Rádio Observador

Democracia

O regresso do centro vital (II) /premium

Autor

Em Praga, na terça-feira passada, foi sublinhada a importânciasimbólica do próximo ano de 2019: o 70º aniversário da fundação da NATO e o 30º aniversário da queda do Muro de Berlim.

Retomando o tema da minha crónica da passada segunda-feira, volto ao encontro de Praga que teve lugar a 7-9 de Outubro. O anfitrião foi o Forum 2000, uma instituição fundada por Vaclav Havel em 1996.

Não seria possível resumir aqui os debates que ocorreram em mais de 50 painéis, muitos em simultâneo. Mas talvez valha a pena recordar alguns aspectos das reuniões de trabalho que decorreram na terça-feira — e que sobretudo reuniram muitos dos que, no ano passado, subscreveram em Praga o apelo para uma “International Coalition for Democratic Renewal”.

Tratou-se em grande medida de um reencontro de pessoas e instituições que nas décadas de 1980 e 1990 deram corpo à expansão da democracia com base na aliança euro-americana. Alguns estão mais à direita, outros mais à esquerda, mas todos comungam da defesa da democracia liberal ocidental e da aliança euro-atlântica. E todos estão preocupados com os sinais de erosão da democracia e com os sinais de retoma da ofensiva por parte dos seus inimigos.

As chamadas “Chatham House Rules”, que acordámos aplicar, permitem-me citar argumentos que foram apresentados, mas não os autores específicos de cada um desses argumentos. São regras de civilidade muito antigas que resistem imperturbáveis à vulgaridade da era das redes sociais. E mais uma vez resultaram em pleno. Permitiram uma discussão séria entre pontos de vista diferentes, por vezes bastante diferentes. Mas nunca alguém levantou a voz, nem alguém insultou alguém.

Um dos pontos em debate foi inevitavelmente o chamado “populismo”. Alguns dos participantes argumentaram que a “International Coalition for Democratic Renewal” devia centrar a sua actividade no combate ao populismo. Curiosamente, este ponto de vista foi recebido com reserva por boa parte dos participantes. O que deu lugar a um debate de rara elevação.

Basicamente, os argumentos contrários alertaram para a necessidade de não identificar a causa comum da “International Coalition for Democratic Renewal” com causas específicas do debate no interior de cada democracia. Ainda que nalgumas democracias existam realmente forças populistas anti-democráticas que devem ser denunciadas, a causa global da democracia não deve ser confundida com debates internos a cada democracia. (O tema do “Brexit”, por exemplo, foi consensualmente evitado e deixado ao cuidado da ancestral democracia britânica — com os votos comuns de que acordo civilizado seja encontrado entre o Reino Unido e a União Europeia).

Em contrapartida, foi sublinhada a importância de denunciar os inimigos externos às democracias — com particular ênfase para a Rússia e, sobretudo, a China. E foi sublinhada a importância simbólica do próximo ano de 2019: o 70º aniversário da fundação da NATO e o 30º aniversário da queda do Muro de Berlim.

Este foi um tema particularmente feliz para os portugueses presentes na reunião. Tivemos o prazer de informar que a celebração dos 70 anos da NATO e dos 30 anos da queda do Muro de Berlim tinha já sido aprovada como tema central do próximo Estoril Political Forum — a 27ª edição, que terá lugar a 24-26 de Junho de 2019.

A notícia foi saudada por inúmeros participantes, muitos dos quais já estiveram várias vezes no Estoril Political Forum — onde aliás decorreu este ano a primeira reunião do “Trans-Atlantic Working Group” (que reuniu pela segunda vez em Praga, na manhã de terça-feira) da “International Coalition for Democratic Renewal”.

Alguns confessaram não fazer a menor ideia sobre a situação política em Portugal. Mas todos elogiaram a percepção global sobre o perfil da democracia portuguesa: fundadora da 3ª Vaga de democratização mundial em Abril de 1974/Novembro de 1975, simultaneamente europeísta e atlantista, e, ainda por cima, com dois recentes prestigiados detentores de cargos internacionais — de que nem todos sabiam os nomes, mas de que todos sabiam os cargos de ex-presidente da Comissão Europeia e de secretário-geral da ONU.

Em suma, foi ostensivamente consensual a escolha do Estoril para um próximo reencontro dos que procuram reforçar o “centro vital” das democracias euro-atlânticas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)