Rádio Observador

Eleições Europeias

António Costa vai ficar a dever muito a Rui Rio /premium

Autor
521

PSD e CDS arriscam-se a marchar para as legislativas como os perus para o Natal. E nem sequer têm o desculpa dos “populistas”, que noutros países tiram votos à direita.

O problema do PSD e do CDS, que é o tema mais relevante das eleições de domingo, não está no resultado, porque entre as europeias de 2014 e as legislativas de 2015, num ano, duplicaram a votação e subiram dez pontos percentuais. O problema está em que ninguém prevê a mesma progressão agora. E ninguém prevê, porque a direita parlamentar comprometeu a sua relação com o eleitorado, com uma estratégia confusa, que a dividiu entre si, pôs o PSD a insistir em acordos com o PS,  o CDS a tentar concorrer com o BE em Arroios, e os dois a votar com os comunistas na Assembleia da República. Na noite de domingo, Rui Rio provou que nada aprendeu nem vai aprender: jurou, conforme manda a praxe, que “só o PSD pode ser alternativa ao PS”, para logo a seguir teimar nos consensos com o PS, para a “reforma da justiça” e a “descentralização” (eufemismos para o controle do Ministério Público e a regionalização). Assim, PSD e CDS arriscam-se a marchar para as legislativas como os perus para o Natal. E nem sequer têm o desculpa dos “populistas”, que noutros países tiram votos à direita. Quanto à abstenção, a outra desculpa de Rui Rio, não é uma desculpa — é antes a culpa.

Porque é que isto deve importar ao país? Porque o país precisa mesmo de uma alternativa, e não apenas porque fique bem a uma democracia ter opções, mas porque a geringonça, depois de quatro anos da melhor conjuntura internacional de sempre, já provou não ter mais nada a oferecer do que o prolongamento indefinido do regime de impostos altos, cativações escondidas e taxas de crescimento medíocres – isto é, daquilo a que antigamente se chamava “austeridade”. As esquerdas, sob a chefia endogâmica dos velhos companheiros de José Sócrates, desistiram há muito de tentar sair deste impasse. Têm uma solução de poder, mas não uma solução para o país. As chamadas “reformas” – isto é, a redução dos constrangimentos e dos custos com que o Estado dissuade a iniciativa dos cidadãos – nunca serão tentadas enquanto a direita for fraca. É verdade, como gosta de lembrar Rio, que as revisões constitucionais de 1982 e de 1989 se fizeram com o PS. Só que não dependeram apenas de um acordo com o PS, mas de uma maioria do PSD e do CDS. Não será diferente agora.

Mas não era a dominação socialista fatal, a partir do momento em que Costa conseguiu apossar-se do governo a seguir à “saída limpa”, pronto para aproveitar as políticas do BCE e as mudanças de conjuntura? Parece que foi essa a ideia de muita gente no PSD. Por isso, aqueles que escolheram Rui Rio foram talvez menos decisivos do que os que o deixaram ganhar, convencidos de que as eleições de 2019 estavam perdidas e que o mais inteligente era esperar. Foi um erro, porque Rio ameaça tornar as derrotas mais graves do que era necessário. O PS, com 33,4%, obteve mais 1,9 pontos percentuais do que em 2014: pareceu uma grande vitória apenas porque o PSD registou a sua pior percentagem de todos os tempos (21,9%). Em 1994, Cavaco Silva perdeu as europeias com um resultado (34,3%) melhor do que o de Costa este ano. Quanto ao BE e ao PCP, não fizeram mais do que trocar outra vez de posições entre si, sem aumentar a soma dos seus votos. O BE, com 9,8%, ficou abaixo do nível de 2009 (10,72%), quando elegeu três deputados. O PAN, com que a imprensa decidiu entusiasmar-se e a geringonça já parece contar, reuniu 168 mil votos. Mas Marinho Pinto, em 2014, arranjou 234 mil, sem precisar dos cães e dos gatos. A geringonça está no poder, organizou clientelas, faz cálculos sobre a futura maioria parlamentar: mas a sua fortaleza não tem aspecto de ser inexpugnável. Nada deveria ser fatal em Outubro, não fosse a direita que temos. No fim, António Costa vai ficar a dever muito a Rui Rio.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rui Rio

Portugal continua a não ser a Grécia /premium

Rui Ramos
394

Quando a Grécia se afundava em resgates, Passos impediu que Portugal fosse a Grécia. Agora, quando a Grécia se liberta da demagogia, é Rui Rio quem impede que Portugal seja a Grécia. 

Racismo

A máquina de inventar racistas /premium

Rui Ramos
3.536

O pior que nos poderia acontecer era deixarmos de ser portugueses, para passarmos a ser “brancos”, “negros”, ou “ciganos”. Não contem comigo para macaquear o pior que tem a sociedade americana.

Democracia

A segunda parte do 25 de Abril /premium

Rui Ramos
420

Há 40 anos, a Aliança Democrática salvou a democracia em Portugal. Como vai agora evoluir o regime, sem uma direita democrática reformista como a que em 1979 fundou a AD?

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
134

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)