Rádio Observador

Mário Soares

Uma passadeira e um testamento

Autor
130

Mário Soares resolveu escrever a sua "resposta ao povo". Seguro sai dali feito em nada. Mas desenganem-se os que pensam que este artigo sairá barato a Costa.

Mário Soares resolveu escrever a sua “resposta ao povo”. Convém ler o texto, convém seguir o episódio. Se a coisa prometia ser feia, agora só vão sobrar os escombros.

É claro que os escombros começam na liderança – Seguro sai dali feito em nada. Mas desenganem-se os que pensam que este artigo sairá barato a Costa. Na resposta ao povo, Soares estende-lhe a passadeira e passa-lhe o testamento.

Quer que ele dê a Portugal “uma alternativa de esquerda, coerente e credível”, daquelas que ele juntou na Aula Magna por duas vezes (aquela que Costa nunca quis juntar na Câmara de Lisboa, porque sabia que não era possível).

Exige-lhe “uma política corajosa que faça a rutura com a direita e as políticas de direita”.

Entrega-lhe “um partido de esquerda”, “de punho erguido à esquerda e dos socialistas que não têm medo de ser tratados por camaradas”.

Ou talvez não. Talvez Soares só queira mandar Seguro fora. Seguro, o da “fulanização”, diz Soares. O que “procura sempre evitar a expressão secretário-geral”, o que tem “um estilo nada identificado com o povo”. O tal do “partido de Seguro”, aquele “com quem o povo não pode contar”. No fundo, aquele que ousou não ir à Aula Magna.
Nesta resposta ao povo, Soares assina como fundador do PS. E trata Seguro como alguém que se apropriou do seu PS sem a sua autorização – e portanto sem legitimidade.
Para Seguro é uma valente lição: a unidade que selou há um ano com Costa (e que correu a campanha até ao dia do fim), acabou neste exemplo puro de camaradagem.
Para Costa é um belo aviso: se ganhar, terá que escolher um de dois: o Partido Soares ou o Partido dele próprio.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Observador

Até ao fim do mundo

David Dinis
2.917

É hoje, 6ª-feira, dia 29 de janeiro de 2016, que saio do Observador. É hoje que me despeço de si, com lágrimas a correr pela cara. São lágrimas, sim, de orgulho, de amor. Este é o meu até já.

Governo

A equipa de Costa: 7 sinais e incógnitas

David Dinis
113

Se é verdade que as equipas fazem os líderes, vale a pena reter alguns sinais sobre a lista (não oficial) dos ministros de Costa. Para ficarmos atentos ao que aí vem. Quem sabe a tempo de uns retoques

Governo

10 notas para memória futura

David Dinis
1.701

Prometi não escrever nada enquanto não visse o quadro todo. Passado mais de um mês, aqui estão 10 notas simples sobre o que acho disto tudo. Prometo ser breve (na próxima vez)

Panteão Nacional

O papelão nacional /premium

Alberto Gonçalves
906

Pensando melhor, é absurdo reservar o Panteão aos mortos. Se eu mandasse, bênção de que a nação não usufrui, o Panteão seria o destino imediato dos vivos que revelassem indícios de dimensão épica.

Legislação

Menos forma, mais soluções /premium

Helena Garrido

É aflitivo ver-nos criar leis e mais leis sem nos focarmos nas soluções. A doentia tendência em catalogar tudo como sendo de esquerda ou de direita tem agravado esta incapacidade de resolver problemas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)