Eleições na Alemanha

Tenham medo, tenham muito medo

Autor
100

Muitos eleitores do AfD votaram por medo: da invasão dos refugiados; do crescimento das comunidades islâmicas; da diluição da identidade alemã; ou, simplesmente, medo de existir.

Entendamo-nos de uma vez por todas: ou aquilo a que chamamos extrema-direita não é verdadeiramente extrema-direita, e nesse caso vai por aí uma histeria escusada, ou é-o, e então devemos ter medo, muito medo.

Importa definir o termo “extrema-direita” antes de o usar para qualificar um movimento, um partido ou uma ideia. O mesmo se passa com outros conceitos, que se assume tacitamente serem conhecidos e partilhados por todos (todos neste caso significa mesmo isso). Ora não é assim. A assunção tácita de que o partido de Marine Le Pen, por exemplo, é de extrema-direita e de que todos sabem o que isso significa, pode ser apenas um modismo, uma simplificação ou até, e muitas vezes o será, uma posição ideológica ou política. Na verdade, poucos sabem exactamente o que significa ser de extrema-direita – e se a Frente Nacional o é.

Só definindo o termo poderemos com convicção afirmar, ou infirmar, que a Frente Nacional e o Alternativa para a Alemanha (AfD), muito mais recente, são partidos de extrema-direita. Não vou aqui tratar de populismo, que pode ser de direita ou esquerda radicais, mas de tentar perceber do que falamos quando falamos de extrema-direita e se os partidos assim designados o são, de facto. E antes da análise, permitam-me os leitores expressar uma convicção pessoal e profissionalmente fundada, que não posso (não quero?) calar:

A espécie de vitória do AfD na Alemanha, confirmando-se a sua natureza xenófoba, anti-europeia e anti-globalização, assente numa ideologia de extrema-direita (já veremos se o é), representa um dos factos políticos mais assustadores e ameaçadores – para a nossa cultura e civilização ocidental e em particular europeia – desde o final da segunda guerra mundial.

Vejamos então do que falamos quando falamos de extrema-direita.

Em primeiro lugar, a extrema-direita radical que, no século XX, atingiu o seu apogeu com os regimes fascista italiano e nazi alemão, pouco tem a ver com os partidos modernos acusados de serem “extrema-direita”; até porque, aspecto crucial, quem apoia esses partidos não se reconhece no rótulo. Marine Le Pen afirmou na televisão francesa em 2013 que “é uma injúria” dizer que a Frente Nacional é de extrema-direita. E caracterizou os partidos europeus “que crescem” e com os quais a FN sente afinidades, como defensores “da nação” e “da soberania”, opostos à União Europeia e ao euro; acrescente-se, atendendo ao programa defendido pela generalidade desses partidos – incluindo a FN e o AfD -, uma política anti-imigração e anti-islão.

Num livro publicado já em 2017, Far-Right Politics in Europe, lê-se que todos esses partidos, distintos embora em muitos aspectos, partilham uma missão comum: “Salvar as respectivas pátrias daquilo que consideram os efeitos corrosivos do multiculturalismo e da globalização, criando uma sociedade fechada e etnicamente homogénea”. Serão pois de extrema-direita os partidos do nacionalismo excludente, contra a imigração e a livre circulação de pessoas, defensores de um proteccionismo económico estrito e da rejeição do multilateralismo.

O AfD, que muitos consideram de extrema-direita, tornou-se o terceiro partido mais representado no Parlamento Alemão, o Bundestag. Fundado por académicos, começou por ser anti-euro, mas nos últimos anos assumiu como ideário político central a oposição à política de portas abertas aos refugiados de Merkel (já largamente revertida). E se alguns dos seus líderes, como Alice Weidel ou Frauke Petry (que entretanto abandonou o partido), representam uma espécie de extrema-direita moderada (?), outros, como o co-líder Alexander Gauland, usam uma linguagem forte e xenófoba; a título de exemplo, face à imagem de uma criança refugiada afogada, Gauland comentou que “não podemos ser chantageados pelos olhos das crianças” e num comício disse que a ministra alemã da integração Aydan Özoguz, de origem turca mas nascida em Hamburgo, devia ser abandonada na Anatólia (“disposed of in Anatolia”).

