Conflito Israelo-palestiniano

Papa apela ao fim de “situação inaceitável” e reconhece direito de existência a dois estados

Francisco seguirá ao início da tarde para Jerusalém, onde terá um encontro com líderes ortodoxos.

Papa Francisco chegou na manhã de domingo a Belém, Cisjordânia

MOHAMAD TOROKMAN / POOL/EPA

O Papa Francisco chegou ao início da manhã a Belém (Cisjordânia), segunda etapa da sua visita à Terra Santa, onde celebrará, ao final da manhã, uma missa para uma multidão.

De acordo com o Le Monde, Francisco – em reunião com o Presidente da Autoridade Palestiniana, Mahmud Abbas – terá pedido a israelitas e palestinos que escolham “um êxodo feliz até à paz” e que tenham “a coragem da paz”. “Está na hora de pôr fim a uma situação que se tornou cada vez mais inaceitável – para o bem de todos”, disse o Papa, que reconheceu o “direito dos dois estados a existirem e a desfrutar da paz e segurança dentro das fronteiras internacionalmente reconhecidas.”

O helicóptero militar jordano que transportou o pontífice de Amã aterrou às 9h30 locais (6h30 em Lisboa) perto do campo de refugiados palestinianos de Dheisheh, de onde Francisco seguiu para a sede da presidência para se reunir com Mahmud Abbas.

O Papa dirige-se neste momento para a praça da Manjedoura, onde celebrará a maior missa da visita à Terra Santa, para cerca de 9 mil pessoas. No caminho, Francisco quebrou o protocolo e, junto ao muro que separa Israel da Palestina, pediu para descer do Papamobile, como relata a enviada especial do Le Monde à Terra Santa.

Francisco vai também rezar em privado na gruta da Natividade e fazer uma refeição com famílias pobres, com a ‘agenda’ a compreender ainda uma etapa no campo de refugiados palestinianos de Dheisheh.

À tarde inicia a visita a Jerusalém, onde se vai encontrar com os patriarcas católicos e ortodoxos na basílica do Santo Sepulcro, onde está, de acordo com a tradição, o túmulo de Cristo, para uma oração comum, sem precedentes.

No último dia, deslocar-se-á à Esplanada das Mesquitas, Cúpula do Rochedo (Grande Mesquita de Jerusalém) e ao Grande Conselho dos Muçulmanos, ao Muro das Lamentações, onde deixará uma mensagem e no cemitério do monte Herzl (do nome do fundador do sionismo Theodor Herzl) uma coroa de flores – uma estreia para um papa.

Uma missa no Cenáculo, local da Última Ceia de Cristo, vai concluir a viagem, num local onde se encontra também o túmulo do rei David.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)