TAP

A vaca voadora de António Costa é a TAP /premium

Autor
1.841

O Estado colocou gestores na TAP para que a TAP faça a gestão que bem entender borrifando-se para esse gestores que não gerem coisa nenhuma. É a segunda lição de qualquer Manual de Gestão para Totós.

Confirma-se que o primeiro-ministro tinha razão quando no início da legislatura referiu a existência de uma vaca voadora. Os últimos dias provaram não só que ela existe, mas que o bovino alado é afinal a TAP. Só assim se explica que continue a haver tanta gente a mamar na teta da companhia aérea portuguesa, como ficou claro nos últimos dias com a distribuição de prémios por alguns dos seus gestores. Mas esta é uma vaca que arrelia mesmo as pessoas. Em vez de buscar alimento em campo aberto e pastos verdejantes, sem maçar ninguém, insiste em vir pastar aos bolsos já bem ressequidos dos contribuintes. E, finda a ruminação, ainda nos presenteia com a clássica brisa de metano que emana deste tipo de trapaça.

Mas pronto, o que interessa é que o Estado recomprou a TAP aos privados, garantindo a todo o custo que Portugal tem uma companhia de bandeira. E é obviamente irrelevante que a equipa de gestão da companhia de bandeira dê bandeira quando se trata de repartir estupendos bónus em ano de formidáveis prejuízos. Mas atenção, ainda assim também preconizo que a TAP continue a ser uma companhia de bandeira. Acho é que a bandeira devia ser aquela totalmente branca, sinal de que ao fim de tantos anos a arrastar a asa ao erário público a empresa nos daria uma merecida trégua.

Agora, esta situação do Governo ter na TAP, entre doze administradores, seis representantes que não mandam rigorosamente nada é má publicidade para o serviço da transportadora. Em que companhia aérea já se viu gente que ocupa lugares de classe executiva não ter direito a absolutamente nada? É que tenho a impressão que nem um copo de água dão a estes desgraçados. Ainda por cima aquilo são indivíduos cujas passagens pela TAP não nos saem propriamente baratas. Mais valia estarem todos em turística, lá para trás, no “piolho”.

Mas não, parece que é suposto ser mesmo assim. Pelo menos segundo o chairman da TAP, Miguel Frasquilho, que afirmou há tempos que “o Estado não se mete na gestão da TAP”. Claro que não. Então o Estado ia colocar gestores na TAP para participarem mesmo na gestão da empresa, ali a gerirem e tudo? Isso não faria qualquer sentido em termos de gestão. O Estado colocou estes gestores na TAP para que a TAP faça a gestão que bem entender borrifando-se para esse gestores que não gerem coisa nenhuma. Como é óbvio. Isto é a segunda lição de qualquer Manual de Gestão para Totós. Sendo que a primeira é “garantir que o maior número possível de contribuintes, durante o maior espaço de tempo possível, não percebe que está a ser tomado por totó”.

Felizmente, para desenjoar deste episódio de inoperância do Estado na gestão de empresas, tivemos nos últimos dias mais uma demonstração da inoperância do Estado na supervisão bancária. Desta vez foi o ex-líder do Banco de Portugal, Vítor Constâncio, a garantir que não sabia nada acerca dos ruinosos empréstimos da CGD a Joe Berardo. Em sua defesa Constâncio lá conseguiu provar que não esteve presente na reunião em que estes créditos foram aprovados. A linha de defesa foi mais ou menos esta: “Eu baldei-me ao trabalho, sem qualquer justificação, no exacto dia da reunião importantíssima para o futuro do sistema bancário português em que se decidiu não objetar à participação superior a 5% da Fundação Berardo no capital do Banco Comercial Português. Não tive portanto qualquer responsabilidade neste assunto, e considero por isso que o meu profissionalismo é absolutamente inatacável”. O que exaspera não é tanto desta vez termos ouvido desculpas esfarrapadas da parte de Vítor Constâncio, mas a constância com que ouvimos este tipo de desculpas esfarrapadas em Portugal.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Sustentabilidade

As melhores empresas para o mundo! /premium

Laurinda Alves
123

Uma B Corp é uma empresa lucrativa que tem como modelo de negócio o desenvolvimento social e ambiental. A Empresa B cria benefícios a todas as partes interessadas e não responde apenas aos accionistas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)