Horas depois de se terem tornado públicas imagens onde se vêm centenas de soldados sírios a serem executados, após a captura da base aérea de Taqba, no norte da Síria, os jihadistas do Estado Islâmico (ISIS) emitiram um segundo aviso em jeito de terror aos Estados Unidos: um vídeo, acompanhado pela hashtag #2ndAmessagetoAmerica (segunda mensagem para a América), onde se pode ver a decapitação de um soldado curdo, que fazia parte de um grupo de 15 soldados capturado pelos membros do ISIS durante os confrontos no Iraque, escreve o Daily Mail.

Neste vídeo, cuja autenticidade ainda não foi verificada, os radicais islâmicos deixam claro que vão continuar a decapitar prisioneiros caso Barack Obama continue a apoiar a luta dos curdos contra o Estado Islâmico, uma luta que remonta a junho e que já conta com o apoio de diversas potências ocidentais, como os Estados Unidos e o Reino Unido, em termos de financiamento de armas. São mostradas imagens dos soldados, todos vestidos com um uniforme cor de laranja, semelhante aos que os prisioneiros utilizam na prisão de Guantánamo, que confirmam que fazem parte da Pershmerga, a força militar curda. Em curdo, um dos soldados lê um comunicado previamente preparado, onde os líderes curdos são amplamente criticados. “Vocês cometeram um erro enorme ao dar as mãos à América”.

De seguida, é mostrada a imagem de um dos prisioneiros, ajoelhado, à frente de três homens completamente vestidos de preto. Ao fundo, consegue-se ver a Mesquita de Mossul onde, em julho passado, Abu Bakr al-Baghdali, o misterioso líder do ISIS fez a sua primeira aparição pública, declarando-se chefe do califado criado nos territórios sírios e iraquianos controlados pelos jihadistas e exigindo que todos os muçulmanos lhe obedeçam. Em árabe, um dos homens começa o discurso contra os Estados Unidos.

“Em nome de Deus, que a paz esteja com ele. Tenho duas mensagens: a primeira é para o idiota Obama. Como é que voltaste a enviar a tua nação e os teus soldados para o Iraque?

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

E prossegue: “Esqueceste-te das centenas de americanos que tu ofereceste como um sacrifício para a guerra? Esqueceste-te das centenas de imagens dos cadáveres, dos que ficaram deformados e daqueles que ainda sofrem? A economia americana já recuperou da crise para poder entrar numa nova? Mas a segunda mensagem é para o servo dos judeus, Massoud [Barzani, atual presidente da região do Curdistão iraquiano]. Este é o destino de um dos militares, e será o de outros, que enviares, a não ser que termines o teu trabalho com os judeus e a tua aliança com os cruzados”.

Depois do discurso, o soldado é executado (este link contém imagens e vídeos que podem ferir suscetibilidades). À semelhança do vídeo da execução de James Foley, o jornalista norte-americano que estava desaparecido desde 2012, não é possível ver a decapitação na íntegra, apenas uma imagem breve. O vídeo termina com uma parada de membros do Estado Islâmico, onde se podem ver bandeiras e armas a serem agitadas no ar.

Esta quinta-feira foram divulgadas mais imagens chocantes onde se podem ver dezenas de soldados sírios a serem executados pelo Estado Islâmico. “Dezenas de soldados sírios que foram capturados na altura em que fugiam para Esraya, na província de Hama, após a tomada da base aérea de Tabqa, foram executados entre a noite de quarta-feira e quinta-feira”, disse à France Press Abdel Rahmane, diretor do Observatório Sírio para os Direitos Humanos. Uma vez mais, o vídeo contém imagens que podem impressionar os leitores mais sensíveis.

https://www.youtube.com/watch?v=Pd1Rms4VOnU#t=22

Ainda não é possível confirmar de forma independente o número de homens que foram assassinados. Os jihadistas reivindicam que 250 soldados foram executados. De acordo com o Observatório, encontravam-se 1.400 soldados na base de Taqba quando esta foi conquistada domingo pelo Estado Islâmico.