Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Confinados sine die por causa da pandemia, proponho que joguemos um jogo de adivinhas sobre finados ad aeternun por causa da ideologia. O jogo é simples, o leitor apenas tem de dizer se estas mensagens são de ódio ou de amor:

  1. O carro do Francisco merece explodir! Mereces um tiro, Ângelo! Vou-te esfaquear! Vou arrancar-te a pele às tiras. Numa rua esquecida devíamos matar o José. E devia ser aplicada pena de morte para aquelas miúdas patéticas, filhas do Filipe.
  2. No 25 de Abril devia ter havido sangue, devia ter havido mortos.
  3. É necessário matar o homem branco.

Se o estimado leitor, ingénuo, respondeu ódio, acabou de perder. Isto porque, antes de tomar posição, deve perguntar sempre primeiro quem é que proferiu as sentenças. É porque hoje em dia, é quem o diz, e não o que diz, que importa para a classificação de bondade. Reformulo: não é sequer tanto quem diz, mas o lugar canhestro de onde a sentença é proferida.

Mas vamos ver quem as proferiu. As primeiras foi o “herói” da liberdade de expressão Pablo Hasél, o rapper que incendiou a Catalunha nos últimos dias. Nas suas mensagens, sempre de “amor à libertação” e sempre “contra a opressão”, referia-se a Patxi López, a Àngel Ros, a José Maria Aznar e às infantas, filhas de Filipe de Espanha. Mas isso não interessa nada; bom, a menos que no lugar de algum destes nomes esteja o seu e o dos seus próximos, mas nesse caso teria sido prudente perguntar primeiro o que é que é aceitável para esses “democratas”. O que verdadeiramente interessa é que Pablo Hasél é um “herói” da esquerda, ou não tivesse o nosso Bloco de Esquerda vindo prontamente expressar a sua solidariedade para com ele. Mais: há até quem, com ar sério, insista que o pobre homem é vítima do Estado espanhol apenas por ter insultado a coroa; omitindo convenientemente o seu vasto histórico de apelos ao terrorismo e incitamento ao homicídio.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A partir daqui a coisa perde importância, porque os personagens também são mais irrelevantes. Digo irrelevantes, não digo menos onerosos, porque o estimado leitor continua a pagar-lhes o salário.

As segundas declarações são de Ascenso Simões, deputado do Partido Socialista e uma espécie de Robespierre luso, mas de chinelos. Graças a Deus este ainda não se encontrou com a guilhotina; já que seria uma perda considerável para o espectáculo de variedades nacional.

As terceiras declarações são do “activista anti-racista” Mamadou Ba. Vou poupar a adjectivação. Um país que tem um figurão como Mamadou Ba a marcar a agenda do espaço público, merece mais adjectivos que ele.

E agora o esclarecimento novolinguístico. É claro que estas mensagens não são literais – a extrema-esquerda nestas coisas nunca é literal -, mas simbólicas. E é verdade. Até porque, desde logo, são os seus autores e os seus apoiantes que o dizem, e se o dizem tem de ser verdade. Mais: quando muito, isso serve para mostrarem que, havendo alguma ínfima marginalidade de ódio, esse ódio é uma espécie de ódiozinho do bem, e sempre justificado em nome da “luta pela justiça”.

Já quando eu digo que é verdade, é por outra razão: é porque estas mensagens são mesmo simbólicas, simbolizam de facto a violência, a intolerância, a incompatibilidade visceral com as democracias liberais e com os direitos humanos da esquerda populista, que há muitos anos os exibe sem pudor e com o beneplácito da opinião publicada.

Ora, num tempo em que tantos inimigos da liberdade, da democracia e dos direitos humanos surgem de tantos lados, é inevitável voltar a Popper; e, surpresa, surpresa, também a Le Bon. Não, no caso de Popper, à usual interpretação do paradoxo da tolerância, na sua fórmula mais simples e tantas vezes treslida, de barrarmos as ideias que ameaçam a liberdade. Mas na sua leitura mais subtil, quando nos diz que “enquanto pudermos contrapor [às filosofias intolerantes] a argumentação racional e mantê-las controladas pela opinião pública, a supressão seria por certo pouquíssimo sábia.” Mas sobretudo quando acrescenta que devemos considerar o direito – pela força da Justiça – de suprimi-las, se, ao contrário de se nos oporem no terreno dos argumentos racionais, começam a instigar os seus adeptos a responder com “punhos e pistolas”. Nesse caso, em nome da tolerância, temos o direito de não tolerar os intolerantes, uma vez que deve ser considerada criminosa qualquer incitação à intolerância e à perseguição, sobretudo nos casos da incitação ao homicídio.

E eis-nos voltados ao simbólico, panaceia dos violentos para desdramatizar a violência que apregoam. E aqui relembro Le Bon. Não sem intenção e, portanto, não inocentemente. É porque é preciso ler Le Bon para perceber o fascismo. E é preciso perceber o fascismo para perceber a retórica dos populistas. Mesmo os de extrema-esquerda. Quando invocam o simbolismo, para, a posteriori, legitimarem o que antes, no meio da paixão, lançaram às massas é bom não esquecer que “é bastante fácil fazer surgir sentimentos na alma das multidões, mas é dificílimo refreá-los. Desenvolvendo-se, convertem-se em forças que não é possível dominar.” Na dúvida é dar uma saltada a Espanha por estes dias.

Quando os assuntos da República passarem a ser digladiados, não no Parlamento, mas nas ruas; quando o tom da compita política for marcado, não pela razão dos representantes, mas pelas paixões dos representados; quando os instrumentos do combate político forem, não os argumentos do debate, mas os punhais do combate; nessa altura é bom não esquecermos quem foram os incendiários.