Rádio Observador

Bloco de Esquerda

O absurdo que é Catarina Martins /premium

Autor
730

Catarina Martins diz que com a direita fora de jogo não se corta nas pensões e nos salários. Pois não. Com a esquerda a jogar cativam-se despesas e coloca-se em risco o SNS.

A entrevista que Catarina Martins concedeu à Rádio Observador é uma excelente oportunidade para dissecarmos algumas incoerências no discurso do BE. O trabalho não é fácil devido ao baixo grau de exigência com que há anos se aceita, sem contraditório, as afirmações que o Bloco profere com a impetuosidade própria dos que não gostam de ser contrariados. Ora, como eu tenho um gosto particular em contrariar pessoas que odeiam ser contrariadas decidi-me a dedicar a crónica desta semana à entrevista de Catarina Martins.

Uma das afirmações dignas de registo da líder do BE é a de que “a direita está fora de jogo” (29m30s). Para o exemplificar, Catarina Martins refere que em 2019 já não se discute a privatização das estradas e dos caminhos-de-ferro. Para o BE o assunto está encerrado. Afirmação que peca por falsa. Na verdade, o assunto não está encerrado e por uma razão muito simples: é que a dívida continua lá. Fazendo uso de um truque muito habitual, a líder do BE confunde não se falar de um problema com a inexistência deste. O que não é a mesma coisa como todos sabemos, a própria Catarina Martins incluída.

Outro exemplo que Catarina Martins vai buscar para sustentar que a direita está fora de jogo é que já não se fazem cortes nas pensões e nos salários. Pois não. Como é a esquerda que está em jogo o que se fazem são cativações no Orçamento de Estado que põem em risco o SNS. Um pormenor que não é somenos. Um detalhe que Catarina Martins esquece mas que é da máxima importância pois revela a habilidade ilusionista do BE a par com o reconhecimento de que o problema da dívida pública tem consequências nas políticas públicas. A líder do BE sabe (embora não o diga) que o social-comunismo que quer para Portugal precisa de dinheiro e que esse dinheiro falta. A geringonça não foi apenas uma prova de perícia de diferentes partidos (cada vez mais semelhantes), mas um equilibrismo ideológico que não tem muito mais para onde se virar.

No fundo o país não está muito diferente de 2015. A direita está fora de jogo porque o país vive numa realidade virtual e o PSD e o CDS se renderam à evidência. Não deixa de ter graça (não fosse triste, porque sintomático) que PSD e CDS se tenham rendido à realidade que é um país viver uma ficção para que não vivam num mundo à parte.

Pouco mudou desde 2015 e porque assim é Catarina Martins continua com a lengalenga da venda da REN ao Estado chinês. A coordenadora do BE apresenta a venda como uma peculiaridade do liberalismo português, mas esquece que a REN foi vendida porque o Estado português precisava desesperadamente de dinheiro para pagar uma peculiaridade que o BE tão bem representa: um país em que antes de mais nada e para fazer o que quer que seja se tem de que pedir autorização a um político. Catarina Martins não gosta que os políticos sejam do PS ou do PSD. Mas enquanto eu não gosto que se tenha de pedir o que quer que seja a um político (comportamento a que se dá o nome feio de corrupção) Catarina Martins luta para que esse político seja do BE. A alternativa não é muita. E nesse aspecto não é desde 2015, mas de 1976 que pouco ou quase nada mudou.

Mas atentemos a alguns trechos da entrevista para que se perceba um pouco melhor da técnica bloquista: “Uma empresa em si não diz nada à generalidade das pessoas” (13m40s). Uma frase tão absurda quanto absurdo seria eu escrever: O Estado em si não diz nada à generalidade das pessoas. O que significam “em si” e “a generalidade das pessoas”? Como a própria afirma quando questionada sobre um dos exemplos que refere “isso agora não interessa, é só para perceber o absurdo (13m46s)”. Porque absurdos há muitos. Vejamos outro: “Quando queremos acabar com a diferença entre um trabalhador que está contratado em outsourcing ou directamente na empresa, que é possivelmente uma dos mecanismos mais chocantes até de como as grandes empresas abusam dos trabalhadores em Portugal, que é pôr dois trabalhadores, um ao lado do outro, com direitos diferentes, e um deles vem de uma empresa de outsourcing sem direitos nenhuns e sabe que a qualquer momento é dispensado e por isso aceita tudo e o que tem vínculo à empresa está a trabalhar ao lado dele e percebe que um dia pode ficar como o outro sem direitos nenhuns” (14.28).

