Rádio Observador

Fogo de Pedrógão Grande

Desculpa, Pedrógão Grande

Autor
3.635

Portugal está desagregado e desorganizado. Temos dois países, um deles cada vez mais abandonado porque não dá votos, porque há uns que são mais iguais que outros.

Sim temos de pedir desculpa a todos os que morreram, às suas famílias e a todos os que tiveram de sair das suas casas. Em nome de sucessivos governos, em nome de todos os partidos políticos, que se concentram no que dá votos, na propaganda, na comunicação do dia da árvore ou disto ou daquilo. Temos de pedir desculpa, porque temos viabilizado escolhas erradas, temos validado uma hierarquia de valores que desagregou e desorganizou o Portugal. Perdão ainda por estarmos a assistir ao mesmo do costume, corridas legislativas como se apenas com leis se tratasse um problema tão grave como o que temos no país

A tragédia de Pedrógão Grande, o enorme número de vítimas mortais num incêndio, expõe de forma dramática o abandono a que está votado Portugal. Vimos no fogo e nas mortes o fosso entre um país urbano, pendurado nos direitos e desabituado a ter deveres, e um país que vive entregue a si próprio, esquecido. Foi-nos mostrado, de forma terrível, como são ocas são as palavras e os discursos contra a desigualdade. Desigualdade é isto, é um Estado não ser capaz de proteger aldeias de um incêndio.

Quem vive fora das grandes cidades já sabe há muito que há o país de Lisboa e do Porto, onde os políticos falam para quem lhes dá votos, com especial relevo para os funcionários públicos, e concentram-se no politicamente correcto. Esperava-se que as autarquias conseguissem preencher essa falha mas ou não têm competências ou alinham pelo discurso e a acção dos políticos da corte.

É muito difícil encontrar palavras para descrever a revolta com o que se passou. A preocupação com os mais desfavorecidos é de uma enorme hipocrisia, recordando cada vez mais as práticas do Estado Novo. Não se pensa em resolver problemas. Leva-se ao limite do absurdo a estratégia de comunicação, a actuação de acordo com o que é ditado pela pergunta: o que quer a maioria? Querem estradas? Que se façam mil estradas. Querem obras? Que se façam mil obras. Querem rendimento mínimo, aumentos salariais no Estado? Que se dê.

A política pública é hoje ditada por impulsos, gerados pelo que se acha que as pessoas querem. Assim se explica que um país com a área florestal que tem Portugal não tenha conseguido até hoje ordenar a floresta. É mais fácil dar dinheiro aos bombeiros e à protecção civil. Todo o trabalho que não se vê e, como tal, conclui-se, não dá votos, vai sendo adiado. Quando acontece uma tragédia como aquela a que assistimos aliviam-se as consciências legislando. Foi sempre assim e volta a ser assim. A seguir esquece-se, até à próxima tragédia.

O país está desorganizado e desagregado, as instituições que funcionam parecem estar reduzidas às forças armadas e à polícia, PSP e GNR. Todo o aparelho do Estado está contaminado pela partidarização, numa total despreocupação com o serviço público. Foi isso que vimos em directo no que se passou com Pedrógão – quem tinha de dar os alertas a tempo não os deu, quem tinha de actuar rapidamente não actuou.

Responsabilizar sim, mas quem? A desorganização criou mecanismos de auto-protecção. Nunca se consegue perceber quem ou que entidade tem a responsabilidade de actuar. Tudo é muito difuso, nos incêndios como em tudo. Por isso é que tudo desagua depois na cabeça dos ministros. Caem ministros, ficamos contentes e tudo fica na mesma.

Temos de pedir desculpa a Pedrógão Grande. Porque somos nós os responsáveis por termos viabilizado tanta mediocridade, por estarmos a fazer crer aos políticos que é isso que queremos, coisas como diários da república verdes, declarações de intenções nunca realizadas, estradas e obras de fachada. Políticas que geraram um país profundamente desigual, onde uns são mais iguais que outros.

Pedrógão é o exemplo do abandono a que está votado o país, o quão oco é o que se diz sem se fazer.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Greve

As greves antes e depois dos motoristas /premium

Helena Garrido
759

As greves podem nunca mais voltar a ser as mesmas depois do que está a acontecer com os motoristas. Estas greves são em si efeitos de um Governo com o inédito apoio dos partidos de esquerda.

Legislação

Menos forma, mais soluções /premium

Helena Garrido
166

É aflitivo ver-nos criar leis e mais leis sem nos focarmos nas soluções. A doentia tendência em catalogar tudo como sendo de esquerda ou de direita tem agravado esta incapacidade de resolver problemas

Racismo

Portugal não era nem é racista

João Pedro Marques

Será o racismo um problema real, tanto no tempo de Vasco Santana como agora, ou foi a nossa noção de racismo que mudou a tal ponto que tendemos a chamar racismo a coisas que o não eram e o não são? 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)