Rádio Observador

Marcelo Rebelo de Sousa

A descrispação é uma treta

Autor
335

Os portugueses não gostam de chatices. E, no final do dia, talvez lhes seja mais apetecível ter um governo pior que assegure a paz, em vez de um governo melhor que só tenha de enfrentar guerras.

Marcelo Rebelo de Sousa, o Presidente da República e não o comentador televisivo (convém relembrar), discorda da escolha de “geringonça” para palavra do ano em 2016. Fosse ele a escolher, a palavra eleita seria “descrispação”. Não admira. Essa palavra é inventada pelo próprio (ou seja, não existe nos dicionários). Foi por ele utilizada várias vezes nas suas intervenções ao longo do ano (em Março, quando tomou posse, e depois, por exemplo, em Setembro, Outubro, Novembro). E, também por isso, descreve e valida a leviandade que caracterizou os bastidores políticos nacionais em 2016. A de Marcelo, sobretudo, que passou um ano a ignorar os dois pilares que suportam essa “descrispação”.

Primeiro, a exaltação de uma paz social que é, inequivocamente, artificial. Se hoje não há crispação é porque a esquerda que apoia o governo detém o monopólio da contestação social. Em 2016, deixou de haver sindicatos e associações mobilizados em protestos nas ruas, simulando representar o povo mas defendendo apenas os seus próprios interesses e a agenda do PCP. Tal como deixaram de ser ouvidos alarmismos reproduzidos na comunicação social contra a austeridade e a destruição do Estado Social – não que os problemas estejam todos resolvidos, mas porque, para esses mesmos sindicatos e associações, deixou de haver benefício em empolá-los no debate público. Ou seja, para se segurar no poder, o PS comprou a paz social. E aceitou pagar o preço: sacrificou o interesse nacional para, em determinados sectores da vida pública, entregar a governação a interesses organizados – nomeadamente revertendo reformas e prejudicando o trabalho contínuo que ministros de várias cores políticas foram construindo. Enaltecer essa paz social, sob a forma de “descrispação”, desvalorizando o seu significado e custo para o país, é alinhar na farsa.

O segundo pilar que sustenta a “descrispação” está na recusa da legitimidade de um governo de direita. Note-se que a “descrispação” se refere, forçosamente, a um estado anterior de “crispação” – o governo PSD-CDS liderado por Passos Coelho. E note-se também que ver uma vitória no actual simulacro de paz social é, paralelamente, ver uma derrota num eventual regresso da contestação. Ora, se amanhã houvesse eleições e PSD-CDS alcançassem uma maioria absoluta que fizesse de Passos Coelho primeiro-ministro, alguém duvida que a “crispação” voltaria instantaneamente? A “descrispação” não tem qualquer relação com a vontade popular. E só existirá enquanto a direita estiver na oposição e enquanto PCP e BE estiverem de mão dada com o poder. Que um Presidente da República enalteça algo que deriva desta interpretação política é leviano e irresponsável.

Vamos ao ponto. Uma coisa é ser leviano e irresponsável. Outra coisa é ser tonto. E se Marcelo sempre se ajustou à leviandade do comentário televisivo, tonto é que ele nunca foi. Afinal, farsa ou não, a “descrispação” traz sossego e diminui as maçadas – e, em Portugal, não ter chatices é meio caminho para a felicidade. Quantos empresários não preferem aturar más leis ou a ausência de reformas desde que lhes garantam uma certa paz social? Quantos pais não toleram más opções educativas para os seus filhos desde que a educação não vire palco de greves e de escolas fechadas? E quantos são os que aceitam cortes orçamentais nas suas áreas profissionais (aqueles cortes que antes denunciavam) desde que lhes dêem condições sociais para trabalhar? O ponto é este: os portugueses não gostam de chatices. E, no final do dia, talvez lhes seja mais apetecível ter um governo pior que assegure a paz, em vez de um governo melhor que só tenha de enfrentar guerras.

É esse o poder da contestação organizada – decidir pelo ruído quem deve e quem não deve governar. Um poder ilegítimo que Marcelo legitimou ao longo de todo o ano e, agora, na viragem para 2017, fazendo da “descrispação” uma conquista política. Afinal, não foi apenas António Costa quem comprou a paz, Marcelo seguiu-lhe os passos. Não sobram dúvidas que, como escreveu André Abrantes Amaral, 2016 foi o ano em que ninguém quis saber. Sim, a “descrispação” pode ser uma treta. Mas é, pelos vistos, uma treta apreciada por muita gente.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Um desenho para Rui Rio /premium

Alexandre Homem Cristo

Numa frase, ao colocar o BE na “social-democracia” e, portanto, a disputar o mesmo espaço político que o PSD, a líder bloquista tornou confrangedora a visão de Rio para o maior partido da “direita”.

António Costa

Mr. Costa, o ortodoxo /premium

Alexandre Homem Cristo

A tal “luz de esperança” do Financial Times é esta: um governo de esquerda, aliado a partidos radicais, que obteve resultados sem se desviar da ortodoxia europeia. Nesse aspecto, os elogios são justos

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)