Política

A fraude das sondagens

Autor
816

A Lisboa política sabe que a Eurosondagem favorece sistematicamente o PS mas o Expresso e a SIC continuam a trabalhar com a empresa. Tudo isto diz muito sobre o modo como se faz política em Portugal.

Regularmente, aparecem as sondagens da Eurosondagem, publicadas no Expresso e na SIC. Sendo a Eurosondagem, juntamente com a Aximage, a única empresa do ramo que faz estudos de opinião fora dos períodos eleitorais, os seus resultados tornam-se as “sondagens”. Nos últimos anos, a Universidade Católica, a Intercampos e a Marktest limitaram-se a publicar sondagens durante as semanas que antecederam as eleições legislativas de 2011 e de 2015.

Estamos assim perante um mercado que na maior parte do tempo é dominado por um monopólio, ou no máximo um duopólio. Por exemplo, no Reino Unido, há entre 6 a 10 empresas a publicarem sondagens com regularidade. Eis, um mercado que funciona. Em Portugal, um país cheio pessoas sempre preparadas para atacar os abusos da economia de mercado, ninguém se choca com este monopólio.

A resposta para a falta de indignação talvez se encontre no hábito da Eurosondagem colocar o PS invariavelmente à frente das intenções de voto. Assim, os mais vocais contra as “injustiças” dos “mercados”, as esquerdas, não se preocupam com esta situação de monopólio. Não acredito que o PS não esteja actualmente à frente do PSD nas intenções de votos. Estará seguramente, mas duvido que a diferença seja tão grande. Ou pelo menos, a história recente da Eurosondagem não me dá qualquer confiança na empresa.

Vejamos o desempenho da Eurosondagem nos períodos eleitorais de 2011 e de 2015. Em Junho de 2011, o resultado das eleições legislativas foi o seguinte: o PSD alcançou 38,65% dos votos e o PS 28,06%. Ou seja, quase 10% de diferença a favor dos sociais democratas. No final de Maio, cerca de duas semanas antes das eleições, a Eurosondagem colocava o PSD à frente do PS pela diferença de 1,7%, 1,6% e 1,3%. Em Junho as sondagens da mesma empresa reconheceram o crescimento da diferença entre o PSD e o PS. Mas mesmo assim na última sondagem antes das eleições a diferença, segundo a Eurosondagem, era de 4,5%. Errou por mais de metade.

Em 2015, a coligação entre o PSD e o CDS (Portugal à Frente) recebeu 38,50% dos votos, contra 32,31% do PS. Ora, a Eurosondagem colocava o PS à frente por três pontos em Junho, com dois pontos em Julho, e em Agosto e no início de Setembro com um ponto de avanço. Na última sondagem publicada pela Eurosondagem, no dia 25 de Setembro, nove dias antes das eleições, o PS ainda estava ligeiramente à frente da coligação PSD-CDS com a diferença de 0,5%. Na mesma altura, a Intercampos colocava a coligação das direitas à frente entre cinco e seis pontos, e a Universidade Católica dava entre seis e sete pontos de avanço à PaF. Curiosamente a Aximage também errou consideravelmente na sua última sondagem antes das eleições de 2015, colocando o PS com menos 0,5% de votos.

Pelos dados de 2011 e de 2015, a Eurosondagem não só erra sistematicamente, como os seus erros favorecem sempre o mesmo partido, o PS, e prejudicam invariavelmente os partidos de direita. Como é possível que ainda se leve a sério as sondagens da Eurosondagem? O Expresso e a SIC não se preocupam com os erros da empresa com quem colaboram? Será que em Portugal a sucessão de erros não afecta a credibilidade de uma empresa? Nada disto espanta ou admira os portugueses?

Os erros sistemáticos de uma empresa de sondagens e sempre a favor do mesmo partido deturpam a democracia. Qualquer pessoa envolvida na política sabe que as sondagens servem propósitos políticos. Mobilizam o eleitorado dos partidos que estão na frente e desmobilizam aqueles com sondagens fracas. A Lisboa política sabe que a Eurosondagem favorece sistematicamente o PS mas o Expresso e a SIC continuam a trabalhar com a empresa e a publicar os resultados. Tudo isto diz muito sobre o modo como se faz política em Portugal e sobre o desrespeito com que as elites políticas tratam os portugueses.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PS

De novo, a propaganda socialista a chegar ao fim /premium

João Marques de Almeida
1.269

Uma certeza temos em relação aos governos do PS: está tudo a correr muito bem até ao dia em que começa tudo a correr muito mal. É quando a “política de comunicação” se torna curta para tanta realidade

Política

Porque sou de direita /premium

João Marques de Almeida
829

O regime democrático português democratizou a direita. Não há direitas anti-democráticas em Portugal. Mas quase 50 anos de democracia não foi suficiente para democratizar parte da esquerda portuguesa

Política

A protecção da família em Portugal

Luiz Cabral de Moncada
194

A família, enquanto célula principal da sociedade e berço da moral, como bem se sabe na Calábria, está mais garantida do que nunca. Nunca será esquecida pelos partidos quando no poder político.

Governo

Fomos aldrabados

Fernando Leal da Costa

Finanças “sãs” não se podem construir à custa da perda do direito à proteção da saúde da população, mas o saldo deste governo são piores serviços, pior acesso, falta crónica de dinheiro e mais dívida.

Igreja Católica

A Europa e a Páscoa dos Cristãos no Mundo

Raquel Vaz-Pinto
208

Ao celebrar a Páscoa e a sua compaixão devíamos reflectir sobre os sacrifícios dos cristãos que vivem longe e fazer a pergunta difícil e dolorosa: conseguiríamos manter a Fé e de seguir o seu exemplo?

Segurança Social

Não tinha de ser assim /premium

Helena Matos
730

Em 1974, politicamente bloqueado, o país aguardava que os militares tratassem do assunto. O assunto era o Ultramar. Em 2019, o país está bloqueado de novo. O assunto chama-se Estado Social.

NATO

Os 70 anos da NATO, vistos da Europa


João Diogo Barbosa

Não só o “exército europeu” se tornou um dos temas essenciais para o futuro, como foi possível, pela primeira vez, a aprovação de um Programa Europeu de Desenvolvimento Industrial no domínio da Defesa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)