Terça, quarta e quinta-feira, macaquinhos de imitação. Os três dias replicaram-se e todos, bem pela manhã, não deram motivos para que 18 mulheres pudessem vestir os fatos, pegar nas pranchas e fazerem-se ao mar. A organização do Cascais Women’s Pro mandou toda a gente estar na praia de Carcavelos às 7h30 (sim, todos os dias), mas as ondas nunca obedeceram à chamada — nunca se viram na praia ondas com altura acima do joelho. E as melhores surfistas do mundo à espera, em terra, a cravar por ondas que as deixassem começar a competir na antepenúltima etapa do circuito mundial. A organização tinha de fazer algo e lá optou pela solução de recurso: tudo para a praia do Guincho.

O Cascais Women’s Pro anunciou esta quinta-feira que a etapa será deslocalizada para o Guincho, onde espera que o mar lhe dê uma ajuda já amanhã. “A prova tem essa vantagem: temos várias opções que nos garantem que teremos sempre ondas”, justificou Jessi Miley-Dyer, comissária da World Surf League (WSL) para a prova portuguesa. Elas terão mesmo que aparecer, já que a etapa portuguesa dura apenas até segunda-feira, 28 de setembro. É o segundo ano seguido em que Carcavelos não faz a vontade à prova — em 2014, a etapa teve de ser finalizada na praia da Bafureira.

E as ondas, sempre vão ajudar? Parece que sim. A praia do Guincho está virada a Noroeste e, portanto, está sempre à espera que a ondulação (ou swell, em inglês) venha dessa direção e que o vento também faça o seu papel. Neste caso, para que as ondas sejam das boas e quebrem ordenadas, terá de soprar desde Este. O problema é que o Guincho é uma praia onde o vento abunda e tem a mania de trocar de direção. Mas a WSL, que publica diariamente previsões marítimos dos locais onde se realizam as provas, diz que, na sexta-feira, o dia vai começar com “ondas com uma altura perto da cintura/peito” e “a ondulação vai aumentar ao longo do dia”. O vento, contudo, virá de Norte/Nordeste, primeiro, e fechará o dia a soprar de Noroeste — embora, a partir das 10h, acalme para, até sábado, não soprar para lá das 10/11 nós, o equivalente a perto de 20 quilómetros por hora.

Sem mar que ajude, as surfistas têm-se entretido como podem. Isto sabe-se porque as redes sociais também ajudam e mostraram que Tatiana Weston-Webb, oitava do ranking mundial, aproveitou os dias de folga para visitar o Palácio da Pena, em Sintra, e que Courtney Conloque, segunda classificada, também andou a passear. Teresa Bonvalot, 15 anos, a única portuguesa em prova (recebeu um wildcard da organização, ou seja, um convite) vai defrontar Carissa Moore, líder do ranking e duas vezes campeã mundial, logo na primeira ronda.

A primeira ronda do Cascais Women’s Pro Round:

Heat 1: Lakey Peterson (EUA), Tatiana Weston-Webb (HAW), Alessa Quizon (HAW)
Heat 2: Bianca Buitendag (África do Sul), Malia Manuel (HAW), Laura Enever (Austrália)
Heat 3: Carissa Moore (HAW), Silvana Lima (Brasil), Teresa Bonvalot (Portugal)
Heat 4: Courtney Conlogue (EUA), Nikki Van Dijk (Austrália), Pauline Ado (França)
Heat 5: Sally Fitzgibbons (Austrália), Coco Ho (HAW), Sage Erickson (EUA)
Heat 6: Tyler Wright (Austrália), Joanne Defay (Ilha Reunião), Dimity Stoyle (Austrália)