Mundo

Tem 99 anos mas nada a impede de fazer “Pequenos Vestidos Para África”

307

Lilian Weber tem 99 anos, cose um vestido por dia que envia para meninas desfavorecidas em África. Já tem seguidoras que alargaram a boa ação a mais países.

Lilian começa e acaba um vestido novo todos os dias

Getty Images

Vive no Iowa, tem 99 anos e na sala de casa costura, faz o que sempre fez: vestidos para se manter ativa. Não, não é só para isso. Lillian Weber transforma fronhas de almofadas em vestidos que envia para África – ao ritmo de um por dia – para que crianças tenham alguma coisa para usar.

Só nos últimos anos foram 840 ‘Pequenos Vestidos para África‘. É assim que se chama a organização não lucrativa inspirada no sonho que esta mulher tem de fazer as meninas sentirem-se “valiosas”. 2015 será o ano dos zeros, dois zeros em 100, a idade que Lilian completará e três zeros em 1.000, o número de vestidos que Lilian já quer ter enviado para os orfanatos, igrejas e escolas africanas. “É o que eu gosto de fazer”, conta ao Huffington Post.

Lilian começa e acaba um vestido novo todos os dias, que vai dispondo em cruzetas. Todos têm um pormenor diferente, algo que os torne especiais. A filha contou ao mesmo jornal: ” Ela [Lilian] personaliza-os todos. Como se já não chegasse fazer os vestidos, ainda lhes põe uma qualquer coisa à frente para os fazer especiais, para lhes dar o seu toque.”

https://m.youtube.com/watch?v=A6GK-1yAhA0

‘Little Dresses for Africa’ existe enquanto organização desde 2011 e é constituída por várias senhoras com uma média de idades de 80 anos que decidiram ajudar a colega mais velha. Judy Noel é uma delas e conta como se juntou ao grupo. “Eu estava a ver um documentário sobre organizações não lucrativas e achei que era uma ótima ideia juntar algumas pessoas para ajudar gente que vive tão longe.”

A organização tem sido um sucesso já contam com 2,5 milhões de vestidos distribuídos em 47 países africanos começaram também a alargar as ações ao Haiti, Honduras, Tailândia, México e até algumas zonas dos Estados Unidos. E como se costuma dizer: velhos são os trapos. Weber é o exemplo disso e diz não querer desistir depois de maio, data em que completa 100 anos: “Quando chegar aos mil vestidos, se for capaz, não vou desistir. Faço tudo outra vez.” Mas fica com um sonho: ver a reação de uma menina a receber o seu vestido.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Religião

O Dia Mundial da Religião

Donizete Rodrigues
172

O Dia Mundial da Religião é um momento ecuménico para promover a convivência, o interconhecimento e o diálogo inter-religioso, buscando um futuro livre de preconceito, discriminação e intolerância.

Mundo

Os novos bárbaros - uma cultura de destruição 

Paulo Rodrigues Ferreira

Que desejam estes novos bárbaros? Espalhar rancor, ressentimento, divulgar mentiras. Que todos sofram o mesmo que eles sofrem. Combater a globalização ou o cosmopolitismo, a que chamam "globalismo".

Índia

Populismos e finais felizes /premium

Diana Soller

Numa época em que os populismos têm uma presença cada vez mais forte nas democracias ocidentais, vale a pena revisitar o passado e outras geografias. Queremos o mesmo para nós?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)