Eleições no Brasil

É bom ser Tuga

Autor
  • Luís Campos e Cunha

Ter de escolher entre um saudosista da ditadura de 1964 e a insegurança e corrupção garantida pelo PT é triste. Como escolher entre alguém tido como fascista e um democrata talvez corrupto é dramático

Pode uma democracia eleger um fascista? Será possível um ditador potencial ganhar eleições? Infelizmente, a resposta é sim.

Sempre defendi que o valor a defender não é a democracia, mas a liberdade. No Ocidente a democracia é o instrumento que garante a liberdade de cada um. Se um sistema democrático não garante as liberdades aos cidadãos então as eleições podem trazer resultados estranhos. Foi assim na Rússia e será amanhã no Brasil, infelizmente.

A culpa ou responsabilidade de um fascista ser fascista é apenas desse fascista. A responsabilidade de ele ser eleito é de toda a classe política, excepto dele próprio. Há questões que as forças políticas tradicionais não têm em devida conta na América do Sul: a corrupção e a insegurança.

Penso que o pior regime não é uma ditadura, é a guerra civil. Na ditadura, de bico calado obviamente, pode ter-se emprego, levar os miúdos à escola e ir ao supermercado para lhes dar de jantar. Em guerra civil nem isso está garantido, mesmo que se mantenha o bico calado. Foi o grande erro de W. Bush no Iraque e na Líbia, para citar exemplos óbvios de ditaduras bem duras, em que o suposto bem-estar democrático se transformou em algo pior que a ditadura, ou seja, a guerra civil. Se a alternativa à ditadura é a guerra civil, então a escolha é clara. Na guerra civil raramente há lados bons.

No Brasil não há guerra civil, mas a insegurança é demasiado próxima. A insegurança afecta todos —ricos e pobres— e de forma a coartar a liberdade de qualquer cidadão, todos os dias e em qualquer lugar. A esta insegurança, aliás galopante com Dilma Rousseff (sempre arrogante e auto-suficiente), veio juntar-se um sem número de casos de corrupção ligados a quase todos os partidos e com o PT de Lula-Dilma à cabeça.

Se atendermos que a insegurança democrática no Brasil afecta as liberdades, qualquer cidadão, possivelmente, pode perguntar-se se eleger um fascista é pior. Alguns (cerca de metade) dos brasileiros ponderam entre as liberdades políticas cerceadas na ditadura e as liberdades coartadas com a insegurança das ruas e a corrupção galopante em democracia.

A resposta são as eleições no Brasil. Ter de escolher entre um apoiante saudosista da ditadura de 1964 e a insegurança e corrupção garantida pelo PT é triste. Ter de escolher entre alguém visto como fascista e um democrata possivelmente corrupto é dramático. Eu tento perceber o voto dos brasileiros, nunca justificar o fascismo de um fascista. Felizmente, nas próximas eleições os portugueses não terão esses dilemas: é bom ser tuga.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ensino Superior

Propinas, 44 anos depois...

Luís Campos e Cunha
1.718

A estupidez das propinas zero não tem limites. Há a esperança de haver outro ministro até lá, mas a incerteza continuará por muitos anos, dificultando estratégias de desenvolvimento do ensino superior

Política

Fascismo e salazarismo

Luís Campos e Cunha
1.650

Salazar não era revolucionário como o fascismo, era conservador. Era mesmo avesso ao progresso industrial, era reacionário, via a felicidade do povo na ruralidade: cada família com a sua junta de bois

PGR

Joana Marques Vidal

Luís Campos e Cunha
116

Há bons argumentos para mandatos longos e únicos para funções públicas como a de PGR. Mas há um diabo de um detalhe: é que tem de estar claro, na lei, desde o início, que o mandato é único. E não está

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)