Rádio Observador

Igualdade de Género

Homens: os eternos bebês da sociedade /premium

Autor
549

Não adianta falarmos em igualdade salarial enquanto tratarmos homens que protagonizam casos de assédio sexual como “rapazes”, “moleques” ou “meninos” imaturos e não como infratores da lei.

A história é sempre a mesma.

Menina de 9 anos que está de saia e se senta com as pernas abertas: já está crescida, é uma mocinha, como pode uma coisa dessas? Menino de 13 anos que chuta uma bola contra um vidro, depois de cinco avisos: rapazes, né? Demoram para amadurecer, é natural, são assim mesmo.

Garota que engravida sem querer aos 14 anos: sabia muito bem o que estava fazendo, é uma irresponsável, tem que arcar com as consequências. Rapaz de 22 anos que engravida a namorada: um menino imaturo, não podia imaginar que isso fosse acontecer, coitado, sua vida está estragada agora.

Mulher de 20 anos que é mãe e comete algum deslize com o filho: é uma mulher adulta, uma mãe, como pode fazer uma coisa dessas? Homem de 29 anos que é pai e comete algum deslize com o filho: é um pai jovem, com boa vontade, natural errar, pelo menos está tentando.

Mulher de 30 anos que tem um vídeo íntimo divulgado por um ex namorado: bem feito, não se deu o respeito, tem mais é que ser exposta. Homem de 35 anos que divulga imagens íntimas de uma mulher que confiou nele: imaturo, só quis dar umas risadas com os amigos, não teve maldade.

Mulher adulta, desimpedida, que decide viver uma aventura e alega que foi violentada: bem feito, sem vergonha, oferecida, se colocou nessa posição, não pode reclamar agora. Jogador de futebol adulto, acusado de estupro: coitado, caiu numa armadilha, deve ser alguma aproveitadora, ele não tinha como imaginar.

Nós não conhecemos a verdade dos casos, mas nós conhecemos o raciocínio. Quantas e quantas vezes vemos homens de 18, 25, 32, 39, reduzidos a “rapazes”, “moleques” ou “meninos”, nos momentos em que é conveniente lhes subtrair a responsabilidade? E quantas e quantas vezes meninas de 12, 15, 17 anos são tratadas como adultas e senhoras das suas próprias escolhas? Há algo de muito errado nisso.

Há, de fato, um estranho processo de vitimização do homem, que ocorre nas mais diversas esferas. Bill Clinton e Monica Lewinsky: quem era a devassa, destruidora de lares, que sabia muito bem o que estava fazendo e quem era a vítima de uma sedução irresistível? Quem era a estagiária de 22 anos que tinha total consciência de seus atos e quem era o presidente dos EUA de 50 anos que cometeu um deslize infeliz? Quem teve sua vida arruinada depois deste episódio e quem foi absolvido de todas as acusações? São sempre dois pesos e duas medidas, até mesmo quando os pesos e as medidas estão absolutamente invertidos.

Por vezes parece que a suposta imaturidade social masculina pode ir até a casa dos 60 anos, quando começa a ser substituída pela alegação de senilidade. Sempre que há uma acusação grave contra um homem (de preferência um homem branco, já que homens negros não costumam poder usufruir dessas presunções favoráveis, sendo equiparados a mulheres, nesses casos), das duas uma: ou ele era imaturo demais para medir as consequências, ou ele já estava velho demais para mudar ou para entender que deveria agir de outra forma.

Não adianta falarmos em igualdade salarial enquanto tratarmos homens que protagonizam casos de assédio sexual como imaturos e não como infratores da lei. Não adianta falarmos em paternidade ativa enquanto tratarmos homens que negligenciam seus filhos como homens que não tinham maturidade para ser pais. Não adianta tentarmos viver num mundo de igualdade enquanto os homens continuarem sendo tratados como os eternos bebês da sociedade, enquanto mulheres são tidas como responsáveis por si e pelos outros desde a mais tenra idade.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Brasil

Em nome do Brasil, peço desculpas /premium

Ruth Manus
2.369

Não, eu não elegi este governo. Mas o meu país o fez. Parte por acreditar na política do ódio, parte por ignorância, parte por ser vítima das tantas fake news produzidas ao longo do processo eleitoral

Igualdade

E os direitos da "senhora lá de casa"?

Maria d'Oliveira Martins

É frequente negar a dignidade às prestadoras do serviço doméstico. Todos nos recordamos das expressões “a senhora cá de casa” de Judite de Sousa ou “a senhora que vem ajudar” de Francisco Louçã.

Politicamente Correto

Morte aos epicenos e a quem os apoiar!

José Ribeiro e Castro
410

Nunca agradeceremos bastante à 13ª Legislatura por jorrar luz nos pedregosos caminhos da gramática nacional, varrendo o obscurantismo das letras e expurgando de formas traiçoeiras a escrita patriótica

Igualdade de Género

Homens feministas precisam-se!

Inês Santos Silva
809

A igualdade de género só será uma realidade com o apoio de muitos Tom Millers, homens que percebem que os direitos das mulheres são direitos humanos e estão dispostos a lutarem por eles.

Igualdade de Género

Não há mulheres gordas no ginásio

João Pires da Cruz
2.956

A única coisa para a qual poderei contribuir é tentar mostrar à minha filha que mulheres gordas podem e devem ir ao ginásio e que é muito mais valioso ser astrofísica do que princesa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)