Rádio Observador

Futuro da Grécia

Adal-badal

Autor
170

Há milénios que os Pukhtun, do Paquistão, conhecem o comércio, até o dinheiro, mas preferem o adal-badal, troca direta de uma coisa por outra. Ora para presenciar um adal-badal basta hoje ir a Atenas

Os Pukhtun são um povo orgulhoso e cioso da sua independência. Sofreram ao longo dos séculos invasões armadas e influências culturais de helenistas e budistas, hinduístas e islamitas, mas nunca perderam a essência milenar de ser Pukhtun. Nem Platão nem Buda deixaram marca visível no seu código de honra, e a influência que os Vedas e o Corão nele exerceram não são mais que adornos floreados acrescentados nas franjas de um tecido áspero e duro.

Há milénios que sabem o que é o comércio e que usam dinheiro. As suas mulheres usam moeda para comprar ovos e vender leite. Os homens também a usam para vender ópio e comprar armamento, assuntos mundanos e necessários no dia-a-dia da sua economia doméstica. Mas o que verdadeiramente lhes dá gosto e aumenta a adrenalina é adal-badal, a troca direta de uma coisa por outra. Pode ser a troca de coisas semelhantes como um telemóvel por outro, ou de coisas diferentes como uns óculos de sol por um relógio. Adal-badal nunca é praticado com membros da família alargada, e é usado preferencialmente com forasteiros e completos estranhos, seres com quem não haja qualquer sentimento de solidariedade. Envolve em regra um moroso processo de negociação, com ofertas e contraofertas, argumentos e contra-argumentos (que não têm de ser coerentes ao longo do processo negocial), disse-que-disse e disse-que-não-disse. Para ser completo envolve ainda a chamada, por cada uma das partes, de transeuntes e estranhos a dar apoio à sua posição, quer prestando opinião sobre a qualidade dos bens, quer julgando sobre a probidade moral dos contendores. E quanto maior for o grupo de mirones que se formar à volta dos dois, e quanto mais ruidoso for na expressão de argumentos a favor ou contra, melhor será.

O sucesso num adal-badal está num homem poder considerar ter levado o outro a melhor, pensar ter feito um negócio desigual, e achar ter conseguido, de algum modo, enganar o outro. O verdadeiro ganho não está, note-se, na diferença de valor dos objetos trocados. Está na perceção da magnitude do embuste infringido. Que depois se transformará em orgulho e jactância. E será posto a render ao ser recontado, vezes sem conta pela vida fora, a familiares e conhecidos. Caso uma das partes venha a achar a troca danosa para si procurará renegá-la caso ainda vá a tempo. Vir a tempo não significa antes de ter fechado a transação, de ter dado a palavra, mas o ter a possibilidade de não fazer a entrega do bem. Caso já não seja possível renegar a troca, procurará transferir adal-badal o mono recebido para outra vítima mais ingénua.

Felizmente, para presenciar um adal-badal ao vivo já não é necessário visitar as áreas tribais do Paquistão. Basta ir a Atenas…

Professor de Finanças, AESE

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eutanásia

Esclarecimento público

José Miguel Pinto dos Santos
966

A morte de Vincent Lambert deveu-se a lhe ter sido tirada a alimentação e hidratação. Embora pudesse vir a morrer à fome, morreu à sede à medida que vários órgãos foram colapsando por falta de fluídos

Viana do Castelo

As rãs e o prédio Coutinho

José Miguel Pinto dos Santos
618

Sobra a questão: como pode isto acontecer num Estado dito de direito? E não só isto, mas toda a arbitrariedade estatal e impunidade dos detentores de cargos públicos que constantemente é noticiada?

Aborto

The terminators

José Miguel Pinto dos Santos
686

Se o caso tivesse ocorrido no sul profundo dos Estados Unidos na primeira metade do século XX, ou na Alemanha dos anos 30, ninguém se espantaria. Mas ocorreu num país da União Europeia há duas semanas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)