Rádio Observador

Crianças

Dia Internacional da Criança com Cancro

Autor
1.791

15 de Fevereiro, Dia Internacional da Criança com Cancro. Se me perguntarem qual a diferença entre este dia e todos os outros socorro-me de uma metáfora ligeira: o tom de voz.

Hoje, neste preciso dia, 15 de Fevereiro, a Acreditar, Associação de Pais e Amigos de Crianças com Cancro, une-se ao mundo inteiro para falar de oncologia pediátrica, duas palavras que jamais deviam caminhar juntas. Hoje, seja na Europa, com taxas de sobrevivência superiores a 80%, seja em África, com estatísticas bem mais terríveis, o mundo falará de cancro pediátrico, a primeira causa de morte por doença na criança após o primeiro ano de vida. Estatisticamente, enquanto alguém lê este artigo, três ou quatro crianças ou jovens morrerão no mundo, vítimas da doença;  hoje, uma criança ou um jovem serão diagnosticados em Portugal com cancro.

Na vida destas famílias tudo começa com a frase do médico: o seu filho tem cancro. A frase esmaga, porque o nome da doença esmaga, e porque falamos de filhos que têm seis meses, sete anos, quinze anos. Falamos de crianças arrancadas aos recreios da escola; falamos de jovens que veem o futuro incerto; e falamos de bebés, quando já não há palavras para a incredulidade. Percebemos, por fim, que é preciso agir, dar um sentido às coisas, não perguntar por que motivo isto acontece, mas o que fazemos com isto que acontece. E dizermos alto, para todos ouvirmos a certeza da confiança e da esperança.

Tudo parece naturalmente acabar quando o médico diz a frase esperada, tantas vezes ansiada ou rezada: o seu filho está curado. Sente-se então um suspiro de alívio, oferecido à técnica ou à fé, que abre  as portas à vida, que deixa entrar o futuro e, com ele, projectos e desejos.

Estar curado é vencer a doença. Mas é perceber, também, que não se fecha o processo numa gaveta, não se queimam os relatórios e os exames em nome do esquecimento. O que aconteceu fica para sempre com cada um daqueles a quem aconteceu, tivesse seis meses, sete anos ou quinze anos. Um dia mais tarde há que olhar para trás, não com os olhos do herói, mas com os olhos do sensato: o que tive eu? Que cuidados devo ter? A que posso estar sujeito? Quem pode ajudar-me?

Aprendemos com cada dia que corre. A Acreditar, Associação de Pais e Amigos de Crianças com Cancro, aprende desde 1994, quando surgiu para marcar a sua presença junto dos Pais e das crianças ou jovens que se confrontam com o cancro.

Aprendemos que as famílias, arrancadas às suas terras pelas necessidades de tratamento, procuram um tecto onde se abrigar, e construímos casas em Lisboa, Coimbra e Porto. Aprendemos que a casa de Lisboa não chegava, que as listas de espera eram um sobressalto. Por isso, ajudados pela Câmara Municipal (e pelos mecenas que nos apoiarão nesta empreitada), vamos conseguir duplicar a nossa capacidade, dar a mais famílias a possibilidade de viverem numa casa longe de casa.

Aprendemos que a legislação existente fica aquém das necessidades de Pais, doentes, cuidadores, e por isso apresentámos, junto da Assembleia da República, relatórios, inquéritos, testemunhos em discurso directo de pessoas que passaram por este processo e a quem faltou o apoio escolar, laboral, social. Aprendemos que é preciso não desistir, e insistir, para que nada caia no esquecimento e na voragem de outras aparentes prioridades.

Aprendemos a angústia de saber que a ala da pediatria de alguns hospitais só aceita doentes até aos dezasseis anos. Por isso defendemos que se estenda, pelo menos, até aos dezoito, sabendo que nalguns países o conceito de pediatria vai além dos vinte anos…. Só quem entra com um filho de dezassete anos num hospital é que percebe a violência emocional de vê-lo encaminhado para uma ala de adultos.

Aprendemos, também, que a nossa actuação não termina quando a família se despede de nós e regressa, feliz, ao seu ponto de origem. É preciso insistir na manutenção da consulta dos DUROS (Doentes que Ultrapassaram a Realidade Oncológica com Sucesso) e alargá-la ao território nacional. É preciso que quem venceu a doença saiba as debilidades que carregará até ao fim da vida; é preciso que alguém lhes diga que exames fazer e quando fazer, a que sintomas devem estar particularmente atentos; é preciso que alguém desmistifique os terrores que cada um transporta consigo, ou que dê um conselho; é preciso que alguém lhes diga, à luz do que se sabe hoje, o que podem esperar do amanhã.

Aprendemos ainda a realidade da mobilidade e da globalização: um jovem de 25 anos que teve um cancro aos nove está hoje em Portugal, amanhã parte com um mestrado e uma esperança para a Alemanha, de onde seguirá para o Brasil ou para a China ou para a Austrália. Onde fica o processo deste jovem adulto? Quem lhe diz, com uma terminologia científica e internacional, o que ele teve, a que tratamentos foi sujeito, qual a dose de radiação ou o tipo de medicamentos? É por isso que aprendemos a necessidade de um passaporte que acompanhe este jovem e que ele possa apresentar num hospital em S. Paulo ou em Berlim, confiante que alguém lhe diga que uma gripe é uma gripe, ou que não pode fazer isto, porque enquanto doente fez aquilo…

Acima de tudo, hoje, dia 15 de Fevereiro, é tempo de reafirmar a convicção que nos une a todos: nenhuma criança, qualquer que seja o seu país de origem, condição social ou religiosa, deveria morrer de cancro. E dizê-lo alto, para que todos ouçam.

Presidente da Acreditar, Associação de Pais e Amigos de Crianças com Cancro; Membro do Conselho Executivo da Childhood Cancer International

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cancro

Dia Internacional das Crianças com Cancro

João de Bragança
3.311

O mundo doloroso das crianças e jovens com cancro é isto: a falta de leis, de apoios sociais, de condições ou de políticas, o excesso de protagonismos ou de pequenas lutas próprias.

Cancro

Ficção e realidade

João de Bragança
334

Neste Setembro Dourado para a comunidade que lida com o cancro infantil é tempo de contar histórias reais para alertar quem decide, quem não sabe o suficiente, para que também a realidade faça sentido

Saúde

Crianças com cancro: esperança mesmo na aflição

João de Bragança
1.665

Hoje, 15 de Fevereiro, é tempo de reafirmar o que une médicos e associações de todo o mundo: nenhuma criança, qualquer que seja o país de origem, condição social ou religiosa, deveria morrer de cancro

Crianças

A infância acaba aos 6 /premium

Eduardo Sá
6.135

Se continuarmos por aqui, e se não cultivarmos mais as crianças para o brincar, a infância pode estar “à beira da extinção”.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)