Crónica

A propósito de ditaduras /premium

Autor
2.292

Não há que enganar, embora o engano seja língua franca: fala-se na ditadura que aí vem para dissimular a ditadura que deveria vir. Agitar tiranos hipotéticos é estratégia típica de tiranos comprovados

Não vou escrever sobre o sr. Bolsonaro, o alegado fascista que, com os votos de milhões de alegados fascistas, vai liderar um governo de alegados fascistas e estabelecer o alegado fascismo no Brasil. Digo apenas que é triste ver uma nação que até aqui se distinguia pela prosperidade e pelo sossego arriscar cair na intolerância e no ódio. O lado positivo é que Portugal não arrisca nada: já caiu.

Na noite de Domingo, as eleições brasileiras interessaram-me menos do que as respectivas reacções deste lado do mar. Nas “redes sociais”, fervorosos inimigos do racismo e da xenofobia desataram a insinuar com variável franqueza a deportação da maioria de brasileiros que, por cá, votou no sr. Bolsonaro. Houve quem recomendasse a varridela incondicional dos brasileiros. Houve quem sugerisse trocá-los por brasileiros bonzinhos e predispostos à fraternidade. E houve quem prometesse o despedimento imediato da empregada doméstica, essa fascista que preferiu entregar o país dela ao sr. Bolsonaro do que à associação caritativa chamada PT.

Por regra, estas manifestações de harmonia universal partiram de anónimos (que urge promover à notoriedade). Algumas, porém, saíram de gente que, talvez por causa da flagrante sofisticação, ocupa cargos políticos ou distribui palpites na televisão. Mesmo o prof. Marcelo, o exacto avesso do populismo, concedeu uns resmungos contra o populismo, a intolerância, a xenofobia, o chauvinismo e o radicalismo que, além de um desastre diplomático, são um insulto à escolha livre de milhares de habitantes do território a que em teoria preside. À primeira trombada na realidade, os fanáticos da indiscriminação discriminam com curioso fanatismo. Não foram muitos? Foram demasiados.

Aliás, a questão não peca por excesso, e sim por defeito: quantos dos que não ofenderam pública e desalmadamente os eleitores do sr. Bolsonaro estavam, e estão, mortinhos por isso? Sem grande risco, aposto na esquerda em peso, salvaguardando as excepções que se contam pelos dedos de Lula, o Generoso. É hábito velho. De Reagan a Passos Coelho, com escalas em Sá Carneiro, Thatcher, os Bush, Cavaco, Merkel e o sr. Trump, a esquerda anuncia o advento das trevas sempre que um dos seus não é designado para apascentar os simples. E os simples que, nas urnas, caucionaram a tragédia são cúmplices da dita, logo indignos da cidadania.

Evidentemente, o problema da esquerda com o sr. Bolsonaro e com os eleitores do sr. Bolsonaro não se prende com eventuais restrições à liberdade no Brasil. É ridículo ter de lembrar que as restrições à liberdade noutras paragens nunca incomodaram a esquerda. Pelo contrário. Nos paraísos aprovados pelas boas consciências, a censura oficial ou oficiosa, os saneamentos, as perseguições, as detenções, a corrupção, a miséria e a genérica opressão dos infiéis são minudências ocultadas, ou desvalorizadas enquanto indispensáveis à implantação da Felicidade Eterna. Não há que enganar, embora o engano seja língua franca: fala-se na ditadura que aí vem para dissimular a ditadura que deveria vir, invoca-se a “política do medo” para assustar os impressionáveis, lamenta-se o ódio para odiar à vontade, finge recear-se que corra mal por se recear que corra bem. Agitar tiranos hipotéticos é estratégia típica de tiranos comprovados. Os autodenominados democratas não querem saber da democracia, mas mandar em nós.

