Rádio Observador

Manuela Ferreira Leite

Os restos do Estado Novo no PSD /premium

Autor
366

Para mal de Portugal, a nossa democracia e a nossa economia continuam a viver com muitas heranças do Estado Novo. Também no PSD há uma linha Estado Novo, onde Ferreira Leite surge em destaque.

Um amigo meu costuma contar a seguinte história. Um dia foi falar a uma iniciativa do PSD na Maia, nos tempos em que Vieira de Carvalho era o Presidente da Câmara. Depois de ter defendido a direita durante a sua intervenção e de ter seguramente entusiasmado os assistentes, um militante do PSD disse-lhe durante o almoço: “sabe senhor Professor, nós aqui somos todos do PSD. Já erámos do PSD antes do 25 de Abril.” Para lá da graça da história, há aqui uma questão importante: as heranças do Estado Novo na democracia portuguesa. Quase ninguém gosta de tratar deste tema porque os regimes políticos precisam de mitos fundadores. A ruptura absoluta com o Estado Novo é o mito fundador da democracia portuguesa. Mas não corresponde à realidade.

Estas considerações ocorreram-me a propósito das recentes declarações de Ferreira Leite sobre alguns sectores da direita e também sobre uma iniciativa de independentes, o Movimento Europa e Liberdade. Ferreira Leite fez duas afirmações graves e reveladoras do seu pensamento anti-democrático. De um modo deselegante e pouco educado, usou o termo “desprezo” para descrever o que sentiu sobre a iniciativa MEL. O uso desse termo sobre uma iniciativa de profissionais independentes sem qualquer ambição partidária, mas com vontade de discutir publicamente temas relevantes para o nosso país, mostra como o Estado Novo vive no pensamento de Ferreira Leite. Era mais ou menos isto, “desprezo”, que as principais figuras da União Nacional sentiam sobre qualquer iniciativa pública que lhe fugisse ao controlo e que questionasse o pensamento dominante. Ainda bem que pessoas como Ferreira Leite gozam do direito de exprimir as suas opiniões mas sem terem os meios para impedir o pensamento livre.

A antiga líder do PSD disse ainda que prefere um PSD pequeno do que de direita. O ponto mais relevante não é a recusa de um PSD de direita. Ferreira Leite dirá seguramente o mesmo em relação a um PSD de esquerda. Também prefere um partido pequeno a um PSD de esquerda. O que Ferreira Leite quer mesmo é um grande partido que não seja nem de esquerda nem de direita. Eis a grande ambição anti-democrática de Ferreira Leite para o Portugal do pós-25 de Abril: chegar ao poder contra a distinção fundamental dos regimes democráticos, esquerda contra direita. Aliás, já em 2009, Ferreira Leite havia revelado o seu verdadeiro pensamento político quando defendeu a suspensão da democracia para se conseguir fazer reformas. Ou seja, em democracia, no combate entre a esquerda e a direita, não é possível tomar as decisões importantes para o país. No fundo, Ferreira Leita revela o pensamento Salazarista de que os portugueses não sabem viver em democracia, ou pelo menos de se governarem como deve ser.

A rejeição das categorias de esquerda e de direita foi sempre um dos traços centrais no Estado Novo. Não há qualquer declaração de Salazar ou de Marcelo Caetano, um dos grandes ideólogos do antigo regime, a declararem o Estado Novo como um regime de direita. Para eles, a divisão entre esquerdas e direitas era um traço dos sistemas democráticos, e não dos regimes autoritários como o Estado Novo, que estava para além dessas divisões.  Foram as esquerdas que, depois do 25 de Abril, construíram o mito que o Estado Novo era de direita para legitimarem o seu poder e sobretudo limitarem a legitimidade das direitas. Não é por acaso que sempre que há uma direita forte em Portugal, as esquerdas usam imediatamente a acusação de “fascista”. Foi assim com Sá Carneiro, com Cavaco e com Passos Coelho.

No plano económico, as esquerdas socialista e comunista também aproveitaram as heranças do Estado Novo. O modelo corporativo da economia, o controlo dos preços, dos salários, da concorrência económica, e o papel dirigente do Estado na economia, os traços centrais da economia do Estado Novo, são defendidos ou aproveitados pelas esquerdas. Aliás, as esquerdas anti-Salazaristas nunca se incomodaram por aí além com o modelo económico do Estado Novo. A sua luta era essencialmente política e criar as condições para conquistar o poder. Como dizia o saudoso Manuel de Lucena, o objectivo das esquerdas seria ocupar o poder mantendo as estruturas económicas do Estado Novo. Essas estruturas seriam úteis para limitar a liberdade económica dos portugueses, uma aspiração permanente das esquerdas.

Para mal de Portugal, a nossa democracia e a nossa economia continuam a viver com muitas heranças do Estado Novo. Também no PSD há uma linha Estado Novo, onde Ferreira Leite surge em destaque. É extraordinário que uma pessoa com dificuldades evidentes em lidar com a democracia e com o pluralismo politico venha criticar a direita democrática e liberal. Para essa direita, ninguém tenha dúvidas, Ferreira Leita constitui um caso de radicalismo político, nas fronteiras do anti-democrático. Tal como disse o militante anónimo da Maia, também Ferreira Leite já era “social democrata” antes do 25 de Abril. E, para mal do PSD, não é um caso isolado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Rui Rio precisa do eleitorado de direita /premium

João Marques de Almeida
148

O eleitorado de direita deve obrigar Rui Rio a comprometer-se que não ajudará o futuro governo socialista a avançar com a regionalização e a enfraquecer o Ministério Público. No mínimo, isto.

Política

Os idiotas úteis da esquerda /premium

João Marques de Almeida
1.425

Pacheco Pereira e Marques Lopes querem fazer carreira na comunicação social como os cronistas de direita que atacam a direita. Eles querem ser a “direita” que a esquerda gosta.

Igualdade

Mulheres no poder /premium

João Marques de Almeida
304

O feminismo transformou a causa justa da igualdade de oportunidades na visão radical da “igualdade de género”. A igualdade de género é um disparate, é falsa e visa alcançar outros objectivos políticos

Política

Salazar /premium

Helena Matos
1.910

Os actuais líderes não têm discurso, têm sim objectivos: manter-se ou chegar ao poder, através da popularidade e não da política. Logo precisam do passado e de Salazar para falarem de política.

PSD

Deixem Rui Rio trabalhar! /premium

Luís Rosa
473

O país agradece que Rui Rio chegue às legislativas para se juntar a Santana e a Ferreira Leite como os grandes promotores das maiorias do PS. O futuro do centro direita depende disso.

Rui Rio

Um PSD para vender a alma ao diabo? Não obrigado

José Manuel Fernandes
1.120

A missão da oposição à direita do PS é mostrar que há outro caminho para Portugal, menos refém das clientelas do Estado. Não é apenas ambicionar substituir o Bloco e o PCP como parceiros menores do PS

Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira
467

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)