Rádio Observador

Acidentes de Aviação

Já não sou Charlie!

Autor
209

A União Europeia apresenta-se como um espaço democrático, mas a iniciativa do Charlie Hebdo é daquelas que me leva a dizer: “amigos russos, peço-vos desculpa, tenho vergonha de publicações como estas"

Ainda as vítimas do despenhamento do Airbus 321 russo no Deserto do Sinai não estão sepultadas e ainda se desconhecem as causas da tragédia e já há quem tenha dado início a uma dança macabra em torno do luto das famílias russas atingidas pela desgraça.

O famoso jornal satírico francês Charlie decidiu publicar duas caricaturas de muito mau gosto sobre a tragédia. O autor de uma das caricaturas “chama a atenção” para o perigo de voar em companhias de baixo custo russas e recomenda a “Air Cocaine”.

A segunda caricatura vai ainda mais longe na sua “ousadia” na crítica à intervenção militar russa na Síria.

CTHsMyeXIAAh9_Y

Talvez para diminuir o efeito odioso destas publicações, o jornal coloca as duas caricaturas na última página, onde normalmente publica os desenhos rejeitados para primeira página. Mas trata-se de uma explicação nada convincente para uma enorme falta de respeito pelas mais de 200 vítimas da queda do avião russo que voava do Egipto para São Petersburgo.

Há limites para tudo, estejam as publicações na primeira ou última página. A falta de respeito pelas vítimas é evidente.  As cerca de 20 crianças que voavam no aparelho russo não foram responsáveis pela política externa do Presidente Putin, nomeadamente pelo envio de aviões russos para a Síria.

Pode-se discordar da política autoritária e imperialista do Kremlin, mas nem todos os meios são admissíveis para a criticar.

Com isto não quero dizer que seja necessário matar os autores das caricaturas a tiro ou à bomba, como fazem os bárbaros extremistas, mas existem outras formas de reagir a este tipo de “jornalismo”: condenar a falta de respeito e deixar de comprar publicações desse tipo.

Não me venham falar do direito sagrado à “liberdade de expressão”, pois a publicação no Charlie Hebdo nada tem a ver com isso, é mais um tiro cobarde nas costas dessa liberdade.

Maria Zakharova, porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia, comentou este incidente com uma pergunta: “Ainda alguém é Charlie?”. Embora eu discorde quase sempre do que essa funcionária russa diz, desta vez, respondo: “Eu já não sou Charlie!”.

A União Europeia apresenta-se como um espaço democrático que poderia ser um modelo a seguir pela Rússia, mas a iniciativa do Charlie Hebdo é daquelas que me leva a dizer: “amigos russos, peço-vos desculpa, tenho vergonha por publicações como estas”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rússia

A Cortina de Ferro volta a fechar-se? /premium

José Milhazes
249

Os cientistas estrangeiros, quando de visitas a organizações científicas russas, só poderão utilizar gravadores e máquinas copiadoras “nos casos previstos nos acordos internacionais".

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)