Assédio Sexual

Desorientações com o Me Too

Autor
214

Quando pensarem o que torna possível os casos repetidos a resposta é o ambiente de atirar lama às mulheres que fazem denúncias, de lhes chamar cínicas e hipócritas. Outro nome para isto é cumplicidade

Eu ia escrever sobre Lula. Mas, em vez disso, e porque cronistas masculinos fizeram o favor de explicar como o movimento Me Too é uma das maiores calamidades da humanidade, vou ter de escrever sobre o exibicionista da Praça de Londres.

Confesso, nunca vi este exibicionista. Mas ele tinha fama entre as minhas relações, muitas residentes em Alvalade. Em boa verdade não sei se tinha poiso fixo na Praça de Londres, se se alargava até à Guerra Junqueiro ou à João XXI. É possível que eu apenas tenha fixado a Praça de Londres por uma amiga me ter contado que lá o viu.

Mas também não interessa, porque o que quero lembrar é que aquando da existência do exibicionista da Praça de Londres, este tipo de homens era execrado. Então (aí há vinte, vinte e cinco anos), considerava-se um homem mostrar o pénis a uma mulher, fora de um contexto relacional ou sexual que o justificasse, uma agressão e uma imposição inaceitável, apesar de não haver contacto físico. Tais homens eram vistos como desalmados ou casos psiquiátricos.

Pois bem, tanta fineza de espírito aparentemente hoje é inexistente. Lamenta-se em jornais e redes sociais a injustiça que é oferecer tanta censura social aos homens inocentes que se masturbam em frente às mulheres que deles dependem profissionalmente ou que violam aqui e ali. Pobrezinhos, que ficaram sem trabalho. Malditas mulheres, que não sabem ficar caladas perante estas tão edificantes e saudáveis interações entre os sexos. Quem é que as mulheres pensam que são para julgarem que têm direito e a liberdade de contar as suas histórias de vida? Quem as tornou assim tão excitáveis? Porque persistem em agitar a repugnância das pessoas decentes contra os crimes sexuais, em vez de continuarem a deixar estes assuntos para os sistemas judiciais, que tinham a boa prática de enxovalhar as vítimas? Desta forma, poucas se submetiam ao enxovalho e todos vivíamos sossegados.

Maldito puritanismo que quer impedir um homem de mostrar o seu glorioso órgão a parceiras e colegas de trabalho ou a forçar sexo oral. Onde é que o mundo vai acabar se continuamos a censurar socialmente comportamentos inocentes como este?

Deixem-me lá apresentar mais gente puritana (i.e., pessoas que levam a mal que lhes seja exigido sexo à força ou para facilitar a vida profissional). Tudo agora nos quarentas. Tudo gente que eu conheço (apenas uma delas só do facebook), cujas histórias já sabia, recapituladas e autorizadas em poucas horas.

Há a rapariga de 17 anos, a entrar em casa para ir buscar o comando da garagem depois de um cinema, que foi seguida por um homem desconhecido, negro, que a tentou obrigar a fazer-lhe sexo oral, com ameaças, violência e, claro, pénis à solta pelo meio. Há a miúda do segundo ciclo, ademais portadora de um apelido conhecido e politicamente influente (nem isso a protegeu), que teve a mão de um padre do colégio colocada por baixo da saia mas em cima do rabo.

Há o miúdo de oito anos, de uma família bem que vê como maior afronta se alguém lhes dá dois beijinhos, que foi abusado por um primo durante umas férias. (Não é só o sexo feminino, como de resto o Me Too mostrou, que sofre agressões sexuais). Há a miúda de sete anos, na zona de Coimbra, agora a viver nos Estados Unidos, ex-docente universitária, que foi tocada onde não devia, durante vários minutos, por um vizinho que a apanhou quando ia ter com a avó ao campo. Este vizinho com frequência se despia e mostrava às crianças que apanhava e tornou-se conhecido entre elas por isso, até chegar aos ouvidos dos adultos. Aí foi ameaçado e parou. Há a miúda de seis anos que foi a casa de uma vizinha amiga e o tio desta, com quem vivia, sentou-a ao colo e beijou-a na boca. Mais tarde contou o que se passara à amiga, que lhe confidenciou que o tio lhe fazia pior constantemente.

