Fogo de Pedrógão Grande

«Familismo amoral» /premium

Autor

Um «país desonesto» é um país «familista e amoral»: mais do que o próprio indivíduo, é a família o agente «amoral» das decisões perante um complexo de factores que escapa em maioria ao seu controlo.

Num recente artigo João Miguel Tavares (JMT) foi quem reagiu com mais vigor ao comportamento ignominioso de algumas famílias de Pedrógão Grande que se aproveitaram dos incêndios florestais do Verão passado para obter financiamentos públicos aos quais não tinham direito a fim de reconstruir casas há muito abandonadas! O autor do artigo mostra também como o presidente da Câmara correu em defesa das famílias prevaricadoras, mergulhando numa dessas «conspirações do silêncio» que se formam sempre nos meios pequenos, mas não revelou que esse novo presidente eleito pelo PS nas últimas eleições autárquicas era, nem mais nem menos, a mesma pessoa que o anterior presidente eleito pelo PSD… Teríamos ficado logo a saber como funcionam politicamente estas micro-sociedades!

Em contrapartida, JMT não se limitou a denunciar as famílias em questão e o eterno presidente da Câmara! Apropriadamente, comparou aquele tipo de manhas delituosas ali praticadas à custa do infortúnio alheio ao comportamento colectivo da quadrilha que, no tempo de Sócrates, assaltou a banca e as grandes empresas portuguesas, levando o país às dívidas com que continuamos a viver.

JMT concluiu tristemente que estes dois indignos comportamentos paralelos «dizem mais sobre Portugal do que uma estante inteira de livros de Sociologia, História e Ciência Política»! Não irei ao ponto de proclamar, como ele, que aqueles factos explicam a «sensação angustiante de estarmos sempre a perder o comboio do desenvolvimento». Em compensação, percebo a ideia que ele procura exprimir e posso assegurar os leitores que as estantes das ciências sociais são capazes de fornecer bastantes elementos para compreender aquilo a que ele chama, na boa tradição crítica nacional, «o fracasso do país» e que se pode designar, academicamente, como «path-dependence», ou seja, algo como: «A dependência das escolhas feitas no passado é extremamente difícil de reverter».

Estou a pensar em especial num complexo altamente constrangedor de atitudes e comportamentos predominantes entre as populações rurais da maior parte da Europa do sul, especialmente nos países católicos e sem exclusão das suas elites, ao qual foi dada pelo cientista político Edward Banfield a designação de «familismo amoral» (The moral basis of a backward society, 1955). A «sociedade atrasada» em questão era uma localidade do sul de Itália nos anos ’50 do século XX. As expressões de Banfield eram suficientemente pouco lisonjeiras, como aliás o título do artigo de JMT: «este país não é para gente honesta», para haverem suscitado um longo debate que nunca foi ultrapassado.

Este não é o espaço para uma exposição académica que, aliás, já fiz com bases estatísticas comparativas (Dimensões da cidadania, 2014), em particular num capítulo cujo título nomeia uma boa parte das grandes questões em causa: «Despotismo de estado e sociedade civil real em Portugal: distância ao poder, comunicação política e familismo amoral». Segundo o princípio geral da teoria da «path-dependence», tanto se pode começar pelo princípio como pelo fim: JMT partiu do último para alcançar o primeiro.

Um «país desonesto» é um país «familista e amoral»: mais do que o próprio indivíduo, é a família o agente «amoral» das decisões perante um complexo de factores que escapa em maioria ao seu controlo – mesmo à família do DDT, imagine-se às famílias de menos recursos… Pode-se hesitar entre grandes razões e pequenos motivos mas todos eles deixam marcas, tendencialmente irreversíveis, como num jogo de xadrez. Um deles é esse «despotismo de Estado» que Tocqueville descobriu na Europa quando visitou a América em meados do século XIX e que tanto pode começar por ser a causa desse «familismo sem moral» como tornar-se uma sua consequência deste.

Em todo o caso, o analfabetismo e a emigração – dois dos traços mais distintivos da sociedade portuguesa até hoje – são a causa de uma enorme «distância ao poder», que foi possível medir estatisticamente em comparação com outros países, por parte das famílias desmunidas de trunfos perante as famílias que compõem as oligarquias dominantes. Tipicamente, a «emigração patológica» que caracteriza determinados países marítimos começou por funcionar, em Portugal, como um dos motores das hoje discutidas «descobertas» para se transformar na grande válvula de escape para a falta de desenvolvimento interno,

Em suma, a emigração é o mesmo que «votar com os pés», ou seja, aquilo a que Albert Hirschman chamou «exit» em oposição a «voice» (Exit, voice and loyalty, 1970). A «falta de voz», pela ausência física ou devido às poucas letras, é a causa do abstencionismo eleitoral e da indiferença política, reforçando paradoxalmente as tendências despóticas do Estado, antes e depois de Salazar. Com efeito, Portugal só terá ultrapassado a «literacia restrita» depois da 2.ª Guerra Mundial (Jack Goody, Literacy in traditional societies, 1968). Ora, as poucas letras e a amoralidade, tanto das pretensas elites como de muitas famílias desmunidas, são responsáveis por mais diferenças sócio-culturais do que o próprio dinheiro.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Espanha 2015

Sombras da guerra civil /premium

Manuel Villaverde Cabral

Não se espera uma nova guerra civil mas não são de afastar enfrentamentos de vários géneros, incluindo físicos, apesar da pertença comum à União Europeia, cujos inimigos em contrapartida rejubilarão!

União Europeia

A tragicomédia do Brexit /premium

Manuel Villaverde Cabral

É devido às razões de fundo da construção europeia, iniciada e discutida em profundidade há mais de 60 anos, que a União Europeia não podia em caso algum facilitar a saída do Reino Unido.

União Europeia

O Brexit e as suas lições /premium

Manuel Villaverde Cabral

É natural e desejável que a UE torne tão difícil quanto possa a ruptura inglesa e galesa, já que os outros «reinos» votaram «Remain», particularmente num momento internacional da maior insegurança.

Liberdades

O medo da liberdade /premium

Paulo Tunhas

O que esta nova esquerda busca não se reduz ao desenvolvimento de um Estado tutelar. É algo que visa a perfeita eliminação da sociedade como realidade distinta do Estado. Basta ouvir Catarina Martins.

25 de Abril

Princípio da União de Interesses

Vicente Ferreira da Silva

O nosso sistema de governo promove desigualdades entre os cidadãos, elimina a responsabilidade dos titulares de cargos públicos e limita as liberdades, os deveres e os direitos fundamentais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)