Uma campanha que o Turismo de Portugal lança hoje para promover a gastronomia portuguesa em Londres terá envolvido vários chefes internacionais que somam atualmente dezassete estrelas Michelin.

O programa inclui desde provas de vinhos acompanhadas por degustação de comida e aulas de cozinha a caçadas e pescarias nos arredores de Londres e um safari de comida de rua na capital britânica.

Dieter Koschina e Hans Neuner, José Avillez, Miguel Laffan, Ricardo Costa, Vítor Matos, Benoit Sinthon e Vincent Farges são alguns dos cozinheiros que viajam de Portugal para falar da sua experiência em trabalhar com produtos e técnicas nacionais.

Brett Graham, Angela Hartnett, Nigel Haworth, Eric Chavot, Agnar Sverrison, Nuno Mendes e Heinz Beck serão anfitriões ou cúmplices nos eventos que se realizam no Reino Unido.

O presidente do Turismo de Portugal, João Cotrim de Figueiredo, vê nesta série de ações uma oportunidade para “aumentar visibilidade e notoriedade” num mercado que já é o principal emissor de turistas estrangeiros.

“A escolha de Londres prende-se com o facto de ser uma cidade com abertura à novidade em termos gastronómicos e ao impacto que pode ter pela importância que tem a nível europeu”, disse à agência Lusa.

As apresentações de vinhos serão feitas por escanções como Arnaud Vallet (Vila Joya), Xavier Roussett (Texture) ou João Pires (Dinner by Heston Blumenthal), todos responsáveis em restaurantes premiados.

Além da participação de chefes já reconhecidos, Cotrim de Figueiredo realça a necessidade de dar a conhecer alguns dos novos valores da cozinha portuguesa, como Vasco Mello, Rui Paula, Henrique Sá Pessoa ou Vasco Lello.

“Com produtos portugueses e inspirando-se na tradição da cozinha tradicional portuguesa e fazendo-a evoluir, têm conseguido convencer os mais exigentes críticos de gastronomia por essa Europa fora”, vincou.

A campanha será lançada no restaurante Notting Hill Kitchen, que o português Luis Baena abriu em Londres no ano passado, mas conta com etapas noutros estabelecimentos como The Ledbury, Murano, Brasserie Chavot e a escola de cozinha Cordon Bleu.

Insere-se no programa “Prove Portugal”, que desde 2010 tem promovido viagens de jornalistas estrangeiros a Portugal, ações em feiras internacionais e a edição de um guia gastronómico, e terá um custo total de 620 mil euros.