Trabalho

A geração que acha que trabalha muito, mas na verdade só trabalha mal /premium

Autor
15.946

O fato é: tem muita gente que acha que trabalha muito, mas que só está trabalhando errado.

Não podemos negar que vivemos em tempos nos quais diversas pessoas têm um certo orgulho de dizer “nossa, eu trabalho MUITO”. Uma estranha vaidade de ser, em tese, workaholic, quando isso, na realidade, seria razão para buscar ajuda e não para buscar aplausos. Mas a lógica se confirma: eles dizem que trabalham demais e os que ouvem, asseguram que também estão exaustos com essa carga surreal de coisas para fazer.

Acontece que eu percebo, cada vez mais, que uma parcela gigantesca das pessoas que batem no peito, com esse misto de auto-piedade e glamourização do excesso de trabalho, na realidade, não trabalha muito. Explico-me: elas, de fato, gastam muitas horas em frente ao computador, no escritório, debruçados em livros ou planilhas, isso nenhum de nós pode negar. Mas o fato de gastar muitas horas nessas circunstâncias não quer dizer que se esteja efetivamente trabalhando.

As gerações que, hoje em dia, têm entre 20 e 40 anos (rol no qual incluo a mim mesma), têm evidentes problemas de concentração- os mais novos também, mas, de um modo geral, esses ainda não fazem parte do mercado de trabalho, razão pela qual os deixo de lado nessa conversa. Nos apresentaram a palavra multitask ou multitarefa, de certa forma, para acharmos que é viável trabalhar bem sem estarmos minimamente concentrados no que estamos fazendo. E, cada vez mais, fica evidente que isso é impossível.

A pessoa se senta para- teoricamente- trabalhar às 9 da manhã. Liga o computador. Abre o e-mail. Pega o celular para checar o whatsapp. Ouve uma mensagem de áudio. Manda mensagem em dois grupos. Retorna para o e-mail. Abre uma mensagem, começa a responder e, de repente, lembra-se que não leu as notícias naquela manhã. Abre o portal de notícias. Vai navegando até ir parar em matérias sobre futebol, moda, sobre o novo restaurante que abriu na cidade. Retorna para o e-mail, ensaia mais um parágrafo. Levanta-se para buscar um café. Faz uma parada para conversar com um colega. Já são 10 da manhã. Nada foi feito.

Outros fatores surgem para agravar a situação: whatsapp no computador. Notificações no Iphone a cada like recebido numa foto no instagram ou a cada comentário num post de facebook. Smartwatch te dizendo que você ainda não deu nenhum passo nessa última hora e que é preciso se movimentar. O corpo pedindo um cigarrinho, um cafezinho, uma aguinha gelada. Ansiedade para pensar no que se vai comer no almoço.  Não há como ser produtivo assim. Simplesmente não há.

E desse modo, o que poderia ter sido feito em meia hora, se arrasta por duas horas ou mais. E é claro que, desse jeito, todo mundo vai “trabalhar” demais. É claro que ninguém vai chegar cedo em casa para brincar com os filhos, é claro que não vai dar tempo de fazer exercício físico, é claro que não vai dar pra ir no jantar de aniversário de 67 anos da tia Dulce.

O fato é: tem muita gente que acha que trabalha muito, mas que só está trabalhando errado. Gente que vira madrugada no computador porque durante o dia passou mais tempo assistindo stories do que preparando documentos. Eu não sou diferente, mas venho tentando abrir os olhos para o problema. Não estou disposta a gastar meus finais de semana em família para fazer coisas que eu deveria ter feito enquanto estava parada em frente à máquina de café, olhando o feed de notícias do facebook. Tá tudo errado.

Trabalhar muito não é bom. Não bata no peito para se dizer workaholic, busque ajuda. Mas trabalhar mal é pior ainda. São horas- suas e de quem te paga- praticamente jogadas no lixo. E, sabe, a vida é mesmo curta. E não vão ser nossas horas nas redes sociais que construirão as boas lembranças do futuro. Vão ser as noites e os finais de semana que nós estamos perdendo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
História

A vingança de Ungo-Daizenji

José Miguel Pinto dos Santos
287

Como seria o mundo se os operários venezuelanos e camponeses norte-coreanos, utentes da Carris e contribuintes deste país, emulassem Heishirō, o porta-sandálias, e não ficassem parados a queixarem-se?

Igualdade de Género

O sexo e a concorrência /premium

Luís Aguiar-Conraria
141

Se até algo como a simplificação burocrática na criação de empresas teve efeitos na redução da desigualdade de género dos salários, percebe-se o absurdo da ideia de que não há discriminação salarial.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)