Política

Três desafios políticos de 2019 /premium

Autor
139

Devemos deixar de falar em “A reforma do Estado”, uma expressão gasta, ambígua, imodesta, mas concentrarmo-nos em pequenas reformas em regras e instituições que farão toda a diferença em eficiência.

Em política é útil separar as escolhas das regras e instituições em que esta se desenrola, da atividade política ordinária. É esta última que é objeto de combate político mais frequente e em que a polarização esquerda-direita é mais evidente. Tipicamente, a direita quer menos Estado, menos impostos, menos regulação e mais mercado. Dá maior ênfase ao crescimento económico. A esquerda quer um Estado relativamente maior — o que não permite descer impostos –, quer mais regulação e dá mais ênfase à justiça social.

Há, porém, uma outra dimensão nobre da política e da administração. As escolhas sobre as regras e instituições condicionam não só o tipo de atores que participam no jogo político e na atividade administrativa, mas também a forma como nestes participam. Melhorar este hardware da política e da administração do Estado é essencial  para responder aos desafios de 2019 e da próxima década.

A este nível, as oposições ideológicas esbatem-se mais, pelo que o potencial de compromisso e de consensos políticos alargados é maior. Não me parece ser classificável de esquerda nem de direita ter melhores instituições que facilitem o combate à corrupção, que aumentem a satisfação dos cidadãos com a democracia, que melhorem a qualidade e a eficiência com que o Estado (independentemente da sua dimensão) fornece serviços públicos, ou que assegurem a soberania política e financeira do Estado no longo prazo. A prioridade política do país deveria ser, assim, robustecer as suas instituições, como um navio que tem a certeza que irá defrontar um mar agitado no futuro. É neste contexto que considero que há três prioridades  a desenvolver em 2019.

Primeiro, as reformas no sistema político. O sistema político que temos não resulta da mente de um arquiteto genial, mas sim de um processo histórico iniciado na Assembleia constituinte, alterado por várias revisões constitucionais, e várias leis estruturantes do sistema. Ele poderia estar adequado em 1976, mas certamente hoje não está. O sistema político que teremos resultará também de mudanças, não globais, mas cirúrgicas em aspetos chave (lei eleitoral, lei de financiamento de partidos políticos, etc.). Aquilo que é necessário debater na sociedade portuguesa, na pluralidade de opiniões, é por que são necessárias reformas parcelares do sistema político e com que objetivo, para que essas alterações institucionais sejam coerentes e contribuam para o objetivo que se quer alcançar e não casuísticas, erráticas e, no limite, mesmo contraditórias entre si.

Dado que serão necessários compromissos, num debate que já dura há décadas, é importante que a sociedade civil estimule o debate público e a formação académica nestas matérias complexas, e que os partidos façam a sua reflexão e as suas negociações para apresentarem algo de inovador ao eleitorado em 2019.

Uma segunda prioridade são claramente as reformas no Estado. Aqui aplica-se exatamente o que referi sobre o sistema político. Devemos deixar de falar em “A reforma do Estado”, uma expressão gasta, ambígua, imodesta, mas concentrarmo-nos em pequenas reformas em regras e instituições que farão toda a diferença  no funcionamento e na eficácia do Estado, tanto ao nível da seleção dos cargos dirigentes, como da capacitação dos trabalhadores ou dos procedimentos administrativos.

Por exemplo, a Comissão de Recrutamento e Seleção para a Administração Pública (CRESAP), de altos cargos dirigentes fez agora sete anos. Estamos já em condições de avaliar o seu desempenho, de validar ou questionar o modelo, de debater que objetivos se pretende alcançar e se necessário, de alterar o modelo. Pessoalmente, defendo a necessidade de reformulação da CRESAP, e de fazer a distinção entre cargos de nomeação assumidamente política e cargos de seleção concursal exclusivamente pelo mérito. Importa debater primeiro e decidir depois.

Finalmente, regras e instituições que promovam a sustentabilidade financeira, económica e, sublinho, social das finanças públicas. Neste campo teremos, este ano, várias coisas muito importantes que se prendem com as regras orçamentais. A revisão do objetivo de médio prazo para as finanças públicas portuguesas (que determinará o esforço orçamental português), o programa de estabilidade de Abril (que definirá a estratégia para os próximos anos), e a gestão da dívida pública. Seria útil, mas reconheço inviável, mudar a Constituição para que as eleições legislativas não sejam na data em que é suposto dar entrada o Orçamento de Estado, isto é, início de Outubro (!) Um anacronismo. Mas há outros, que suscitam dúvidas de inconstitucionalidade. O princípio constitucional de igualdade é compaginável com tratamento diferenciado de professores do ensino básico e secundário (PEBS) que estão colocados, na altura da entrada em vigor  dos diplomas, nos Açores, na Madeira e no continente, ou exige um tratamento uniforme? Não é compaginável pelo que as regras que prevalecerem sobre a contagem de tempo deverão ser iguais para todos. Isto significa estender a regra que resultar da negociação do governo da república com os professores a todos, e não o inverso como pretendem sindicatos e comentadores alinhados. Seria o princípio da igualdade satisfeito caso fosse aceite a contagem integral do tempo de serviço, na relação entre PEBS e, por um lado, os professores do ensino superior (onde não houve nenhuma contagem do tempo de serviço!) e por outro na relação entre PEBS e os trabalhadores das carreiras gerais da administração pública? A resposta é não e não.

Numa nota final, retiro da mensagem de Natal do primeiro-ministro duas frases: “eu não me iludo nem nos podemos iludir com os números” e “estamos melhor, mas temos ainda muito para continuar a melhorar.” Do Presidente da República ressalvo esta: “Nós sabemos que estes tempos continuam muito difíceis.” Estou convicto que ao lidar com as dificuldades de 2019 PR e PM têm presente que Portugal continuará vulnerável à próxima crise, provável na próxima década, e que não pode haver hesitações nem ambiguidades em decisões que ponham em causa a sustentabilidade financeira do país, leia-se, a sua soberania nacional.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Democracia

Quem tem medo dos cidadãos? /premium

Paulo Trigo Pereira
299

Portugal é, no contexto europeu, dos países mais fechados à participação política dos cidadãos. Desde logo no sistema eleitoral é dos raros países onde não existe voto personalizado em candidatos.

Governo

As confusões do nepotismo na política /premium

Miguel Pinheiro
821

Pedro Nuno Santos escreveu que “ninguém deve ser prejudicado na sua vida profissional por causa do marido, da mulher, da mãe ou do pai”. Está quase tudo errado nestas 19 palavras.

Banca

Castiguem os responsáveis! /premium

Manuel Villaverde Cabral
181

A defesa tenaz de alguém como Tomás Correia faz-nos pensar que, se o PS fosse poder quando o BES faliu após toda a trafulhice, os seus líderes não se teriam atrevido a dizer não ao Sr. Ricardo Salgado

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)