Rádio Observador

Tecnologia

O mercado de trabalho pede maçãs, damos-lhe limões. Até quando?

Autor
184

Mais complicado do que encontrar novos clientes (e novos projectos tecnológicos) é recrutar os engenheiros que são necessários. Sobretudo com cada vez mais multinacionais a virem para Portugal.

Em conversa com um velho amigo, há umas semanas, falava-lhe sobre como é difícil recrutar pessoas para a área onde trabalho desde 2007, o sector das Tecnologias de Informação (TI).

Nesse dia, que era de festa por termos conseguido ganhar um projecto de grande dimensão num novo cliente, ele não entendia a minha angústia quando o momento devia ser de celebração. É simples: porque mais complicado do que encontrar novos clientes (e novos projectos) seria recrutar os mais de 20 engenheiros que eram necessários. Falámos sobre quanto o mercado nesta área se alterou na última década. Se há uns anos o desafio seria cativar clientes, hoje o “grande problema” é encontrar profissionais disponíveis para agarrar novos desafios.

Cada vez menos faz sentido falar em info-exclusão entre os portugueses. A evolução da sociedade e das tecnologias de informação nos últimos anos permitiu que uma grande parte da população tenha acesso às novidades tecnológicas de forma quase imediata. E quem é que faz chegar essa tecnologia ao consumidor final? Naturalmente, os profissionais desta área — e é preciso que eles sejam formados. Mas com um mercado cada vez maior, mais exigente e competitivo estarão as universidades preparadas para dar resposta à evolução do mercado das tecnologias?

Temos vindo a assistir a uma crescente necessidade tecnológica por parte das empresas dos vários setores de atividades. Portugal, e mais concretamente Lisboa e Porto, são hoje em dia cidades muito apetecíveis para as multinacionais europeias (e não só) criarem os seus centros de competências tecnológicos. Contudo, não existe no mercado um número suficiente de profissionais qualificados nesta área que acompanhe a procura.

Segundo o inquérito Talent Shortage Survey de 2016/2017, realizado a nível global pelo ManPower Group com uma amostra de mais de 42 mil empresários, o segundo setor onde se verifica uma maior falta de recursos humanos é o das Tecnologias de Informação.

É, pois, fundamental que os agentes de ensino desenvolvam as ferramentas necessárias para captar alunos para as áreas das tecnologias de informação. E isto é algo que deve acontecer desde cedo, uma vez que a evolução do mercado é constante e é crucial a formação de mais e mais profissionais que se dediquem ao setor. Esta formação só acontecerá se desde cedo as crianças tiverem contacto com esta realidade e sejam estimuladas para tal. Algo que não é de todo impossível, pois desde tenra idade que as crianças têm acesso às mais recentes tecnologias, como tablets e smartphones. Assim, se lhes proporcionarmos as ferramentas de programação desde cedo será bem mais fácil adaptarem-se às necessidades do mercado num futuro profissional e serem um ativo importante para as empresas de tecnologias.

Quem tem responsabilidades governativas em Portugal deveria olhar para este problema de uma maneira séria e amplamente estruturada. O problema não estará totalmente no ensino superior que não acompanha a bom ritmo as necessidades das empresas mas também no ensino básico, médio e secundário onde a introdução de disciplinas de TI é pouco significativa e feita de forma tardia.

Incentivamos as crianças a sonhar, dizendo-lhes que são capazes de tudo o que quiserem, mas quando as ensinamos a usar ferramentas tecnológicas, vamos mais longe: damos-lhes o poder de criar, isto é, de realmente concretizarem o que querem e de poderem vir a ter impacto no mundo. Elas percecionam o que as rodeia pelo crivo tecnológico e interagem com a tecnologia com uma naturalidade realmente impressionante, pelo que as suas capacidades e potencial ficarão sempre por explorar se não investirmos na sua formação tecnológica. Tal investimento é benéfico para o setor das TI, mas acima de tudo é benéfico para o futuro do nosso país, que atrai cada vez mais investimento estrangeiro neste setor.

Felizmente, já se começam a ver algumas iniciativas em Portugal neste sentido. É o caso da Gen10s, um projeto que já está a ser implementado em algumas escolas portuguesas, com o objetivo de formar alunos do 5º e do 6º ano em programação Scratch. Há, também, a intenção de se relançar a disciplina de TIC, que passará a ser obrigatória do 5º ao 9º ano. Mas será que vamos lá com um ou outro “programa isolado”? Não seria mais fácil com medidas estruturais que pudessem abarcar todos os graus de ensino?

O desejo de dotar a população portuguesa de competências digitais é do interesse de todos e não apenas das empresas de TI.

Rui Neves é chief executive officer da Smart Consulting, uma consultora em TI criada em 2015 e que foi eleita uma das 10 empresas mais felizes em Portugal, no estudo Happiness Works (promovido pela Lukapp em parceria com a Universidade Atlântica e com a Associação Portuguesa de Gestão das Pessoas).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)