O lucro da José de Mello Saúde atingiu 12,6 milhões de euros no primeiro semestre de 2015, uma queda de 10% face aos lucros de 14 milhões obtido em igual período do ano passado, anunciou o grupo.

Em comunicado publicado na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o grupo liderado por Salvador de Mello destaca, no entanto, que não fossem efeitos não recorrentes, o lucro tinha aumentado 14,4% uma vez que o luro do primeiro semestre de 2014 comparável seria de 11 milhões de euros e não os 14 milhões.

“Foi considerada como não recorrente a anulação de uma provisão no valor de 2,97 milhões de euros constituída em 2013 (que faz a diferença entre os 14 milhões e os 11 milhões) relativa a um processo de divergência fiscal com a administração tributária, que foi ganho pela José de Mello Saúde”, esclareceu à Lusa fonte oficial da empresa, adiantando que, “com esta decisão judicial, a provisão voltou a ser integrada nos Resultados Líquidos, em 2014. Não considerando o valor dessa provisão, o cálculo deve ser feito a partir dos 11 milhões de euros para os 12,6 milhões de euros de 2015”, ou seja, um crescimento de 14,4%.

Até junho, a José de Mello Saúde registou um total de rendimentos operacionais de 277,2 milhões de euros, um crescimento de 8,9% quando comparado com o igual período do ano anterior, sobretudo motivado pelo aumento da atividade nos hospitais privados (12,9%).

Também a atividade no segmento de cuidados de saúde público deu um contributo positivo, ainda que mais tímido (4%).

Nos primeiros seis meses, o EBITDA (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) atingiu os 36,1 milhões de euros, valor superior em 15,9% ao registado no primeiro semestre do ano passado.

Já a dívida líquida consolidada registou um aumento de 12,3 milhões de euros face ao final de dezembro de 2014, o que é justificado pela diminuição do saldo de caixa, por via do investimento de expansão (aquisição de terrenos no Parque das Nações, para a expansão do Hospital CUF Descobertas e em Alcântara, para a construção de um novo Hospital) e cumprimento do serviço de dívida.

Ainda assim, o rácio dívida líquida/EBITDA melhorou para 1,6x contra os 1,8x registados no final de 2014.

Em maio passado, a José de Mello Saúde emitiu um novo empréstimo obrigacionista, no montante de 50 milhões de euros, pelo prazo de seis anos, a uma taxa de juro indexada à Euribor a 6 meses acrescida de 2,95%.

O presidente do conselho de administração, Salvador de Mello, destaca em comunicado que “os resultados confirmam a afirmação da José de Mello Saúde como um operador fundamental para o desenvolvimento do sector privado e do sistema de saúde do país”.

“Estes resultados reforçam o nosso projeto de crescimento e expansão geográfica em Portugal, de que são exemplo a construção de um novo Hospital em Alcântara – um investimento de 100 milhões de euros que dotará a cidade de Lisboa da mais moderna unidade hospitalar do país – as obras de ampliação do Hospital CUF Descobertas e a abertura do Hospital CUF Viseu, em 2016”, conclui Salvador de Mello.