Há a professora da Universidade da Madeira, cujo presidente do departamento, num encontro à saída do ginásio, lhe perguntou onde iriam ambos a seguir e a informou que era muito bom a pôr sabonete nas costas. Outra vez, sozinhos no gabinete, disse que era muito bom a montar. Em ocasião semelhante, informou que estava a pensar em elefantes, com as suas trombas. Não havendo reciprocidade dela, a partir daí as cadeiras que lhe eram atribuídas mudaram constantemente e, quando pediu dispensa de serviço para fazer doutoramento, não foi dada, tendo o senhor do sabonete voto de qualidade; ao invés, atafulharam-lhe os horários com novas cadeiras para preparar. E fê-la saber que era o que acontecia quando se seguem as regras.

Não é uma lista exaustiva do que já me foi contado. Uma amiga disse-me que não queria reviver o caso de assédio. Houve quem claramente dissesse que preferia não ler nada sobre o que viveu. Sei que há casos que não conheço.

Mas vamos lá ignorar esta gente toda, mais as que publicamente têm acusado homens da indústria de cinema, dos media americanos e, até, um proprietário de restaurantes. Vamos fingir que as denúncias são de piropos ou tentativas de sedução – quando são de apalpões de chefes, exigências ou imposições sexuais para manutenção de emprego, abusos sexuais violentos e violações. Vamos delirar e supor que o que se passa numa relação laboral entre alguém com poder e uma subordinada é tão inconsequente quanto uma tentativa de engate numa discoteca (ou noutro lado).

Neguemos a realidade e proclamemos que as denúncias são só berrarias imaginárias – quando muitos dos denunciados já as reconheceram, outros aceitaram o despedimento calados e só uma pequeníssima parte nega e ameaça com processos judiciais. Chamemos mentirosas a todas as mulheres, porque para cada homem há várias contando casos, mostrando que os homens propensos a abusos e assédios se especializam, reincidem, fazem disso vida. Inventemos que as mulheres deram em achar que um apalpão tem a mesma gravidade que uma violação – aparentemente reclamar que as mulheres não têm de aturar na profissão chefes a enviar mensagens explícitas e mostrar o pénis é equivaler a uma violação. Dá-se como manifestação de bom senso uma carta de francesas que inclui mulheres que acham uma violação uma experiência eventualmente agradável e lamentam nunca terem sido violadas (leu bem).

Vamos criar o fantasma de que o mulherio trata todos os homens como agressores – quando as feministas mais retintas informam que apenas uma pequena percentagem de homens agride sexualmente. Liberais (atchim) amofinam perante o conceito de liberdade das mulheres de apenas participarem em interações sexuais por vontade própria, em vez de por violência ou coação.

O sem fim de mentiras sobre este tema não dá para descrever. O objetivo, contudo, é claro. Calar as denúncias de forma a manter a impunidade.

O médico da seleção de ginástica americana que foi agora condenado abusou de centenas de miúdas, tendo havido queixas desde 1997. Ninguém ligou – as mulheres mentem e querem atenção, não é? Foi nomeado por estes dias um procurador especial para averiguar tamanha negligência. Só depois do movimento Me Too (esse nojo) as ginastas mais conhecidas reconheceram também terem sido abusadas – o caso havia começado com poucas denúncias.

Em Espanha, o homem que violou e matou uma miúda de dezanove anos já tinha violado a cunhada. Esta queixou-se e ninguém lhe deu crédito.

Quando pensarem o que torna possível estes casos repetidos, saibam a resposta: é o ambiente de atirar lama às mulheres que fazem denúncias, de lhes chamar cínicas e hipócritas, que se tem visto nas redes sociais e nos jornais. Outro nome para isto é cumplicidade.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Censura

Je suis Waterhouse

Maria João Marques
170

Estamos a regressar a um tempo em que a nudez é pecaminosa e uma transgressão, cuja exibição deve ser punida? Já não vemos a arte como, entre outras, uma forma de prestar tributo à beleza humana?

Ranking Escolas 2017

E tirar a ideologia dos rankings?

Maria João Marques
152

É pena que entre tanto azedume ideológico se perca a real utilidade dos rankings: dar informação às famílias, já que transparência, escrutínio e ajuda à decisão das famílias são obrigações do Estado.

Feminismo

As mulheres do Presidente

Luis Carvalho Rodrigues

Para as feministas mulheres que aceitam a “objectificação" sofrem de “misoginia interiorizada” (uma versão do proletário alienado pelo capitalismo) e devem ser salvas. Se preciso contra a sua vontade 

Crónica

Quatro grandes questões do nosso tempo

Alberto Gonçalves
1.055

Não sei se o sr. Costa tem azar com as limitações de quem lhe escreve os discursos, ou se ele escolhe deliberadamente burgessos. Sei que exaltar a língua enquanto a torturamos com zelo tem a sua piada

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site