Não só o que a líder do BE afirma é mentira, porque quem trabalha para uma empresa de outsourcing também tem um contrato de trabalho com os direitos provenientes da lei, como também eu posso facilmente escrever coisas igualmente falsas e absurdas. Vejam bem: quando queremos acabar com a diferença entre um trabalhador que está no sector privado ou trabalha para o Estado, que é possivelmente um dos mecanismos mais chocantes até de como o socialismo abusa dos cidadãos em Portugal, que é pôr dois cidadãos, um ao lado do outro, com direitos diferentes, e um deles vem de uma empresa do sector privado sem direitos nenhuns e sabe que a qualquer momento é dispensado e por isso aceita tudo e o que trabalha para o Estado está a viver ao lado dele e percebe que um dia pode ficar como o outro sem direitos nenhuns e por isso vota em partidos como o PS e o BE. São as duas afirmações igualmente absurdas (sim, a de Catarina Martins consegue ser ainda mais absurda que a minha) porque as empresas não são o bicho-papão que exploram os trabalhadores. As empresas precisam deles e por isso pagam-lhes salários, a maioria das vezes superiores aos que a lei lhes impõe.

Mas há mais: “Há quem ganhe muito e pague pouco do seu esforço e quem ganhe pouco e esteja a pagar muito” (55m37s). A coordenadora do BE esquece que os que ganham pouco não pagam impostos. A ideia contrária, que Catarina Martins difunde, é apenas um esforço para que a percentagem da população que paga a maioria dos impostos não se revolte com o problema crónico do socialismo que é o de gerir mal o nosso dinheiro. O dinheiro que entregamos ao Estado para que os políticos (e desde 2015, os do BE incluídos) o giram.

Porque no fim de tudo isto vamos dar ao assunto de sempre: o que é para o BE a democracia? O que é para o BE viver em liberdade? E quem ouça a entrevista de Catarina Martins percebe muito bem que no seu entender a democracia tem um dono. Que a democracia se faz dentro do Estado. Estado que também deve deter os nossos bens com o pretexto de que se os detém estes passam a ser de todos, como se todos tivéssemos acesso aos lucros (raríssimos) das empresas públicas, da mesma forma que todos pagamos os seus prejuízos. Todos pagamos a gestão do socialismo: sejam os prejuízos das empresas públicas, sejam os das empresas privadas que andam de mão dada com o poder político.

A percepção de que a democracia se vive no interior do Estado, dirigida por este de acordo com uma verdade certa e absoluta, única, isenta de discussão pois a tónica do discurso bloquista está na moral. O que o BE defende é sempre moralmente certo, logo quem a este se opõe está moralmente errado. Moralmente desvirtuado. Numa democracia bloquista não se discute porque o povo vota, vota devidamente encaminhado para o voto certo, que se torna soberano, definitivo, que adquire os contornos morais que ostracizam quem se opuser à decisão votada e que por isso deve ficar fora de jogo. Esta dualidade é várias vezes referida no decorrer da entrevista e quando Catarina Martins candidamente nos diz que “a ideia de um mundo a preto e branco, de vilões e heróis, não me agrada” (17m) ficamos com a certeza que para se ser de esquerda em Portugal não é preciso ser muito inteligente. É demasiado fácil e não requer muito esforço. É só preciso ter lata. Ímpeto e lata. Dizer o que nos vem à cabeça é mais do que suficiente. Um absurdo igual todos os outros.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Brexit

Um elogio ao parlamentarismo britânico /premium

André Abrantes Amaral

O referendo, com o seu carácter limitativo da discussão em causa, não permite um debate verdadeiro com negociação e cedência. Passada a tempestade, a democracia parlamentar britânica sairá reforçada.

Ambiente

Viagem marítima com Greta Thunberg /premium

André Abrantes Amaral
265

Esta crónica não é sobre as alterações climáticas, mas a técnica discursiva de alguns ambientalistas. Sobre a idealização de um mundo onde as massas prescindem de viver para que os escolhidos o façam.

Política

A sobrevivência do socialismo /premium

André Abrantes Amaral
160

O socialismo é a protecção de um sector contra os que ficam de fora. O desejo de ordem e a desresponsabilização é natural entre os que querem segurança a todo o custo.

Ambiente

Ser ambientalista agora é muito fácil

Salvador Malheiro
799

Qual é a estratégia de descarbonização quando, neste mandato, o Bloco quis a todo o custo taxar as energias renováveis, se opôs à construção de barragens, à energia eólica e à exploração de lítio?

Filosofia Política

A doença mental chamada Amazónia

Gabriel Mithá Ribeiro

Resta decretar o estado de emergência climática que, na prática, se traduz no combate ao capitalismo em nome do socialismo, mas na condição daquele disponibilizar muitos mil milhões de dólares a este.

PAN

Totalitarismozinho dos anos 40 /premium

José Diogo Quintela

Este discurso da emergência climática dá muito jeito em termos políticos. Em primeiro lugar, tudo o que acontece de mal deve-se ao clima. Logo, a culpa nunca é do Governo, é de toda a humanidade.

Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)