O partido quer o fecho das fronteiras europeias e, disse Weidel, saldo negativo na imigração para o país. Defende a família nuclear tradicional e é contra os modos de vida alternativos. À semelhança de Trump e Farage, seu assumido apoiante, o AfD critica os meios de comunicação tradicionais. E contudo, a sua plataforma oficial defende a democracia directa e a supremacia da lei e da ordem, não estando sob vigilância do Departamento para a Protecção da Constituição, que proíbe partidos que ajam agressivamente contra a ordem democrática. O debate continua em aberto: é ou não o AfD um partido de extrema-direita, xenófobo e racista?

Os observadores consideram que muitos eleitores do AfD votaram por medo: da invasão dos refugiados; do crescimento das comunidades islâmicas; da diluição da identidade alemã; ou, simplesmente, medo de existir, ansiedade existencial exacerbada pelos acontecimentos do século XX — uma “angst” (ansiedade) germânica em relação a tudo (muito Heidegger). Para os cientistas políticos, este resultado espelha a rejeição da grande coligação CDU/CUS com o SPD (às vezes com os liberais), como Martin Schulz parece ter percebido (também pode ser uma estratégia de sobrevivência política). O papel do medo na escolha de um partido que pode ou não ser de extrema-direita (ainda não decidimos, não é?), não deve ser desvalorizado.

O medo tem sido o cavalo de Tróia dos radicais na Europa. Ao contrário dos antecessores na Alemanha nazi, na Itália fascista e nos outros regimes análogos da Europa do recente passado, eles não querem conquistar o poder pela força armada de camisas cinzentas ou negras, mas através de processos eleitorais legítimos. Parecem estar a consegui-lo.

Optei por não tirar conclusões, neste artigo, sobre se o AfD é ou não um partido de extrema-direita, contrariamente a partidos doutros países europeus como a França, a Holanda ou a Áustria, manifestamente da direita radical, ou até dos auto-proclamados regimes iliberais de alguns países de leste. Na verdade, o partido é demasiado recente, as contradições internas demasiado evidentes e o peso do passado, 80 anos volvidos, demasiado presente. Mas os próximos anos, com foco no areópago de Berlim, decidirão sobre a sua natureza.

Se se confirmar mais uma etapa na ascensão de partidos radicais de extrema-direita na Europa, xenófobos, racistas, defensores da homogeneidade étnica e da singularidade nacional, anti-multilateralistas e anti-integração europeia, então teremos razão para ter medo.

Para ter muito medo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Sociedade

Um raríssimo Portugal

Paulo de Almeida Sande
492

Somos o povo acomodado, que exprime a angústia latente da bondade resignada, convencido de estar destinado à subalternidade, um povo submisso, que emula o estrangeiro e desdenha o nacional. 

Eurogrupo

Os três chapéus de Mário Centeno

Paulo de Almeida Sande
140

São inquestionáveis as qualidades de um povo tão abundante na gestação de competências acima da média, porque só pessoas acima da média podem aspirar a ser presidentes de organizações internacionais.

Morte

O homem perante a morte

Paulo de Almeida Sande
202

Mas tremo, perplexo perante uma sociedade que vive cada vez mais depressa a esconder de si própria a única realidade indiscutível. Não, meus amigos, nenhum de nós viverá eternamente.

António Costa

Pelos caminhos de Portugal

Paulo Tunhas

António Costa acha que “este ano foi particularmente saboroso para Portugal”. Houve, é verdade, os mortos dos fogos, houve Tancos, houve o caso da Raríssimas. Mas que importa isso?

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site