Rádio Observador

Perfil

Morreu Chevardnadze, o embaixador da Perestroika

Na União Soviética, ganhou fama pelas suas reformas e pela luta contra a corrupção. Como presidente da Geórgia, foi acusado de ser anti-democrático, acabando por se demitir depois da Revolução Rosa.

Nos anos 70, Chevardnadze perseguiu membros do Partido Comunista suspeitos de corrupção e obrigou-os a devolver os seus carros e mansões de luxo

Cover/Getty Images

Autor
  • Catarina Fernandes Martins

Durante os anos 70, Chevardnadze perseguiu a corrupção no seio do Partido Comunista e impulsionou reformas para a abertura dos mercados. Há quem sugira que se deve a Chevardnadze a política de abertura que viria a marcar os últimos anos da União Soviética.

Chevardnadze que se via como alguém que havia ajudado a “pôr um fim à Guerra Fria, a libertar a Europa, a reunificar a Alemanha e a democratizar o antigo espaço soviético”, morreu esta segunda-feira com 86 anos, vítima de doença prolongada.

Eduard Chevardnadze nasceu a 25 de janeiro de 1928 na República Socialista Federativa Soviética Transcaucasiana, que incluía os territórios da Arménia, do Azerbaijão e da Geórgia. Filho de um professor comunista, Chevardnadze tornou-se, aos 18 anos, um Komsomol (Liga da Juventude Comunista) e rapidamente ascendeu ao cargo de secretário da Liga da Juventude Comunista da Geórgia e de chefe da polícia, acabando por ser nomeado ministro do Interior na república georgiana.

Foi à frente das forças da autoridade que ganhou a fama de lutar contra a corrupção, principalmente no seio do Partido Comunista. Como lembra a BBC e a AP, Chevardnadze obrigou muitos oficiais georgianos a despojar-se dos carros de luxo, de mansões e de outras propriedades.

Durante a década de 70, Chevardnadze lutou contra a burocracia e introduziu reformas de mercado-livre tão amplas que levaram alguns a sugerir, como escreve esta segunda-feira a cadeia britânica, que a glasnost foi introduzida pelo futuro presidente da Geórgia e não por Gorbachev nos anos 80.

A atuação de Chevardnadze terá captado a atenção de Moscovo e em 1972 foi escolhido para liderar o Partido Comunista da Geórgia. Segundo a AP, durante essa época, a República georgiana tornou-se uma das mais progressistas na esfera cultural, tendo sido produzida uma grande quantidade de filmes que quebraram tabus, bem como peças de teatro.

Em 1985, Mikhail Gorbachev nomeou-o ministro dos Negócios Estrangeiros da União Soviética. Chevardnadze, que sucedeu a Andrey Gromyko, passou os cinco anos seguintes a dirigir as transformações na política externa da URSS. Foi um dos aliados mais próximos de Gorbachev, cabendo-lhe a responsabilidade de negociar os acordos de dearmamento com os EUA e de retirar as tropas soviéticas do Afeganistão em 1988.

Um dos grandes embaixadores da glasnost e da perestroika, Chevardnadze teve um papel importante na queda do comunismo nos países da Europa central e de leste ao ter tomado a decisão de acabar a presença militar soviética nessas regiões. Foi ele que em 1990 negociou a reunificação da Alemanha.

O seu papel reformista e as suas ideias liberais trouxeram-lhe muitos inimigos dentro da linha mais conservadora do PCURSS, escreve a BBC. Em 1990, como protesto contra a influência crescente dessa mesma ala, Chevardnadze demitiu-se. Quando, em agosto do ano seguinte, os tanques entram em Moscovo numa tentativa de golpe levada a cabo pela linha dura do Partido Comunista, Chevardnadze juntou-se ao presidente russo Boris Yeltsin na oposição e resistência aos golpistas.

Voltou a ocupar a pasta dos Negócios Estrangeiros de uma União que se dissolvia rapidamente e cujo fim chegou em dezembro desse ano.

Quando regressou à Geórgia, depois de o primeiro Presidente eleito, Zviad Gamsakhurdia, ter sido deposto num golpe em 1992, Chevardnadze encontrou um país mergulhado no caos, onde faltava comida, gás e electricidade, e dilacerado por uma guerra civil. Ocupou o lugar de presidente do Conselho de Estado e lutou contra o crime organizado, tentando também travar a violência nas províncias separatistas da Ossétia do sul e da Abecásia.

Depois de Gamsakhurdia ter morrido em circunstâncias misteriosas, Chevardnadze foi eleito presidente em 1995, pouco tempo depois de ter sobrevivido à primeira de duas tentativas de homicídio. A AP escreve que muitos analistas terão sugerido que os ataques à sua vida travaram os impulsos reformistas de Chevardnadze e tornaram-no obcecado com a manutenção do poder. Por várias vezes foi acusado de corrupção.

Os EUA aproximaram-se de Chevardnadze e o Governo norte-americano tentou manter o país na sua órbita, oferecendo aos georgianos milhões de dólares em apoio financeiro. Chevardnadze desejou que a Geórgia se juntasse à NATO, chegando a dizer que um dia o país “bateria à porta” da aliança atlântica.

Em 2000, quando foi reeleito, houve suspeitas de fraude eleitoral, o que voltou a acontecer três anos depois, durante as eleições legislativas, que deram a vitória aos partidos que apoiavam o Presidente.

Depois de uma vaga de protestos que demorou três semanas e ficou conhecida como a Revolução Rosa, os manifestantes invadiram o Parlamento georgiano e tiraram Chevardnadze do edifício. Mais tarde, acabaria por demitir-se. “Penso que a minha demissão era a única forma de evitar um banho de sangue”, disse, citado pela BBC.

 

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)