Distúrbios à frente de um bar em Beja. Foi este o alerta lançado esta madrugada à PSP local, que enviou de imediato uma patrulha para ver o que se passava. Registo feito: uma brasileira de 30 anos teria sido agredida pelo segurança do bar “La Taska” e precisava de ser assistida no hospital. O agente da PSP recolheu os dados e regressou à base. Mas quando introduziu o nome da vítima no computador, percebeu que esta era alvo de um mandato de busca internacional. “Voltou ao hospital e deteve a mulher”, disse fonte policial ao Observador.

De acordo com a mesma fonte, Gélica – que completará 31 anos em outubro – era procurada pelas autoridades espanholas por agressão a polícias. Desconhece-se quando e quais os contornos do caso. “Os mandatos só têm informação da entidade que procura e o crime em causa”. Gélica estava, porém, estabelecida em Beja. “Tinha residência por cá”, disse a fonte.

“Quando os queixosos são estrangeiros, é frequente introduzirmos o nome deles no sistema para saber se há alguma coisa pendente”, explica.

E havia. Assim que o agente da PSP percebeu que estava perante uma suspeita procurada internacionalmente, correu ao hospital e deteve-a. Depois de assistida, Gélica foi levada para os calabouços da PSP de Beja e será presente ao tribunal da Relação de Évora esta segunda-feira. Deverá ser entregue às autoridades espanholas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ainda assim, o segurança do bar foi alvo de queixa por parte da mulher. “Como é um crime semi-público e não houve flagrante delito, a vítima [que também é, alegadamente, agressora] apresentou queixa”, disse a fonte. O caso vai ser investigado.