Legislativas 2015

E se não houver maioria absoluta?

Autor
355

Face à radicalização do PS, um cenário sem maioria absoluta conduzirá portanto aparentemente a uma crise institucional ou a uma "solução" de um governo de coligação do PS com a extrema-esquerda

Longe vão os dias em que a convicção dominante era de que a substituição de António José Seguro por António Costa na liderança do PS permitiria ao partido disparar decisivamente para a ambicionada maioria absoluta. A pouco mais de uma semana das eleições o PS de António Costa luta taco a taco para ficar à frente da coligação que governou Portugal nos últimos quatro anos.

Seja por efeito do desgaste provocado pelos sacrifícios exigidos nos últimos quatro anos (como argumenta José Manuel Fernandes) ou do potencial efeito de voto útil à esquerda (como arrisca Paulo Baldaia ao prever que o PS ganhará com uma vantagem superior a 5 pontos), é certamente possível continuar a considerar o PS como favorito, mas ninguém no seu perfeito juízo dará como assegurada uma maioria absoluta do PS.

Ora, como bem alertou Nuno Garoupa, Portugal (em princípio) não acaba no dia 4 de Outubro e, se não houver uma maioria absoluta, no dia 5 de Outubro podemos de facto estar confrontados com a mais grave crise institucional dos últimos 40 anos. Se do lado da coligação ninguém esperaria vida fácil, vários factores concorreram para tornar também progressivamente mais difícil a vida do PS e de António Costa.

A atracção fatal pelo radicalismo syrizista que seduziu parte do PS não ajudou, assim como não ajudam os persistentes sinais de radicalização interna do partido. Depois, claro, há a inescapável figura de José Sócrates a pairar sobre a campanha e em especial sobre António Costa. A confusão interna em torno das presidenciais também veio na pior altura e o processo de constituição das listas esteve longe de ser o ideal para promover a união e coesão interna do PS. A somar a tudo isto, a acumulação de sinais de recuperação económica, ainda que ténua e pouco consolidada, liquidou a narrativa da “espiral recessiva”.

Restava a António Costa a campanha para arrepiar caminho e se afirmar como alternativa credível mas também nesta dimensão as coisas, como se sabe, não têm corrido até agora particularmente bem, não obstante o acumular de promessas. Como cereja no topo do bolo, António Costa veio adicionalmente garantir não viabilizar o orçamento em caso de vitória sem maioria absoluta da coligação. Isto apesar de num passado não muito distante ter defendido, em nome da governabilidade, a doutrina contrária.

Face à radicalização do PS, um cenário sem maioria absoluta conduzirá portanto aparentemente a uma crise institucional ou a uma “solução” de um governo de coligação do PS com a extrema-esquerda, com tudo o que isso implicaria para o país. Suspeito que muitos analistas e académicos vêem essa possibilidade com bons olhos e a considerariam até uma “normalização” do sistema partidário e um avanço progressista. Não estou no entanto certo que a maioria dos eleitores comuns partilhe essa visão, incluindo uma boa parte do eleitorado tradicional do PS.

Com o país no limiar da bancarrota, cerca de 50% do eleitorado votou PSD ou CDS em 2011. Mesmo fazendo fé nas sondagens mais simpáticas para a coligação, uma parte significativa desse eleitorado está – com boas razões – desiludida ou mesmo zangada com a coligação. Resta saber como reagirão esses eleitores à perspectiva de se absterem ou de votarem em António Costa e acabarem com comunistas ou bloquistas no governo do país.

Professor do Instituto de Estudos Políticos da Universidade Católica Portuguesa

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Liberalismo

Anthony de Jasay (1925-2019)

André Azevedo Alves

Com uma personalidade de trato nem sempre fácil e ideias heterodoxas e politicamente incorrectas, Jasay fez o seu percurso maioritariamente à margem do sistema académico vigente. 

Ensino Superior

A fraude da eliminação das propinas

André Azevedo Alves
893

Aos 18 anos os jovens poderiam votar, mas estariam ao mesmo tempo sujeitos à frequência compulsiva de um “ciclo geral universitário” para receberem a adequada doutrinação socialista.

Pedro Passos Coelho

Quem tem medo de Passos Coelho?

Rui Ramos
1.960

Na história portuguesa, Passos Coelho foi o primeiro chefe de governo que, num ajustamento, não pôde dissimular os cortes com desvalorizações monetárias. Governou com a verdade. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)