Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

As próximas semanas são as mais decisivas da presidência portuguesa na UE. Pode parecer estranho dizê-lo quando a Alemanha ainda exerce a sua presidência até ao fim do ano. Mas é a verdade. Se a Alemanha não conseguir um acordo sobre o Fundo de Recuperação da UE nas próximas semanas, o problema cai para o governo português. Nesse caso, perguntar-se-á, conseguirá António Costa fazer o que Merkel não conseguiu?

Aceitando que será quase impossível Costa alcançar o que Merkel falha, convém e é do interesse nacional que os alemães tenham sucesso. Neste momento, os húngaros e os polacos estão muito inflexíveis. Não aceitam qualquer solução que não seja a reabertura do acordo entre o Conselho e o Parlamento Europeu sobre a sujeição da libertação dos fundos europeus ao respeito pelo estado de direito. Pelo seu lado, o Parlamento Europeu já recusou qualquer alteração do acordo com o Conselho.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.