Catolicismo

Santidade para todos, santidade em saldo?

Autor
387

Um santo não é um cristão excepcional, mas um não-santo é um cristão fora do normal, porque a santidade é a normalidade da vida cristã.

O Papa Francisco, pela exortação apostólica Gaudete et exsultate, sobre a chamada à santidade no mundo actual, agora publicada, recorda que a perfeição da vida cristã é para todos. Quer isto dizer que a santidade cristã está em saldo?

Poucos foram os fiéis reconhecidos como santos pela Igreja, se comparados com a totalidade dos cristãos. A razão prende-se com a exigência do correspondente processo canónico que, não só requer a demonstração de que o candidato aos altares viveu heroicamente todas as virtudes cristãs, mas também a prova científica de um facto extraordinário atribuído à sua intercessão. Como, em geral, estes milagres são de natureza médica, é imprescindível que uma competente autoridade clínica, de preferência não confessional, declare que a cura obtida não teve, nem poderia ter, explicação natural, em cujo caso não serviria para o efeito.

É verdade que a prova do martírio é mais simples, porque basta demonstrar que a morte foi causada por ódio à religião, como foi a do Padre Jacques Hamel, barbaramente assassinado em pleno altar, a 26-7-2016, por terroristas islâmicos, em Saint-Etienne-du-Rouvray, França. Talvez também seja o caso do igualmente francês tenente-coronel da polícia, Arnaud Bellarme, que, apesar de ter sido maçonda Grande Loja de França (Jornal i, 26-03-2018), estava em processo de conversão ao Cristianismo e preparava-se para contrair matrimónio católico, com a mulher com quem já estava casado civilmente. Como S. Maximiliano Maria Kolbe, que foi morto a 14-8-1941 em Auschwitz e que a Igreja venera como mártir, também Bellarme deu heroicamente a sua vida pelo próximo.

São relativamente poucas as pessoas que são beatificadas ou canonizadas, mas convém não confundir a santidade cristã com esse reconhecimento formal. Ou seja: quando a Igreja católica a todos os fiéis convida à santidade – nomeadamente pela exortação apostólica Alegrai-vos e exultai, do Papa Francisco – não banaliza a santidade, porque a todos é pedida a perfeição da caridade no exercício do apostolado cristão. Que a excelência da sua virtude venha, ou não, a ser posteriormente reconhecida pela máxima autoridade eclesial é, na realidade, de somenos importância. Até porque a glorificação de um fiel serve, precisamente, para promover a santidade e não o próprio: não se chega a santo pela ‘vaidade’ de sê-lo, mas por amor a Deus e pelo serviço aos irmãos.

Mas, o que é a santidade? É frequente ouvir-se dizer: ‘Eu cá não sou santo nenhum!’ Dizem-no os que assim se desculpam dos seus defeitos mas, mais do que desculpa, essa afirmação, dita por um cristão, é uma confissão de culpa, porque todos os fiéis deveriam ser santos e, se o não são, é por sua única responsabilidade, pois a graça do baptismo e demais sacramentos é suficiente para o efeito. Um santo não é um cristão excepcional, mas um não-santo é um cristão fora do normal, porque a santidade é a normalidade da existência cristã. Os primeiros cristãos assim pensavam e diziam: tratavam-se por santos e, de facto, muitos deles vieram a ser mártires da fé.

Outro equívoco comum é o de supor que os santos o foram porque fizeram coisas que não são deste mundo. De um santo esperam-se aparições e visões, êxtases, grandes jejuns, penitências insofríveis, curas espantosas, vozes estranhas e levitações … E, quando nada disso constava na biografia de um bem-aventurado, não faltavam hagiógrafos menos escrupulosos que inventassem fenómenos rocambolescos. De São João de Deus, apesar de ter nascido normalmente numa família alentejana, disse-se depois que, quando foi dado à luz, resplandeceu um clarão incrível em Montemor-o-Novo, sua cidade natal, ao mesmo tempo que, misteriosamente, começaram a repicar os sinos da terra, anunciando o nascimento do santo …

Desde tempos imemoriais, a Igreja teve a preocupação de expurgar as hagiografias de tudo o que, por não ser verdadeiro, afasta os santos do comum dos mortais. De nada nos servem colecções de super-homens ou de ‘misses’ mundo da santidade se, afinal, nada têm a ver connosco. Precisamos, pelo contrário, do exemplo de gente comum que, apesar das suas imperfeições, alcançou o ideal da caridade cristã.

Assim eram, com efeito, aqueles primeiros santos que o próprio Cristo escolheu para seus discípulos. Homens e mulheres normais, que nunca deixaram de o ser. Eram pecadores – como Maria Madalena, Pedro e Paulo – mas maior foi a sua caridade, porque a santidade não radica tanto na ausência do pecado, como na grandeza do amor. Por isso, Jesus de Nazaré preferiu a mulher que amou muito, mesmo tendo sido pecadora, em detrimento do irrepreensível fariseu, que talvez nunca tivesse cometido nenhuma falta grave, mas que pouco amava (Lc 7, 36-50). A santidade cristã é isso: saber-se infinitamente amado por Deus e amar Deus e os outros com esse mesmo amor.

Este nosso mundo tem muita necessidade de santidade, precisamente porque tem uma enorme carência de amor. O aborto, a guerra, o divórcio, a eutanásia, etc., são os pecados do egoísmo e do desamor: não se superam só com melhores leis, mas sobretudo com mais caridade, ou seja, mais espírito cristão, mais santidade.

Todos os domingos e festas, a Igreja canta a Deus: “Só vós sois o Santo”. Só Deus é santo: as criaturas apenas participam da santidade divina e, por isso, não são adoradas, mas apenas veneradas. Também se honram os notáveis da pátria e se preza a memória dos familiares defuntos. A Igreja é um povo que louva os seus heróis e uma família que não esquece os seus melhores filhos.

De todas as criaturas santas, há uma só que mereceu o superlativo da santidade: a ‘santíssima’ virgem Maria, mãe de Jesus. E, contudo, não só nunca foi beatificada, nem canonizada, como também não se lhe conhece nenhum milagre, porque até o das bodas de Caná não foi feito por ela, embora por sua intercessão. Porque é, então, ‘santíssima’?! Porque, mesmo não tendo feito coisas extraordinárias, tudo fez extraordinariamente bem, ou seja, com muito amor a Deus e aos homens!

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Páscoa

O testamento de Jesus Cristo /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
893

Deixo à Igreja o meu coração (...) que é fonte inesgotável de perdão e graça para quantos, absolvidos dos seus pecados pelo sacramento da penitência, me recebem no santíssimo sacramento da Eucaristia.

Páscoa

Judas Iscariotes reabilitado /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
475

Apesar da traição, Judas Iscariotes provavelmente arrependeu-se e salvou-se: onde há contrição e esperança, a misericórdia não pode faltar!

Catolicismo

A Virgem Maria para além da metáfora

Isaías Hipólito
742

O Credo é para os cristãos o mínimo denominador comum que todos devem comungar. Retirar-lhe qualquer peça, por aparentemente descredibilizar a pretensão cristã, implica minar todo o edifício da fé.

Natal

O que é que estamos a festejar hoje? /premium

Laurinda Alves
478

Mesmo para qualquer crente as dúvidas que estes grandes mistérios levantam são torrenciais e legítimas, mas ajuda perceber que a fé coabitará sempre com a dúvida. Se há dúvida, é sinal de que é fé.

Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)