O braço armado da Al-Qaeda no Iémen deu instruções aos seus militantes para organizarem novos ataques isolados, como os que têm espalhado o terror no Ocidente. O alvo? O coração dos Estados Unidos da América.

De acordo com a CNN, uma carta que se acredita ter sido assinada pelo próprio Ibrahim al-Asiri, fabricante de bombas e um dos homens mais procurados pelos norte-americanos, incentiva todos os terroristas a “atacarem a América na sua própria casa e mais além”.

Apesar de subsistirem algumas dúvidas em relação à autoria da carta, um especialista em contraterrorismo dos Estados Unidos, citado pela cadeia de televisão norte-americana, descreve a carta como “consistente com a retórica utilizada” por Al-Asiri.

As ameaças estão a ser encaradas com muita preocupação, especialmente porque o braço armado da Al-Qaeda no Iémen é, reconhecidamente, um dos ramos mais perigosos da organização terrorista e um dos mais ativos.

Os Estados Unidos, por sua vez, têm preparada uma recompensa de 5 milhões de dólares para quem entregar (vivo ou morto) Al-Asiri. Ele que tem permanecido na sombra desde os ataques de 2009. Os serviços secretos norte-americanos acreditam que o saudita terá sido o grande responsável pela tentativa de detonação de uma bomba a bordo de um avião com destino a Detroit. Também terá sido ele o responsável pela colocação de bombas em cartuchos de impressora que seguiam a bordo de aviões que tinham como destino vários estados norte-americanos, que acabaram por ser intercetadas pelas autoridades antes de atingirem os seus alvos.

Ainda em 2009, como recupera a CNN, Al-Asiri terá também desenhado a bomba transportada pelo irmão, Abdullah al-Asiri, num ataque bombista organizado para atingir e eliminar o responsável pelo contraterrorismo da Arábia Saudita. O plano, tal como os anteriores, acabou por falhar.

A confirmar-se que Al-Asiri é mesmo o autor das cartas, pode estar aqui a oportunidade que os serviços secretos norte-americanos sempre esperaram: rastrear e descobrir o terrorista, seja através do correio, seja através de impressões digitais associadas à mensagem.