Israel

Israel suspende programa de ajuda a Angola sem notificar o Governo angolano

435

O Governo angolano ainda não foi notificado por Israel sobre a suspensão do programa de ajuda ao país lusófono, numa represália da votação a favor das Nações Unidas a respeito dos colonatos.

PAULO NOVAIS/LUSA

O Governo angolano ainda não foi notificado por Israel sobre a suspensão do programa de ajuda ao país lusófono, em represália pela posição assumida pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU). Israel reduziu as suas relações com os países que votaram a favor da resolução da ONU contra a colonização dos territórios palestinianos ocupados, entre os quais Angola.

Em declarações esta quarta-feira à agência Lusa, o diretor para África, Médio Oriente e Organizações Regionais, Joaquim do Espírito Santo, lamentou a posição do Governo de Israel, mas manifestou disponibilidade do Governo angolano para continuar a dialogar sobre o assunto. Na terça-feira, Joaquim do Espírito Santo recebeu o embaixador de Israel em Luanda, Raphael Singer, que manifestou ao Governo angolano o desagrado pela posição assumida pelo Conselho de Segurança da ONU sobre o problema israelo-palestiniano.

Segundo Joaquim do Espírito Santo, Angola entende a posição de Israel, exemplificando que o Governo angolano teve a mesma reação aquando do golpe de estado na Guiné-Bissau. “Também suspendemos a nossa cooperação, é normal, mas nós só poderemos lamentar, não poderemos obrigar ou pedir favores“, frisou, exprimindo esperança que “isso não venha a acontecer”. “Vamos continuar a dialogar, para que consigamos de facto ultrapassar esta situação”, acrescentou.

Israel reduziu as suas relações com os países que votaram a favor da resolução das Nações Unidas contra a colonização dos territórios palestinianos ocupados. Refutando informações de que as relações com estes países foram suspensas, o porta-voz do ministério israelita dos Negócios Estrangeiros, Emmanuel Nahshon, declarou que Israel “reduziu temporariamente” visitas e trabalhados com as embaixadas.

Como represália, Israel já chamou os seus embaixadores na Nova Zelândia e no Senegal e anulou o seu programa de ajuda nos países da África ocidental. O executivo israelita também informou Angola do congelamento do seu programa de ajuda, segundo Nahshon. Relativamente a esta medida, o diplomata angolano frisou que Angola ainda não foi notificada.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Presidente Trump

As semelhanças entre Obama e Trump

João Marques de Almeida

A eleição de Trump foi a derrota das elites bem pensantes e do establishment dos media, que prefere escrever para os seus egos e os seus pares em vez de tentar entender o que se está a passar nos EUA.

Vladimir Putin

Síria: não há forma de lavar a hipocrisia 

José Milhazes

Lavrov apoiou a acção turca porque os ataques visam curdos e outras forças sírias apoiadas pelos EUA. Não é difícil imaginar o regozijo reinante no Kremlin face à luta entre parceiros da NATO na Síria

PSD

Rui Rio, o reformista?

Alexandre Homem Cristo

Rui Rio até pode perder em 2019, mas tentar ganhar passa por construir no PSD uma alternativa reformista e de futuro. Algo que à esquerda é incomportável, pois choca com as bases de apoio de PCP e BE.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site