Rádio Observador

Igualdade de Género

Minha querida, você é tão feminista quanto eu /premium

Autor
4.616

Feminismo não tem a ver só com igualdade. Feminismo, fundamentalmente, tem a ver com liberdade. Com o direito de escolha de cada mulher. Ser mãe ou não. Ser casada ou não. Ser “feminina” ou não.

Nesses vários anos trabalhando com questões de igualdade de gênero como advogada e como escritora, me canso de ouvir incontáveis vezes o mesmo erro: pessoas que dizem que não são feministas, mas sim a favor da igualdade entre homens e mulheres. Vamos lá, repitam comigo: feminismo não é o contrário do machismo. Feminismo não é o contrário do machismo.

O machismo prega a superioridade masculina. O feminismo não prega a  superioridade feminina, mas sim a igualdade de gênero. Simples assim. O Dicionário Houaiss define feminismo como a “teoria que sustenta a igualdade política, social e econômica de ambos os sexos.” Ou seja, qualquer pessoa que acredite em coisas chocantes como salários iguais para funções iguais ou igual acesso aos cargos públicos, é, inevitavelmente, uma pessoa feminista.

Fico realmente chocada que em 2019, gente razoavelmente instruída ainda associe feminismo ao velho estereótipo da mulher furiosa, com raiva dos homens e do feminino em si mesmo — que, diga-se de passagem, sempre esteve errado.

A questão central é: feminismo não tem a ver apenas com igualdade. Feminismo, fundamentalmente, tem a ver com liberdade. Com o direito de escolha de cada mulher. Ser mãe ou não ser. Ser casada ou não ser. Ser “feminina” ou não ser. Dedicar-se muito à própria carreira ou não. O feminismo acolhe a mulher que não quer ter filhos nem marido, assim como acolhe a mulher que quer ser mãe e esposa em tempo integral- desde que elas tenham feito essa escolha livremente, usufruindo do seu direito de escolha, que é algo recente e ainda muito limitado.

Acho realmente inacreditável que haja mulheres que estudam, que trabalham, que votam, que se filiam a partidos, que escrevem em jornais, que podem se divorciar quando quiserem e que, ainda assim, se digam “anti-feministas”. Quem conquistou todos esses direitos para vocês? O Mickey Mouse? Minha querida, se você tem uma carreira consolidada e espaço para se manifestar, você está usufruindo de conquistas feministas. Caso contrário você ainda estaria fritando croquetes em casa.

E não, não há nenhum problema em fritar croquetes. Nem em preparar um jantar para o seu marido. Nem em passar batom cor de rosa. Assim como não há nenhum problema em não gostar de cozinhar. Ou em não ter marido. Ou em não usar maquiagem. O feminismo viabiliza e respeita tudo isso. O problema, minha cara, é achar que a vida que você escolheu para você é a vida certa para todas as mulheres. O problema é achar que a sua realidade é a realidade de todo mundo. E esquecer, não apenas, que o feminismo já fez muito por nós, mas ignorar também que ele ainda tem muito a fazer por outras mulheres, especialmente as menos brancas, menos ocidentais e menos privilegidas do que nós. O problema é a visão curta, a falta de informação e a falta de profundidade. Isso é que é mesmo lamentável.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Jovens

Salvar o ambiente, mas saber tratar a avó /premium

Ruth Manus
1.851

Teletransportados daquele “inútil” ambiente familiar para seus ricos núcleos (ou bolhas) de debates, terminam por ser um corpo presente na mesa e uma ausência gritante naquele raro momento de partilha

Brasil

Em nome do Brasil, peço desculpas /premium

Ruth Manus
4.286

Não, eu não elegi este governo. Mas o meu país o fez. Parte por acreditar na política do ódio, parte por ignorância, parte por ser vítima das tantas fake news produzidas ao longo do processo eleitoral

Igualdade de Género

Género: igualdade ou ideologia?

Diogo Costa Gonçalves
1.190

Se estamos perante uma (nova) visão antropológica, porquê qualificá-la como ideologia? Porque tal ideia pré-concebida vive em constante tensão com a realidade empírica, começando pela própria biologia

Família

Filhos do Estado, não!

Joana Bento Rodrigues
2.958

Instala-se o receio dos pais educarem os filhos segundo os preceitos e os costumes familiares da sociedade ocidental. Não será esta uma forma de marxismo implementado pelo medo que muitos relativizam?

Igualdade de Género

Generalidades identitárias

João Pires da Cruz
439

Nos EUA, ao se impor o direito à autodeterminação de género, as provas femininas de atletismo estão a ser dominadas por ‘meninas’ que são marmanjos carregados de músculos que fizeram um totó no cabelo

Igualdade

E os direitos da "senhora lá de casa"?

Maria d'Oliveira Martins
310

É frequente negar a dignidade às prestadoras do serviço doméstico. Todos nos recordamos das expressões “a senhora cá de casa” de Judite de Sousa ou “a senhora que vem ajudar” de Francisco Louçã.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)