Igualdade de Género

Minha querida, você é tão feminista quanto eu /premium

Autor
4.616

Feminismo não tem a ver só com igualdade. Feminismo, fundamentalmente, tem a ver com liberdade. Com o direito de escolha de cada mulher. Ser mãe ou não. Ser casada ou não. Ser “feminina” ou não.

Nesses vários anos trabalhando com questões de igualdade de gênero como advogada e como escritora, me canso de ouvir incontáveis vezes o mesmo erro: pessoas que dizem que não são feministas, mas sim a favor da igualdade entre homens e mulheres. Vamos lá, repitam comigo: feminismo não é o contrário do machismo. Feminismo não é o contrário do machismo.

O machismo prega a superioridade masculina. O feminismo não prega a  superioridade feminina, mas sim a igualdade de gênero. Simples assim. O Dicionário Houaiss define feminismo como a “teoria que sustenta a igualdade política, social e econômica de ambos os sexos.” Ou seja, qualquer pessoa que acredite em coisas chocantes como salários iguais para funções iguais ou igual acesso aos cargos públicos, é, inevitavelmente, uma pessoa feminista.

Fico realmente chocada que em 2019, gente razoavelmente instruída ainda associe feminismo ao velho estereótipo da mulher furiosa, com raiva dos homens e do feminino em si mesmo — que, diga-se de passagem, sempre esteve errado.

A questão central é: feminismo não tem a ver apenas com igualdade. Feminismo, fundamentalmente, tem a ver com liberdade. Com o direito de escolha de cada mulher. Ser mãe ou não ser. Ser casada ou não ser. Ser “feminina” ou não ser. Dedicar-se muito à própria carreira ou não. O feminismo acolhe a mulher que não quer ter filhos nem marido, assim como acolhe a mulher que quer ser mãe e esposa em tempo integral- desde que elas tenham feito essa escolha livremente, usufruindo do seu direito de escolha, que é algo recente e ainda muito limitado.

Acho realmente inacreditável que haja mulheres que estudam, que trabalham, que votam, que se filiam a partidos, que escrevem em jornais, que podem se divorciar quando quiserem e que, ainda assim, se digam “anti-feministas”. Quem conquistou todos esses direitos para vocês? O Mickey Mouse? Minha querida, se você tem uma carreira consolidada e espaço para se manifestar, você está usufruindo de conquistas feministas. Caso contrário você ainda estaria fritando croquetes em casa.

E não, não há nenhum problema em fritar croquetes. Nem em preparar um jantar para o seu marido. Nem em passar batom cor de rosa. Assim como não há nenhum problema em não gostar de cozinhar. Ou em não ter marido. Ou em não usar maquiagem. O feminismo viabiliza e respeita tudo isso. O problema, minha cara, é achar que a vida que você escolheu para você é a vida certa para todas as mulheres. O problema é achar que a sua realidade é a realidade de todo mundo. E esquecer, não apenas, que o feminismo já fez muito por nós, mas ignorar também que ele ainda tem muito a fazer por outras mulheres, especialmente as menos brancas, menos ocidentais e menos privilegidas do que nós. O problema é a visão curta, a falta de informação e a falta de profundidade. Isso é que é mesmo lamentável.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Morte

Em que momento a dor de uma morte passa? /premium

Ruth Manus
16.005

Aprendi a nunca dizer “seja forte” para alguém que perdeu alguém que ama imensamente. A nunca dizer “siga em frente” para quem viu boa parte da vida perder o sentido. Aprendi a simplesmente abraçá-los

PS

Obrigada por destruírem argumento anti-quotas /premium

Maria João Marques
196

Temos a agradecer ao PS ter mostrado que há muitos fatores que levam ao recrutamento político e têm bem mais a ver com confiança, relações pessoais, politiquice e pedigree partidário que com ‘mérito'

Civilização

A evidência é desprezada?

António Cruz Gomes

Ainda que nascidos transitórios – para viver no mundo, com o mundo e pelo mundo – fomos indelevelmente marcados por uma aspiração transcendental.

Crónica

Partir A. Ventura /premium

José Diogo Quintela

Ventura quer mudar o sistema por dentro. É uma espécie de supositório humano: faz-se introduzir no organismo para depois exercer a sua influência. Ei-lo metade glicerina, metade convicção ideológica.

Cristianismo

Nos portais do mistério, com Charles Péguy

Jaime Nogueira Pinto

De maioria que éramos, dominante e governante, e por isso até arrogante, nós cristãos, na Europa e no mundo, estamos a ficar minoria e voltámos a ser perseguidos, alvo de atentados, de discriminações.

Civilização

A evidência é desprezada?

António Cruz Gomes

Ainda que nascidos transitórios – para viver no mundo, com o mundo e pelo mundo – fomos indelevelmente marcados por uma aspiração transcendental.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)