União Europeia

Em defesa de Durão Barroso e do ideal europeu

Autor

Numa velha democracia parlamentar, a tomada de posição de Juncker contra Durão Barroso teria merecido uma gargalhada geral e a sua convocação pelo Parlamento — onde o seu lugar estaria em sério risco.

Já muito terá sido dito sobre o surpreendente ataque a José Manuel Durão Barroso pelo seu sucessor, Jean-Claude Juncker, e por outros responsáveis da União Europeia. Mas não creio que neste caso tenha sido dito o essencial. E — após estupefacção inicial — receio ter de concluir que o essencial possa ser bastante grave: bastante grave a respeito da debilidade das tradições e da cultura política de Bruxelas.

Não vale a pena perder tempo com os detalhes. Mas vale a pena recordar a evidência empírica fundamental. Durão Barroso cumpriu todas as regras gerais até à data definidas pela União Europeia acerca da reforma dos membros da Comissão Europeia. Isso foi claramente reconhecido pelo sr. Juncker e por todos os que até agora se pronunciaram sobre o tema.

Qual foi então o “delito” de Durão Barroso? Segundo o sr. Junker, foi ter escolhido [a filial britânica do banco norte-americano] Goldman Sachs. Essa escolha é que criou o problema, explicou o sr. Juncker, porque, segundo ele, o Goldman Sachs foi um dos maiores responsáveis pela grave crise financeira iniciada em 2008, além de ter estado envolvido em operações financeiras duvidosas em torno da dívida pública grega.

É francamente inacreditável que o actual Presidente da Comissão Europeia possa ter dito isto. Mas disse. E disse isto para justificar que o estatuto de ex-Presidente da Comissão irá ser retirado a Durão Barroso — apesar de, recorde-se, o mesmo Juncker, na mesma declaração, ter reconhecido que Barroso tinha respeitado as regras gerais de reforma da Comissão.

Numa velha democracia parlamentar, esta tomada de posição do sr. Juncker teria merecido uma gargalhada geral e a imediata convocação do seu autor pelo Parlamento — onde o seu lugar estaria a partir desse momento em sério risco.

O Parlamento recordaria então ao sr. Juncker a distinção fundamental — herdada da Grécia antiga, há 2500 anos — entre governo das leis e governo dos homens. Isto significa que os homens que temporariamente ocupam os governos não podem infringir as leis ou regras gerais, abaixo das quais todos se encontram. “Ninguém está acima da lei” quer dizer isso mesmo.

A questão não está, por isso, em concordar ou não com a opinião do sr. Juncker sobre a maldade do Goldman Sacks. Isso é na verdade irrelevante. Uns estarão de acordo, outros não, e outros ainda serão indiferentes. O ponto reside em que essa é apenas uma opinião — e o facto de ser a opinião do Presidente da Comissão Europeia não altera nada ao facto de ser apenas uma opinião.

Por outras palavras: a opinião do sr. Juncker acerca do Goldman Sachs não estava inscrita nas leis gerais da União Europeia ou, mais especificamente, nas regras gerais sobre a reforma dos membros da Comissão Europeia. Sob o governo das leis, os governantes episódicos não podem alterar regras anteriormente estabelecidas e fazer aplicar retroativamente essas alterações a situações ocorridas antes de terem sido feitas as alterações. Receio ter de recordar que esse princípio crucial da “rule of law” estava já contido na Magna Carta de 1215.

É surpreendente que o actual Presidente da Comissão Europeia ignore estes princípios elementares. Mas é ainda mais surpreendente que eles pareçam ser ignorados pela cultura política das instituições de Bruxelas — que parece terem achado normal o comportamento do sr. Juncker.

Após alguma reflexão, no entanto, talvez não seja tão surpreendente. Estes comportamentos parecem ilustrar uma cultura política continental — para não dizer jacobina e napoleónica — em que a ideia de governo limitado pela lei não é central. Nesta cultura, como tenho argumentado mais detalhadamente noutros lugares, também a distinção entre regras gerais e propósitos particulares não é central. Se os propósitos forem julgados “bons”, será considerado normal que regras gerais sejam ignoradas para que o poder coercivo do Estado (que no continente se escreve com maiúscula) possa alcançar os objetivos “bons”.

Não é aqui o lugar para recordar o profundo alcance da distinção entre regras gerais e propósitos particulares — e o fundamento que ela fornece ao ideal de governo limitado pela lei. Mas vejo-me forçado a repetir aqui que essa distinção está há 2500 anos no cerne da distinção entre a civilização europeia e ocidental… e as outras.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
II Guerra Mundial

D-Day: 75 anos depois /premium

João Carlos Espada

É desejável que a legítima crítica a Donald Trump não traga de volta o profundo anti-americanismo que dominou no século XX largos sectores da esquerda e da direita anti-democráticas na Europa.

União Europeia

Mercados abertos num mundo em convulsão

Cecilia Malmström

Se alguma coisa aprendemos com a última década é que o comércio livre já não é um dado adquirido, pelo que temos de desenvolver mais esforços para manter os mercados abertos para as nossas empresas.

União Europeia

A Europa Social em questão

António Covas

A UE terá de conceber e implementar, por via de uma “cooperação reforçada”, um programa de ação em matéria de espaço social europeu, à semelhança do que se fez com o mercado único ou a moeda única.

10 de junho

A função social da esquerda /premium

Rui Ramos

Talvez a direita, noutros tempos, tenha tido o papel de nos lembrar que não somos todos iguais. As reacções ao discurso de João Miguel Tavares sugerem que essa função social é hoje da esquerda.

PAN

A culpa como arma final /premium

André Abrantes Amaral

Antes o pecador ia para o Inferno; agora destrói a Terra. A Igreja falava em nome de Deus; o PAN fala em nome do planeta. Onde foi buscar tal ideia é o que a democracia tem tido dificuldade em perguntar

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)