Rádio Observador

Sporting

O país do sol aos quadradinhos

Autor

Como nos casos BPN, BPP, BES/NOVO BANCO/PT, no processo Casa Pia ou na tentativa do assalto ao poder de José Sócrates, também no Sporting a solução eficiente acabará por ser judiciária.

Vai chata e comprida a crise no Sporting, como a espada do D. Afonso Henriques.
Mas parece que era inevitável.
Como nos casos BPN, BPP, BES/NOVO BANCO/PT, no processo Casa Pia ou no caso do assalto ao poder de José Sócrates, ninguém é culpado.
Ninguém elegeu ou se absteve.
Ninguém viu.
Ninguém sabe.
E contudo, o “sistema” parece que funciona.
Há candidatos.
Há eleições.
Há órgãos de fiscalização.
E tudo.
Mas sistema está totalmente pervertido e só aparentemente funciona.
Desde logo, o problema base e transversal de Portugal é evidentemente sociológico: o índice geral de literacia em Portugal é absolutamente problemático.
Depois, a pirâmide virtuosa está totalmente invertida.
Princípios, valores e regras (por ex., educação) estão completamente em baixo.
O poder brutal, puro e duro do dinheiro está completamente em cima e parece hoje que definitivamente vale tudo ou quase tudo.
A crise do Sporting não é desportiva.
Não é a concorrência salutar entre duas visões/ambições válidas para o clube, ao serviço dos associados e do desporto em geral.
A crise do Sporting é uma luta diferente.
Em que sobreleva uma escondida, ampla, transversal e encavalitada teia de interesses, sempre com (demasiado) dinheiro à cabeça.
Face a todos esses interesses em jogo é rigorosa e tipicamente disso que fala a operação de violência friamente induzida, mobilizada e organizada parece que internamente em Alcochete contra os jogadores e equipa técnica.
Como nos casos BPN, BPP, BES/NOVO BANCO/PT, no processo Casa Pia ou na tentativa do assalto ao poder de José Sócrates, também no Sporting a solução eficiente acabará por ser judiciária.
Mas é um erro a validação definitiva e inevitável desse cenário de judicialização.
Porque um país, se o quer ser a sério, tem de ser feito por pessoas livres e adultas, institucionalmente rico, criativo e independente.
Não pode ser um doente acamado em permanência e gerido pelas intervenções sistemáticas e sem alternativa útil dos poderes policial e judicial, com remessas regulares de inquilinos para o sistema prisional.
Tem de ter bancos bons com equipas de gestão sérias, honestas e preparadas, tem de ter governantes sérios, honestos e competentes eleitos em actos eleitorais abertos, amplos, participados em grau máximo e escrutinados, tem de ter ao serviço da população associações desportivas decentes, transparentes e competitivas que não se trasvestem em casinos, máquinas de reciclar dinheiro fácil, puras fachadas para negócios mais ou menos escuros ou oportunidades mediáticas.
Portugal tem mesmo de mudar se o quiser ser.
O resto é a barracal “guerra” de palavras e insultos que escondem um vazio deprimente e essencial.
A política, a banca e o futebol, infelizmente, podem ser uma ponta do icebergue.

Miguel Alvim é advogado

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições

Tenham juízo

Miguel Alvim
156

Não é a pulverização grotesca e populista da direita política em minigrupos de “salvação nacional” coincidentais (Chega, Iniciativa liberal, Aliança, etc) que vai salvar o que quer que seja em Outubro

CDS-PP

O rei vai nu ou tempo para outras escolhas

Miguel Alvim

O bom trabalho de toda uma legislatura do CDS não pode ser confundido com dois falsos temas, a saber, o da reposição do tempo de serviço dos professores e o da malfadada passadeira lgbt de Arroios.  

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)