Rádio Observador

Christine Lagarde

Líder do FMI diz que plano Juncker é um “passo adequado” na direção certa

A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional considera que o 'plano Juncker' de investimentos na zona euro é positivo, mas que só pode ser valorizado face à sua eficácia.

A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional é Christine Lagarde

STEPHEN JAFFE / HANDOUT/EPA

A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, considerou este sábado que o ‘plano Juncker’ de investimentos na zona euro é positivo, mas que só pode ser valorizado face à sua eficácia.

“É um passo adequado na direção adequada. Mas apenas pode ser julgado em função da sua aplicação e eficácia. O investimento em infraestruturas por si só não vai mudar a história”, afirmou a responsável numa entrevista concedida à agência de notícias espanhola EFE à margem de uma conferência internacional que decorre em Santiago do Chile.

Segundo Lagarde, o que o FMI tem vindo sempre a defender no que toca ao investimento e financiamento de infraestruturas, é que “têm de ser eficientes e aplicados onde seja necessário”.

A líder do FMI deixou elogios ao facto deste plano do novo presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, que sucedeu a Durão Barroso no cargo no início de novembro, envolver o setor público e o privado.

Sobre a zona euro, Lagarde reconheceu “sinais de melhoria”, mas vincou que, na sua opinião, “é claro que a recuperação do crescimento na área do euro é limitada”.

As últimas previsões do FMI para a zona euro apontam para um crescimento de 0,8% este ano e de 1,3% para 2015.

“Alegramo-nos em ver as autoridades europeias centradas no crescimento, e que surgem iniciativas que sejam de natureza pan-europeia”, salientou a responsável.

Paralelamente, Lagarde reiterou ser importante que “se reconheça que a política monetária não pode impulsionar, por si só, a recuperação, e são necessárias reformas estruturais sensatas adaptadas a cada país”.

Lagarde termina hoje uma ronda ao continente sul-americano, durante a qual visitou o Perú e o Chile, tendo aproveitado para manter encontros com as autoridades daqueles países, num momento de desaceleração económica da região.

O plano de investimentos apresentado no final de novembro por Juncker tem como suporte um novo fundo de investimento – designado Fundo Europeu de Investimento Estratégico, que deverá estar operacional até junho – dotado de 21 mil milhões de euros.

Deste montante, 16 mil milhões de euros são oriundos de garantias do orçamento da União Europeia (a partir dos programas já existentes ‘Interligar Europa’ e ‘Horizonte 2020’, gerido pelo comissário Carlos Moedas) e 5 mil milhões de euros de dinheiro do Banco Europeu de Investimento (BEI).

A partir daqui, a Comissão acredita que serão atraídos investidores privados para cofinanciarem os projetos, pelo que por cada euro de dinheiro de garantia pública estima que serão mobilizados 15 euros, mobilizando no total 315 mil milhões de euros entre fundos públicos e, sobretudo, privados.

A Comissão vai abrir o capital do fundo a eventuais interessados, como os Estados-membros ou fundos de investimento internacionais, como fundos soberanos ou ‘hedge funds’.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)