Alpoim Calvão

Recordação de Alpoim Calvão

Autor
374

Se do militar ainda havia referências, quase nada se sabia sobre um herói de guerra discreto que colecionava arte, era leitor com biblioteca e cozinheiro que inventava receitas

1. Guilherme Alpoim Calvão morreu há dias. Durante quatro décadas, o ar do tempo anti-fascista, anti-África, anti-pátria que englobasse restos do Império ou conservasse a sua memória sem a negar ou assassinar, transformaram-no num conhecido indesejado. A vida começara a 25 de Abril de 1974, havia uma nova pátria livre e libertadora onde não eram admitidas personagens que estorvavam. Calvão, estorvava a ideologia em uso e ultrapassava os limites politicos consentidos.

Ouvia falar dele em casa, ao meu Pai que amava África quase sobre todas as coisas e nos contava a guerra mas nunca me interessei muito por Calvão, e nem mesmo quando em 1965 fui pela pela primeira vez a Angola, Moçambique e S. Tomé – voltando dezenas de vezes – me deu para conversar com ele. A seguir fui-me entretendo com a “revolução”, ele com a contra-revolução. Os caminhos eram demasiado paralelos para se cruzarem.

No inverno de 1994 conheci-o finalmente. Entrevistei-o para o Público, integrado num conjunto de conversas que assinalavam os vinte anos do 25 de Abril, depois publicadas em livro. Foi um diálogo de combate. Fogo cerrado. Mas vislumbrei menos o guerreiro de golpes, contra golpes e “operações”, em Portugal e em África e mais um burguês solitário argumentando-me as razões da sua História.

Tinha 57 anos e perdera. As coisas eram o que eram e a sua pena por África era maior do que chorar por ela. “Este país” não era o dele, espantara-se com, digamos, a leviandade desenvolta de alguns dos seus camaradas e a mudança de pele de outros, mas não havia o cheiro a pólvora do ódio nem a cor do ressentimento. Havia memória com rostos. Não esquecera nada.

Recebeu-me no seu escritório da Baixa, andámos para a frente e para trás no tempo, apeámo-nos na Guiné, viajamos até ao Mar Verde da Guiné Conacry, parámos no Movimento das Forças Armadas (que fora convidado a integrar e recusara: quando perguntou “e o ultramar?” as respostas foram imprecisas) ; desaguámos na descolonização, depois no MDLP. Deu-me a sua circunstância da versão, mas o MDLP foi uma história com demasiados autores para ter versão única, o que é pena. Seria uma grande história. Sem surpresa retive como nesses incandescentes meses fora tão íntima a ligação e a troca de informações entre os dois lados militares das barricadas desse tempo: todos sabiam tudo de todos. As famílias são isto.

Alpoim Calvão nunca tivera grandes ilusões sobre a condição portuguesa. Combatia – antes e depois de 74, aqui e lá – porque acreditava numa ideia de Portugal. Era-lhe suficiente como forma de vida. Convivia bem com a sua própria realidade e talvez porque fosse demasiado demasiado lucido, permitia-se o uso da ironia. A guerra fizera-o conhecer bem os homens.

Nessa manhã ia-me contando as coisas, fala seca, meio sorriso, factos. As coisas como tinham sido, e os factos, amparados em muita documentação guardada. A tragédia arrumada por ordem alfabética. O que (lhe) restava do sonho – mitificado ou não, nunca saberemos – do Império, dentro de gavetas ordenadas. Mas nunca deixou de voltar, a Guiné era uma morada.

Também percebi que se muitos conheciam o militar, as duas Torres Espadas, a guerra, a bravura e a controvérsia, quase nada se sabia sobre um herói de guerra discreto que colecionava arte, era leitor com biblioteca e cozinheiro que inventava receitas, confundindo os convivas sentados à sua mesa. Mas o que me levava nesse dia a um escritório lisboeta eram as razões do militar “contra-revolucionário” e não a porcelana chinesa ou improváveis dotes de gastronomia.

2. Foi há dois ou três dias, conversando com outro grande coleccionador, Jorge Welsh – certamente o antiquário português e editor de arte de maior projecção internacional, especialista em arte relacionada com a expansão portuguesa em particular e europeia em geral, com antiquários em Lisboa e Londres – que pude comprovar a multifacetada realidade de Guilherme Alpoim Calvão, de quem Welsh era amigo próximo: a porcelana e o interesse comum pelo mundo das artes dera lugar a uma “amizade cúmplice” entre os dois:

“Almoçava muito em sua casa, era sempre ele que cozinhava. Tinha o prazer da conversa e uma curiosidade invulgar, livros, história, politica, a história da sua vida, queria que eu fosse á Guiné com ele, infelizmente nunca pude. A sua coleção não era estática, embora durante um período tenha tido uma das colecções mais importantes de porcelana da China de exportação. Mas também tinha pintura, arte namban, indo-portuguesa ou qualquer peça que despertasse a sua atenção e curiosidade. Chegou a ter a colecção mais importante de “primeiras encomendas”, as primeiras porcelanas Chinesas feitas para a Europa/portugueses, a partir do principio do século XVI até a meados do XVII. Era um coleccionar invulgar: investigava as suas peças – fossem elas valiosas ou não – do ponto de vista artístico, histórico, documental, geográfico contextualizando-as depois: em relação ao período a que pertenciam e avaliando o impacto que o resultado do seu estudo tinha na forma como ele via a vida e o mundo…”

A natureza humana é um grande mistério.

——————————

A rematar esta breve nota deixo aqui, a titulo de de curiosidade, aquilo que nesse inverno de 1994, diante de um gravador, Alpoim Calvão me disse sobre a Operação Mar Verde. A versão do próprio. Para cada um, sua verdade. É capaz de ser isso.

P: Proponho-lhe que me fale agora da Operação Mar Verde que fez na Guiné Conacry.

R: Contrariamente ao que durante anos tem sido matraqueado na comunicação social, o principal objectivo dessa operação foi a libertação dos 26 militares portugueses mantidos prisioneiros em Conacry – com quem os progressistas da Frente Patriótica de Libertação Nacional e da Rádio Voz da Liberdade, em Argel, tão pouco se preocupavam – e um golpe de mão sobre o PAIGC, em Conacry. A inclusão do golpe de Estado na República da Guiné de Sekou Touré destinou-se a aproveitar o potencial oferecido pelo Front de Liberation National Guinéen (FLNG), que desde 1964 contactava com as nossas autoridades. De resto convém aqui recordar que algum tempo antes da Mar Verde – em meados de setenta – na fase preparatória da revisão constitucional, o então general Spínola entregou ao professor Marcello Caetano um trabalho intitulado “Algumas ideias sobre a estruturação politica da Nação” que serviu de base ao livro “Portugal e o Futuro”.

P: E então?

R: Quando oito dias antes do início da operação Mar Verde vim a Portugal pedir a autorização do presidente do Conselho para a sua execução, fiquei surpreendido pela rapidez da decisão concordante. Pareceu-me que o professor Marcello Caetano se apercebeu imediatamente do alargamento do seu espaço de manobra caso o regime de Sekou Touré fosse derrubado e o PAIGC muito enfraquecido. Tenho aliás em meu poder a minuta do acordo de assistência mútua com o dr. David Soumah, ex-membro do Governo de Leopold Senghor e que encabeçaria o novo governo da FLNG.

P: Que disse a Marcello Caetano?

R: Não deixei de lhe frisar que o golpe de Estado poderia não resultar e que para mim o essencial era a libertação dos prisioneiros e a acção sobre o PAIGC. Concordou comigo e apenas me recomendou que se deixasse o mínimo de vestígios possível.

P: Conclusão?

R: A Operação Mar Verde libertou os 26 prisioneiros; abalou fortemente as estruturas do PAIGC; afundaram-se e incendiaram-se sete “vedetas” armadas rápidas. Quanto ao golpe de Estado da FLING, o quartel do Campo Samony foi praticamente destruído e a central eléctrica da cidade também foi destruída. Subitamente Conacry reduziu-se a uma mancha escura: o Comando da Guarda Republicana de Camayene foi aniquilado e libertados cerca de 450 prisioneiros políticos – entre eles, o capitão Abou Soumah, que em 1972 veio encontrar-se comigo em Lisboa; foi destruída a Villa Silly, de SekouTouré, bem como o campo de Milícia Popular que o defendia, causaram-se algumas centenas de baixas às forças de Sekou Touré.

P: Não é essa hoje a ideia e a imagem que persistem. Para além do que me disse alguma coisa terá corrido mal…

R: A falta de precisão das informações disponíveis não permitiu a neutralização dos MIG 17 o que, dada a completa ausência de cobertura aérea para as nossas forças, me obrigou a tomar a decisão de retirar, decisão de que assumi inteira responsabilidade. Grande parte dos elementos da FLNG, dada a recepção que tiveram por parte da população, resolveram continuar a luta, que durou alguns dias e acabou por ser decidida pela intervenção das forças cubanas estacionadas em Dubreka, a cerca de 38 quilómetros de Conacry. A impiedosa repressão que se seguiu foi pretexto para uma depuração completa do regime de Sekou Touré – que para assegurar a sua sobrevivência, se viu obrigado a pedir o estacionamento em permanência de alguns navios de guerra soviéticos em Conacry.

P: E?

R: Politicamente faça a leitura que entender, militarmente acabo de referir-lhe os factos.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

À atenção da direita /premium

Maria João Avillez
152

Espantei-me que não se espantasse mais com o estado de saúde das direitas em Portugal: que país normalmente constituído e com um regime democrático sobrevive com metade da democracia a funcionar?

Livros

O dr. António Sousa Homem & família /premium

Maria João Avillez

Nessa noite, ao apagar a luz, com um cansaço jubiloso, feito de uma curiosidade que galopava à minha frente, surpresa sem nome e raríssimo deleite, olhei distraidamente para o relógio: era madrugada.

Exames Nacionais

Mensagem sem Pessoa 

Beatriz Gomes Artilheiro

Sim, o exame teve Pessoa, mais Saramago e Ricardo Reis. Mas não inclui Eça de Queiroz. Crónica de uma aluna enquanto estudava para o exame de hoje de Português do 12º ano. "Valete, fratres". 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)