Rádio Observador

Capitalismo

Precisamos de uma revolução capitalista /premium

Autor
390

Nestes três anos não surgiram empresas que estejam além da conjuntura, mas restaurantes e alojamentos locais. Pouco ou nada é sustentável. Para mais a maioria das empresas encontra-se descapitalizada.

A edição da ‘Economist’ de 15 de Novembro propugnava uma revolução do capitalismo. Depois do combate aos monopólios nos caminhos-de-ferro e na energia no início do século XX, da abertura do mercado europeu à livre concorrência defendida por Margaret Thatcher e da liberalização levada a cabo por Ronald Reagan, a economia mundial precisa de uma nova revolução capitalista.

Uma leitura do artigo elucida-nos como actualmente poucas empresas, com lucros cada vez maiores, dominam os respectivos mercados distorcendo preços e impedindo a entrada de novos actores. Um comportamento que obsta à inovação e que apenas o incremento da concorrência, a essência do capitalismo, pode corrigir.

O sistema tal como se encontra estruturado apresenta problemas que não são meramente económicos. As desigualdades, a discrepância entre os lucros das empresas monopolistas e os salários ou a morte de outras empresas, que são impedidas de funcionar num mercado distorcido, está a novamente a conduzir boa parte da população dos Estados ocidentais para os braços de ideologias que questionam as liberdades individuais. O risco de forças extremistas, que se sustentam no medo e na fúria das populações, chegarem à governação dos Estados é cada vez maior.

No discurso que Margaret Thatcher proferiu na conferência do Partido Conservador a 10 de Outubro de 1980, a então primeira-ministra disse: “There are many things to be done to set this nation on the road to recovery, and I do not mean economic recovery alone, but a new independence of spirit and zest for achievement.” E o grande passo que Thatcher deu para incrementar esse gosto, deleite e satisfação por se conseguir algo foi libertar a economia, o capitalismo, dos monopólios estatais. Thatcher queria um Reino Unido onde todos os que o desejassem pudessem investir, inovar, montar empresas, concorrer uns com os outros em liberdade. Para Thatcher só dessa forma as pessoas conseguiriam ser auto-confiantes e capazes de superar as dificuldades. Porque uma economia saudável é a base de uma sociedade saudável.

O artigo na ‘Economist’, por ser relativo à economia ao nível mundial, menciona o caso do Facebook, da Google e de outros mercados de tal forma distorcidos por empresas monopolistas, ou quase monopolistas, que desaninam quem almeje o tal espírito de independência e de prazer pelo sucesso, que é fruto do mérito próprio. No entanto, e olhando para Portugal a situação não foge muito à realidade retratada pela revista britânica.

Por cá, o governo de António Costa, apoiado pelo BE e o PCP, concluiu três anos de governação. Como era de esperar Costa e os seus ministros pularam de satisfação perante tamanho sucesso. Já tive oportunidade de referir o quanto do êxito conseguido por Mário Centeno com as contas públicas tem pés de barro e se pode desmoronar a qualquer momento. Mas há um outro aspecto a que José Gomes Ferreira referiu, e muito bem, há dias na SIC: o perfil estrutural da economia portuguesa não mudou nestes três anos. O país voltou a apostar no imobiliário e na construção com financiamento bancário. Nestes três anos, e apesar do momento ser propício para tal, não surgiram empresas que estejam além da conjuntura, mas restaurantes e alojamentos locais. Pouco ou nada é sustentável. A maioria das empresas encontra-se descapitalizada e depende do financiamento público que, ao alimentar mercados caducos, impede a inovação e convida os cidadãos ao embasbacamento e apatia em vez do gosto pela independência.

Também por cá precisamos de uma revolução capitalista. Não mais o capitalismo das empresas com ligações ao Estado, não mais o capitalismo imposto por uma banca protegida pelo poder público e que não financia quem inova, mas os que se limitam a ir atrás do lucro fácil, mas efémero dos negócios já testados no passado, pouco produtivos e que deixam um rasto de dívida para ser paga depois. Precisamos de livre concorrência e de menos apoios públicos. O motor da economia é a inovação, o surgimento de novas empresas, de novos projectos; não a satisfação de se trabalhar numa grande empresa com mercado assegurado, mas o gosto por conseguir algo maior. Nada é mais poderoso que a vontade de um cidadão livre. Livre dos monopólios e de uma economia desvirtuada pelos interesses das corporações. Nada seria mais revigorador para os cidadãos que uma revolução capitalista.

Advogado

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Brexit

Um elogio ao parlamentarismo britânico /premium

André Abrantes Amaral

O referendo, com o seu carácter limitativo da discussão em causa, não permite um debate verdadeiro com negociação e cedência. Passada a tempestade, a democracia parlamentar britânica sairá reforçada.

Ambiente

Viagem marítima com Greta Thunberg /premium

André Abrantes Amaral
265

Esta crónica não é sobre as alterações climáticas, mas a técnica discursiva de alguns ambientalistas. Sobre a idealização de um mundo onde as massas prescindem de viver para que os escolhidos o façam.

Filosofia Política

A doença mental chamada Amazónia

Gabriel Mithá Ribeiro

Resta decretar o estado de emergência climática que, na prática, se traduz no combate ao capitalismo em nome do socialismo, mas na condição daquele disponibilizar muitos mil milhões de dólares a este.

Poupança

O capital liberta

André Abrantes Amaral
221

É do ataque constante ao capital que advêm as empresas descapitalizadas, as famílias endividadas e um Estado sujeito a três resgates internacionais.

Polémica

Capitalismo bom, Capitalismo mau

Telmo Azevedo Fernandes
122

Sempre que alguma entidade estatal tem por missão a protecção do consumidor, fico seriamente desconfiado se o resultado não será antes menor criação de riqueza e mais rendas para interesses instalados

Crónica

A essência do capitalismo selvagem 

José Miguel Pinto dos Santos
163

No fundo, no fundo, o capitalismo “selvagem” é um sistema de cooperação e ajuda mútua entre pessoas livres. E que trás mais prosperidade que qualquer tipo de socialismo, selvagem ou pseudocivilizado

Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)