Rui Rio

Pode António Costa salvar o PSD? /premium

Autor
465

Se o PSD e o CDS representam alguma coisa, é o repúdio do domínio socialista do Estado. Por isso, a oportunidade da direita democrática em Portugal se afirmar e crescer não é com o PS, mas contra o PS

Não vale a pena comparar sondagens: já todos se convenceram de que as eleições, para o PSD, vão ser um desastre. Também não vale a pena perder tempo com as trapalhadas de Rui Rio: o problema do PSD não está só nas personalidades, mas nas más ideias. Uma vez que toda a gente fala de Rio, falemos nós dessas ideias.

A estratégia de Rio de aproximação ao PS não é uma excentricidade. Pelo contrário. O PSD e a direita em geral habituaram-se quase desde o princípio da democracia a depender dos socialistas. Em 1975, persuadiram-se de que tinham sido salvos por Mário Soares; em 1976, que só podiam chegar ao governo aliados ao PS. Mesmo quando, a partir de 1979, conseguiram maiorias absolutas, os dois terços da revisão constitucional impediram-nos de cortar esse cordão umbilical. Para os antigos quadros do PSD e do CDS, a lição foi clara: nada se podia fazer no país sem os socialistas. Alguns, a partir daí, foram mais longe: só o PS podia de facto governar e reformar. Foi assim que Guterres foi muito elogiado pela capacidade de governar sem “crispação”, ou que Sócrates foi recebido como o reformador liberal de que o país precisava.

Quando Rui Rio fala das reformas estruturais que quer fazer com o PS, é esta a história de que tem por detrás. Mas há outra coisa: depois de vinte anos a passar pelo poder apenas em épocas de ajustamento, como em 2002 ou em 2011, o PSD começou a acreditar que o povo o confundira com a austeridade, e que nunca mais teria os votos de que são feitas as vitórias em Portugal: os dos dependentes do Estado, isto é, funcionários públicos e pensionistas. O êxito eleitoral de 2015, apenas agravou a sensação de impotência: já nem ganhando eleições ficam no governo. Tal como o PCP e o BE, também o PSD concluiu que precisava do Estado e do seu clientelismo, e que só a promiscuidade com o PS de António Costa o podia levar até lá. Foi nisto que os caciques do PSD votaram em Janeiro deste ano.

A dúvida que se levanta a esta estratégia é a de saber se o PS corresponderá ao afecto. Vamos admitir que sim, que talvez o PS esteja interessado em enquadrar o PSD de Rio numa geringonça aumentada: em 1980, além da UEDS, os socialistas também contaram com a ASDI na sua FRS. Vamos admitir ainda que, inviabilizando de facto quaisquer reformas — uma vez que o PS, para se manter como “charneira” do regime, não as pode fazer –, esta estratégia deixaria no entanto o PSD em condições de romper a nova geringonça em nome do reformismo, como Cavaco Silva fez em 1985, quando pôs fim ao Bloco Central. Então, o que está errado nesta abordagem?

O problema que Rio e os seus correligionários não parecem capazes de ver é que, se o PSD, o CDS e os outros partidos que estão à surgir à direita representam hoje alguma coisa, para além de algumas tradições e “aparelhos”, é precisamente a desconfiança e o repúdio do domínio socialista do Estado, agora enredado no politicamente correcto do Bloco, no egoísmo sindicalista do PCP e nos processos judiciais do socratismo. Por isso, a oportunidade da direita democrática em Portugal se afirmar e crescer não é com o PS, mas contra o PS. António Costa não pode salvar o PSD, porque quanto mais o PSD esperar de António Costa, menos o país vai esperar do PSD.

Dir-me-ão: essa desconfiança e repúdio do domínio socialista ainda não chegam para perturbar o sono de António Costa. Pois não. Mas existem, num país constrangido pela mediocridade e precariedade de tudo, e expandir-se-ão quando a conjuntura mudar. O que falta saber é quem protagonizará então esses sentimentos, se a direita do regime, se uma outra qualquer força política, menos disponível para ressalvar continuidades. Não, António Costa não pode salvar o PSD, mas o PSD e o CDS ainda podem salvar outra vez o regime. E é isto que talvez conviesse salvaguardar.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
ADSE

As guerras da saúde fazem sentido? /premium

Rui Ramos
255

Na cínica “ideologia do SNS” não temos qualquer preocupação com a saúde pública, mas um projecto de domínio da sociedade pelo poder político e ainda um cálculo eleitoral partidário. 

Eleições

O que há para ver já vimos /premium

Rui Ramos
280

Rui Rio vai voltar a querer acordos com o PS depois das eleições, e António Costa vai querer voltar à geringonça. Com tais líderes políticos, não veremos nada de novo nos próximos anos. 

Governo

Pode alguém pedir que se aja com escrúpulos?

Rita Fontoura

A falta de escrúpulos está a destruir o nosso país. Fomos enganados e estamos a ser enganados. É algo que não salta à vista e por isso engana, o que não espanta já que quem nos governa teve bom mestre

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)