Rádio Observador

Ucrânia

Guerras religiosas voltam ao mundo cristão /premium

Autor
170

Na Ucrânia, presentemente, existentes três igrejas ortodoxas (a do Patriarcado de Kiev, a Autocéfala e a do Patriarcado de Moscovo) e ninguém sabe como irão elas repartir os templos ortodoxos do país.

Normalmente, os políticos, a imprensa e grande parte dos cidadãos comuns só reagem ao que se passa no mundo no momento em que rebenta um forte conflito. Mesmo que já se adivinhe que a situação vai ser muito grave, a prioridade vai para as lutas políticas internas ou para o futebol. Por isso, muitos ficam “espantados” como é que políticos como, por exemplo, Donald Trump ou Jair Bolsonaro podem chegar ao cargo de presidente dos seus países eleitos pela maioria dos votantes.

Mas esta “surpresa” passa-se em muitas outras esferas, incluindo o campo da religião. Que os muçulmanos se matem uns ou outros por motivos religiosos já não surpreende ninguém, mas guerras entre cristãos na actualidade? Como será possível? Isso é coisa da Idade Média!, dirão muitos. Mas não é verdade: a guerra entre cristãos ortodoxos já está instalada, e não algures muito longe de nós, ali logo na Europa do Leste, podendo as repercussões chegar a Portugal.

A Igreja Ortodoxa Russa decidiu romper com o Patriarca Bartolomeu, chefe da Igreja Ortodoxa de Constantinopla, que é considerado tradicionalmente como a figura mais importante no cristianismo ortodoxo (embora esteja a léguas de distância do poder do Bispo de Roma no seio da Igreja Católica), e este decidiu conceder a autocefalia (autonomia) à Igreja Ortodoxa Ucraniana, desferindo um rude golpe na parte que depende do Patriarca Ortodoxo Russo. A Igreja Ortodoxa Russa condenou imediatamente essa decisão, proibiu os seus membros de participarem em cerimónias religiosas conjuntas com os ortodoxos que obedecem ao Patriarca de Constantinopla e de visitarem os templos destes, nomeadamente o Mosteiro de Athon, na Grécia, muito popular entre os russos.

O metropolita Ilarion, chefe do Departamento Internacional do Patriarcado de Moscovo que recentemente visitou Portugal, já considerou este conflito uma crise pior do que o Cisma de 1054, que levou à separação entre ortodoxos e católicos.

Na Ucrânia, presentemente, existentes três igrejas ortodoxas (a do Patriarcado de Kiev, a Autocéfala e a do Patriarcado de Moscovo), sendo que as duas primeiras irão ser a base da nova Igreja Ortodoxa Ucraniana independente. E aqui reside um dos principais problemas: como irão ser repartidos os templos ortodoxos entre as várias igrejas. O Patriarcado de Moscovo receia que os “autocéfalos” comecem a ocupar à força os templos que ele diz pertencerem-lhe, tendo-se já registado várias tentativas. Uma das principais batalhas terá lugar em torno da Laura Petcherski, em Kiev, um dos lugares mais sagrados para os ortodoxos do Leste da Europa.

O ideal seria dar aos prelados e paroquianos o direito de opção mas, num país dilacerado por uma guerra contra a Rússia, será um princípio de difícil realização. Alguns dos membros da Igreja Ortodoxa Ucraniana do Patriarcado de Moscovo já anunciaram a passagem para o outro lado, como é o caso, por exemplo, do conhecido metropolita (arcebispo) Alexandre. E qual será a decisão dos crentes e dos sacerdotes das paróquias dessa metrópole? Dificilmente todos irão seguir o seu exemplo e, à guerra política, económica e militar entre a Rússia e a Ucrânia, pode vir a juntar-se a religiosa.

A Igreja Ortodoxa Russa não quer perder um dos seus mais numerosos rebanhos (segundo dados aproximados, cerca de 15 milhões num total de 180 milhões). Além disso, esta separação enfraquece fortemente a tentativa do Patriarcado de Moscovo se tornar no principal centro da ortodoxia no mundo, pois este exemplo poderá ser seguido pelas igrejas ortodoxas da Moldávia e da Letónia.

Como não podia deixar de ser, os apologistas da política do Kremlin e do actual casamento entre o Estado e a Igreja na Rússia de Putin não só encontraram os autores da divisão da Ortodoxia entre os “nazis” e “forças de extrema-direita” na Ucrânia, mas também nos Estados Unidos e Canadá.

Não é segredo para ninguém que a extrema-direita ucraniana tenta tirar frutos desta divisão, radicalizando formas e meios de solução do problema: ocupação de templos. Também é verdade que a principal base de apoio em termos de rebanho do Patriarca Bartolomeu se encontra nos Estados Unidos e no Canadá, países onde a diáspora ucraniana tem bastante influência. A actual direcção dos Estados Unidos não esconde a sua vontade de ter um regime aliado forte às portas da Rússia.

Porém, o Patriarcado de Moscovo parece considerar que os ucranianos têm a memória curta, pois é sabido que a Igreja Ortodoxa Russa apoiou a invasão da Crimeia e do Leste da Ucrânia, abençoa os separatistas pró-russos, é um dos canais da política externa agressiva de Vladimir Putin em geral.

A formação do Estado ucraniano moderno é um fenómeno muito recente, processo que avança e se consolida numa base anti-russa, como aconteceu na Estónia, Letónia e Lituânia, bem como noutros países da zona de influência soviética. Todos eles receiam que a história se repita.

Vladimir Putin não pode perder este combate em defesa do “mundo russo” e contra os cismáticos. Por isso, é de prever um envolvimento crescente do poder político russo neste conflito religioso. Os resultados poderão ser desastrosos para o Leste da Europa, tanto mais que os actuais dirigentes políticos ucranianos também não perdem a oportunidade para ganhar pontos, pois as eleições gerais irão realizar-se no início de 2019 e o conflito religioso será um dos centrais na luta política.

PS. Em Portugal, há várias comunidades ortodoxas e uma forte diáspora ucraniana, por isso, o conflito pode também manifestar-se aqui.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rússia

A Cortina de Ferro volta a fechar-se? /premium

José Milhazes
249

Os cientistas estrangeiros, quando de visitas a organizações científicas russas, só poderão utilizar gravadores e máquinas copiadoras “nos casos previstos nos acordos internacionais".

Rússia

Chega de brincar à democracia! /premium

José Milhazes
360

A polícia e os tribunais russos viram o que ninguém viu e vários manifestantes e candidatos a deputados foram acusados e serão julgados por "organização de desordens em massa", podendo ficar presos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)