De resto, uma democracia funcional é o pior pesadelo dos autodenominados democratas. Onde já se viu as pessoas decidirem o futuro pela própria cabecinha, com frequência mal informada e carente das luzes que abrilhantam por exemplo o dr. Louçã? Não admira que, durante a semana, diversas “personalidades” desfilassem preocupação com a libertinagem que reina no Facebook e no Twitter, antros em que a Verdade não beneficia do filtro da RTP, da Sic, do “Público”, do “Expresso” e demais faróis. É em faróis assim que os drs. Louçãs da vida, que ocupam a existência a venerar atrocidades incomparáveis aos maiores desvarios que o sr. Bolsonaro venha a cometer, ensinam o povo a pensar correctamente, leia-se de acordo com eles. A chatice é que raramente o povo aprende, pelo que se impõe o castigo.

A propósito de castigos, os últimos acontecimentos convenceram certa “direita” de que a eleição do sr. Bolsonaro, depois do sr. Trump (e do “Brexit”), preparam Portugal para a chegada de um Messias e a sublevação do “homem comum”, enfim cansado de enxovalhos. Não sou tão optimista. Primeiro, porque apesar da propaganda nem o sr. Bolsonaro é o sr. Trump, nem o Brasil, há décadas cenário de uma espécie de guerra civil, é a América. Segundo, porque os portugueses são óptimos a aderir à última hora a golpes de Estado e terríveis a golpear sozinhos essa sagrada entidade. Terceiro, porque a raiva que o sr. Bolsonaro e os eleitores do sr. Bolsonaro inspiraram nas castas indígenas não deixa dúvidas: a esquerda que há três anos tomou conta disto é extrema nas políticas, na mentira, na manipulação, na força, no descaramento e na gula. Ainda que, por milagre, o famoso “espectro partidário” trouxesse um dia a alternativa que a actual União Nacional não consente, não me parece que os senhores no poder abdicassem jovialmente deste por via de processos democráticos ou mariquices afins. Hoje como ontem, sentem que o regime é deles. A diferença é que hoje têm razão, e não estão dispostos a perdê-la. Custe o que custar.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
10 de junho

Um discurso sobre a união do Estado /premium

Alberto Gonçalves
816

Não tenho a certeza de que proferir umas verdades na cara da “casta”, a convite desta, sirva para incomodá-la ou avalizá-la. Ignoro se a ligeira heresia de JMT ajudou a legitimar um regime medíocre. 

Governo

Os dias nacionais da amnésia /premium

Alberto Gonçalves
3.789

Caso tivesse o azar de atropelar uma velhinha, o dr. Costa sairia do carro sob aplausos, a anunciar campanhas de sensibilização para a segurança rodoviária e para os dramas da terceira idade.

Política

A natureza do PAN /premium

Alberto Gonçalves
3.964

“Dono de dois gatos e um coelho, quer pôr as alterações climáticas no centro do debate.” Que significa isto? Que se fosse dono de duas osgas e um periquito o Francisco daria atenção ao Médio Oriente?

Exames Nacionais

Mensagem sem Pessoa 

Beatriz Gomes Artilheiro
465

Sim, o exame teve Pessoa, mais Saramago e Ricardo Reis. Mas não inclui Eça de Queiroz. Crónica de uma aluna enquanto estudava para o exame de hoje de Português do 12º ano. "Valete, fratres". 

Crónica

Amorfo da mãe /premium

José Diogo Quintela
390

O Governo deve também permitir que, no dia seguinte ao trauma que é abandonar a criança no cárcere escolar, o progenitor vá trabalhar acompanhado pelo seu próprio progenitor. Caso precise de colinho.

Política

Eleições à vista

José Couceiro da Costa
316

Hoje, com a velocidade da informação, o que releva são as causas, tão voláteis como as opiniões da sociedade civil. O modus operandi da política do séc. XX está morto. A ordem natural está invertida.

Crónica

Portugal, país-slime /premium

Helena Matos
1.206

Estão a ver aquela massa viscosa com que as crianças se entretêm? O slime, claro. Portugal está a tornar-se num país-slime, onde os valores são moldados a gosto e a responsabilidade não  existe.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)