Orçamento do Estado

Do Estado social ao Estado eleitoral

Autor
896

O governo devolve salários ao funcionalismo, mas tira-lhe os meios para desempenhar o seu papel. O Estado social só interessa ao governo como uma bolsa de clientelas, e não como garante de serviços.

À espera do novo orçamento de Estado, por entre o aguaceiro de contra-informação governamental, o país ouviu anteontem o presidente da república pedir entendimentos. Entendimentos para muita coisa: saúde, educação, “reforma do Estado” e até a segurança social. Fica bem ao presidente da república tentar manter as aparências. Segundo os folhetos turísticos distribuídos em Bruxelas, Portugal tem hoje um governo e uma maioria estáveis, muito aplicados no cumprimento do Tratado Orçamental. Só alguns taxistas, que aliás não representam a “classe”, se portam menos bem. Mas devemos nós ficar-nos pelas aparências?

Reparem: não nego que a principal empresa de greves e de manifestações em Portugal, a CGTP, parece menos assídua. Reconheço que os partidos da maioria só fazem o ruído necessário para não se esquecerem deles. Admito que o governo deseja mesmo o défice negociado em Bruxelas. Sim, a estabilidade, por esse lado, não podia ser maior. Mas o noticiário tem um reverso: o crescimento económico cai, os impostos multiplicam-se, a dívida sobe, a dependência do BCE é maior. Graças ao dinheiro barato de Mario Draghi, ninguém sabe quanto tempo isto pode durar. Poder-se-á entretanto fazer alguma coisa?

Não se pode fazer nada. O abraço de António Costa ao PCP e ao BE teve este efeito: bloqueou o regime político, em mais de um sentido. Por um lado, porque da maioria formada por Costa, PCP e BE nunca poderá vir nada, a não ser dinheiro e regalias para as respectivas clientelas, já que em pouco mais os três parceiros se entendem (salvo na estranha ficção de tratar os Verdes como um partido verdadeiro). Por outro lado, a nova maioria rompeu a outra maioria que existiu em Portugal desde 1976: a maioria democrática e europeísta, a maioria do 25 de Novembro, a maioria das revisões constitucionais, e a maioria da adesão à CEE e à Moeda Única. Não era apenas a maioria que fundou o regime: era a maioria que lhe dava sentido, dinamismo, iniciativa, capacidade de se adaptar. Sem essa maioria, o regime está literalmente paralisado num concurso de demonização mútua. A antiga maioria democrática foi, por vezes, uma maioria de renovação e reforma; a nova maioria social-comunista será sempre uma maioria de esclerose e regressão.

Mas o governo trabalha no Orçamento, dir-me-ão. Sim, é verdade, o governo trabalha. Precisa de distribuir dinheiro, e depois, porque não pode alienar o financiamento do BCE, precisa de ir buscar dinheiro. Esta ginástica orçamental até poderá saciar os devidos clientes e dependentes, mas acabará por estrangular a economia, quer com a invencionice fiscal que temos admirado, quer com uma incerteza que fará cada vez mais investidores e trabalhadores hesitar ou desistir. Muita gente já o disse. Mas faltará dizer que não é só a economia que se degrada.

Tem sido comentado o efeito do corte de investimento e de “consumos intermédios” na qualidade dos serviços públicos. Creio, porém, que as suas consequências para o regime ainda não foram devidamente apreciadas. O governo devolve salários ao funcionalismo, mas tira-lhe, ao mesmo tempo, os meios para desempenhar o seu papel. Não poderia haver melhor sinal de que o Estado social só interessa ao governo e à maioria como uma bolsa de clientelas e de dependentes, e não como prestador ou garante de serviços à sociedade. Em Portugal, começamos a deixar de ter um Estado social para passar a ter um Estado fundamentalmente político-eleitoral: a prioridade é acomodar clientes; os benefícios para o resto da população são incidentais. Este vai ser o orçamento desse Estado. Pede-lhes o presidente que não pensem em eleições. Mas em que mais poderiam eles pensar?

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Incêndios

O governo da desistência nacional

Rui Ramos

Houve quem tivesse notado que nenhum outro presidente da república fora tão duro desde o general Eanes. Mas o ponto é que também nunca um chefe de governo foi tão frouxo na sua resposta ao presidente.

Incêndios

Estado de calamidade permanente

Rui Ramos
2.748

A demissão da ministra não é a solução de todos os problemas. Mas seria a solução de pelo menos um gigantesco problema: a falta de responsabilidade e de vergonha na governação. 

Orçamento do Estado

Tributação com sal q.b.

Susana Claro
120

Quando se atingem níveis de tributação em que os impostos indiretos são responsáveis por metade do preço de venda dos produtos, há que indagar se não estará na altura de decidir que Estado queremos.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site