Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O líder do PS emitiu um curto comunicado logo após a reunião com António Costa – que demorou mais de uma hora -, para dizer que “recebeu” António Costa “a pedido do próprio” e que “registou a posição do dr. António Costa”, de solicitar a realização de um congresso extraordinário do PS.

Seguro regista também que a posição de Costa “já é do conhecimento público”, acrescentando que foi pedido ao secretário-geral que “pondere a iniciativa de o convocar”. No comunicado, Seguro nada diz sobre o se ainda o pretende fazer – sendo certo que vários membros da sua direção têm vindo a público dizer que terá de ser Costa a recolher os apoios para o convocar, conforme dizem os estatutos do PS.

Enquanto decorria a reunião, Álvaro Beleza, um dos elementos mais próximos de Seguro, disse à RTP Informação que a atitude de António Costa foi precipitada. “A atitude [de António Costa] não foi muito inteligente e houve alguma precipitação na mesma”.

Para o membro do secretariado nacional do PS, Costa “quis aproveitar-se do mediatismo” que hoje em dia vigora na sociedade. Questionado sobre os cenários que podem vir a ser traçados, Álvaro Beleza foi claro: “Não sei o que vai acontecer agora”. Mas uma coisa é certa: para o dirigente socialista, António José Seguro “não vacilará nem desistirá das ideias que tem para o país”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR