Eutanásia

Uma crise mor(t)al

Autor

O PS corre atrás do poder numa questão armadilhada à partida pelo veneno niilista e verdadeiramente mortal do movimento Direito a Morrer com Dignidade e do Bloco de Esquerda.

Nenhum homem é uma ilha isolada; cada homem é uma partícula do continente, uma parte da terra; se um torrão é arrastado para o mar, a Europa fica diminuída, como se fosse um promontório, como se fosse a casa dos teus amigos ou a tua própria; a morte de qualquer homem diminui-me, porque sou parte do género humano. E por isso não perguntes por quem os sinos dobram; eles dobram por ti.
John Donne

À última foi de vez.
A Comissão Nacional do PS aprovou mesmo a despenalização da eutanásia.
Num eufemismo grotesco e impróprio chamam “acto médico” a retirar a vida a um doente terminal.
Quando, como dizia Faria e Costa “ (…) Por a nossa condição ser a de homines dolentes e de “seres para a morte”, “curar o mal, atenuar ou suprimir o sofrimento, evitar a morte iminente (…), foram objetivos que, desde as origens, o homem procurou com o acto médico”.
Está portanto dado o próximo passo de que falavam os defensores desta abencerragem cibernética.
Mas o passo em frente foi dado num precipício.
Porque a afirmação de que a eutanásia não é uma “cultura da morte” mas uma “valorização” da autonomia da pessoa e dos valores que defendem, é um trocadilho oco e falso que projecta um trágico indiferentismo e vai repassado de um gravíssimo relativismo moral.
O indiferentismo de uma sociedade em geral lassa e egoísta que não vê a discussão da eutanásia como um assunto seu, mas a mera contemporização com a morte “de um outro”, que olha com desinteresse.
A eutanásia vista à distância como um puro dado estatístico, que não nos toca ou move (mais uma morte hospitalar…), que não nos diz respeito pessoalmente.
Who cares?
Não andam hoje pelos corredores e pelas enfermarias dos hospitais públicos demasiadas pessoas de idade abandonadas pela família?
Relativismo moral, evidentemente, porque a vida não é um circuito fechado (não se vive em exclusivo para si), nem o homem é um puro mecanismo auto – determinável.
A vida de cada um diz pessoalmente respeito aos outros que com ele partilham essa vida e ninguém deveria querer ser ajudado a morrer.
E, afinal, porque a eutanásia não é a simples autonomia da vontade para morrer.
Desde logo, porque o consentimento livre e esclarecido não se presume por lei.
E porque essa autonomia inexiste ou acaba rigorosamente no ponto em que a decisão, a validação (médica?) do consentimento e o próprio acto da indução da morte em si mesma dependem de um terceiro.
Seja ou não esse terceiro impelido por motivo de relevante valor social (relação de família, amizade, compadecimento e/ou outro).
Muito diferente da ortotanásia, i.e., a possibilidade de suspensão dos tratamentos médicos a pedido do doente.
Neste caso, a decisão não é realmente do médico, tendo ele somente a obrigação de informar o paciente do seu prognóstico.
No entanto, é dever médico diagnosticar e determinar o alcance da enfermidade, bem como sua possibilidade de cura.
A partir daí, cabe ao paciente exercer a opção de limitar ou suspender o tratamento, de acordo com a sua autonomia e em razão de um seu consentimento livre e esclarecido.
Infelizmente, um PS directório e que se projecta modernista fugiu ao aprofundamento destas questões.
Fugaz e cínico, corre atrás do poder numa questão armadilhada à partida pelo veneno niilista e verdadeiramente mortal do movimento Direito a Morrer com Dignidade e do Bloco de Esquerda.
Porque não há vidas nem mortes indignas.
O que há é demasiadas vidas e mortes abandonadas e sem sentido.
Tornadas indignas pela desqualificação, pelo desamor e pela insensibilidade de muitos.
Tantas vezes do Estado e dos seus serviços à cabeça.
A oportunidade desta moção aprovada não é trazer realmente à discussão um debate sobre a vida.
É facilitar a passividade e a negligência social.
Extraordinário.
Debater a vida mobilizando a morte!
Carlos César, senador liberal, recordou que o PS decidiu dar liberdade de voto.
Magnânimo, remete para a consciência e decisão individual de cada um dos 86 deputados socialistas a ulterior votação no parlamento.
O povo anónimo foi encostado à parede (até porque não votou na consciência individual de deputados mas em programas de partidos submetidos a sufrágio).
E numa apatia embriagada e resignada, assiste calado.
Até ser tarde de mais.
Mas basta querer ver.

Miguel Alvim é advogado

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

Portugal 2019

Miguel Alvim

As eleições ganham-se com trabalho. Na medida da preparação, do empenho e do esforço de todos os protagonistas. Mas não basta. O outro lado da receita tem nome: convicções fortes e boas ideias.

Acidentes e Desastres

A ponte

Miguel Alvim

Em Borba, não há volta a dar, nem panos quentes, nem as conversas redondas, moles e fiadas do costume. Toda a gente sabe. Toda a gente viu.

Eleições

A voz e o voto pró-vida em Portugal

José Maria Seabra Duque
209

Vamos entrar em ano de eleições, primeiro europeias, depois legislativas, e a Federação Portuguesa pela Vida vai lançar um questionário a todos os partidos e cabeças de listas que a elas concorrerem.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)