda começado. Esta arrancou a 24 de março, em 144 menores, um número que também não coincide com o avançado pelo Natural News, o site de fake news que divulgou a notícia do alegado óbito.

Segundo a classificação do Observador, este conteúdo é:

ERRADO

No sistema de classificação do Facebook, este conteúdo é:

FALSO: As principais alegações do conteúdo são factualmente imprecisas. Geralmente, esta opção corresponde às classificações “falso” ou “maioritariamente falso” nos sites de verificadores de factos.

Nota: este conteúdo foi selecionado pelo Observador no âmbito de uma parceria de fact checking com o Facebook.

IFCN Badge