Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Uma das mais tolas ideias em curso é a de que António Costa e Mário Centeno estariam a enxertar na esquerda uma velha noção da direita: as contas certas. António Costa tem aproveitado a tolice, para dizer que, com efeito, a sua prioridade é provar que o PS, com o apoio da extrema-esquerda, pode governar sem défices nem aumento de dívida. Não duvido que Costa esteja a tentar fazer isso. Por esta razão muito simples: não tem alternativa. Na terça-feira, a Comissão Europeia manteve Portugal na lista de países cuja estabilidade macroeconómica é duvidosa (baixa produtividade, grande endividamento, etc.). Quem emprestaria a Costa para fazer défices como Sócrates em 2009 ou em 2010? Costa, Centeno, Jerónimo de Sousa e Catarina Martins não têm escolha. Mas não estão, com isso, a enaltecer a causa das contas certas.

Pelo contrário: podem até estar a desacreditá-la. É que para Costa, Centeno e os seus companheiros de estrada, contas certas, mesmo quando a conjuntura económica é favorável, consistem apenas em aumento de impostos e em cativações (nesta proposta de Orçamento, são 590 milhões — a diferença entre um excedente de 0,2% e um défice de 0,1%). Os números variaram nestes últimos dias, revelando a ginástica de Excel por detrás dos documentos, mas as linhas são claras: a carga fiscal e as contribuições sociais sobem (até 35,1% do PIB), a despesa agrava-se (0,1% do PIB), e a dívida pública expande-se em termos absolutos (para 261 mil milhões de euros). De resto, há regras que mudam mais uma vez (por exemplo, no Alojamento Local), e excepções para isto e para aquilo, sem garantia de estabilidade. A dependência da conjuntura externa, sobretudo das políticas do BCE, é total.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.