Rádio Observador

Trissomia 21

Uma evidente violação da liberdade de expressão

Autor
  • Pedro Afonso
1.292

A decisão censória do governo francês está bem distante do sofrimento das pessoas e das angústias de uma mãe ao saber que o seu bebé tem trissomia 21. O vídeo “Querida futura mãe” não propaga mentiras

A 11 de Janeiro de 2015, como homenagem às vítimas dos atentados realizados ao semanário satírico Charlie Hebdo e do assalto a uma mercearia judaica em Paris, cerca de 50 chefes de Estado e de Governo desfilaram em silêncio em Paris. O Presidente francês, François Hollande quis desta forma mostrar ao mundo que a França repudiava o terrorismo e não admitia qualquer limitação à liberdade de expressão.

Curiosamente, foi o governo francês que há dias deu um sinal de absoluta contradição, na defesa deste direito inegociável, ao proibir um anúncio em que várias crianças com trissomia 21 explicam a uma futura mãe que não deve temer pelo facto de o seu filho, ainda por nascer, ter sido diagnosticado com essa anomalia.

Para assinalar o dia mundial da trissomia 21 foi criado um vídeo chamado “Querida futura mãe”, no qual várias crianças e jovens de diversos países falam de tudo o que o seu filho vai poder alcançar, apesar da doença e de algumas dificuldades, transmitindo uma mensagem de esperança e otimismo às futuras mães.

Numa altura em que há cada vez mais abortos de bebés com o diagnostico pré-natal de trissomia 21, o objetivo das associações de doentes é tentar explicar que tem havido avanços da medicina que proporcionam melhorias nos cuidados prestados aos portadores de trissomia 21, garantido um aumento da longevidade e uma maior autonomia destas crianças e jovens.

Este pequeno filme que se destinava a passar na televisão francesa foi censurado pelo Conselho Superior de Audiovisual francês, com a alegação de que não se enquadrava nos critérios de serviço público, invocando o argumento de que as imagens de crianças com trissomia 21 sorridentes e felizes poderia “perturbar as consciências de mulheres que tinham tomado, legalmente, outras escolhas de vida pessoais” (leia-se aborto). Esta decisão censória foi posteriormente confirmada pelo Conselho de Estado francês, levando a uma justa indignação das organizações que se dedicam a apoiar as famílias de portadores de trissomia 21.

Uma das minhas experiências profissionais mais ricas e gratificantes foi ter trabalhado como psiquiatra numa associação de pais e amigos (APPACDM de Santarém) que ajuda, trata, e reabilita crianças e jovens com deficiências graves, entre as quais se encontra a trissomia 21. Recordo as gargalhadas, os beijos e abraços de dezenas de jovens e crianças; lembro-me dos seus rostos luminosos pela alegria proporcionada por estarem a ser tratados com afeto, carinho e o empenho de vários profissionais (psicólogos, terapeutas ocupacionais, professores de ensino especial, monitores, etc.). Curvo-me perante o exemplo de muitos pais que, não obstante as graves incapacidades resultantes da doença, dão testemunhos heroicos de uma vida dedicada ao amor e ao cuidado dos seus filhos.

Esta decisão censória do governo francês, ocorrida provavelmente num gabinete com belos veludos carmesim, está muito distante do sofrimento real das pessoas e das angústias de uma mãe que soube que o seu bebé tem trissomia 21. Diante dos factos relatados, existe uma palavra para classificar esta censura miserável à liberdade de expressão por parte do governo francês: hipocrisia. Na verdade, o vídeo “Querida futura mãe” não propaga nenhuma mentira, não condena ninguém, mas faz pensar que, mesmo perante o choque de um diagnóstico pré-natal de trissomia 21, não podemos cair na tentação de um automatismo eugénico através do aborto, pois há outra solução.

É preciso denunciar o cinismo das sociedades que se dizem democráticas e tolerantes, mas que na prática adotam decisões que limitam a informação e a liberdade. Há certas forças obscuras que gostariam de impor o silêncio a tudo aquilo que se afasta do politicamente correto, de modo a poderem governar mais facilmente o mundo, de acordo com os seus princípios ideológicos egoístas e déspotas.

Não me parece necessário evocar o sonho eugénico concebido por Hitler. No entanto, convém desconfiar sempre dos governantes que apesar de olharem para o Céu e jurarem defender a liberdade, a incoerência dos seus atos revela que o totalitarismo os atrai incessantemente.

Médico Psiquiatra

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Mercado de Trabalho

Os castigos do trabalho em Portugal

Pedro Afonso

Esta é uma geração que para trabalhar abdica de quase tudo o resto; renuncia a constituir família, aos amigos, ao lazer e até à sua própria saúde. O mundo laboral sofre hoje uma grave desmoralização.

Médicos

Senhor Dr., quanto tempo temos de consulta?

Pedro Afonso
884

Um dos aspetos essenciais na relação médico-doente é a empatia. Para se ser empático é preciso saber escutar. Ora este é um hábito que se tem vindo a perder na nossa sociedade, e nas consultas médicas

Trissomia 21

Porque a Pilar existe /premium

Laurinda Alves
3.128

Onze jovens que optam por estudar no Politécnico de Santarém não fariam história se não tivessem uma característica comum: todos têm mais de 18 anos e um défice cognitivo igual ou superior a 60%.

Trissomia 21

Será que não há lugar para eles no mundo?

Pedro Vaz Patto
387

De acordo com a investigação científica, a esmagadora maioria das pessoas com trissomia 21 declara ser feliz e dá felicidade aos seus familiares. Será que não há lugar para eles no mundo?

Trissomia 21

Não me limitem!

Laurinda Alves
1.624

O vídeo “Não me limitem!” é muito eloquente do potencial de crianças e jovens com Síndrome de Down, pois deita por terra muitos preconceitos. Acima de tudo pulveriza medos e revela capacidades.

Trissomia 21

Sociedade “down free”?

Pedro Vaz Patto
217

Todo este clima não encoraja, certamente, as famílias que, “contra a corrente”, decidem acolher estas crianças e todas as pessoas que se esforçam pela plena integração social de quem tem trissomia 21.

Ambiente

Feiticeiros ou profetas: conservar ou modernizar?

Tomas Roquette Tenreiro

É o confronto de duas perspectivas - a optimista e a pessimista - sobre como salvar o nosso planeta. A visão de feiticeiros e profetas através da história de dois deles, Norman Borlaug e William Vogt.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)