Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

“Era gajo para me habituar”, “obrigado”, “recebi o maior estímulo e entusiasmo”. 27 dias após a tomada de posse, Passos Coelho e respetivo Executivo disseram adeus ao mais pequeno Governo da democracia portuguesa com a tomada de posse de António Costa como novo primeiro-ministro de Portugal. 

São 19 os membros do Governo que voltam à Assembleia da República. Um deles é João Pinho de Almeida, reconduzido do primeiro Governo de Passos Coelho, que se despediu simbolicamente ao publicar um ‘evento de vida’ no Facebook: “Deixou o seu emprego em Governo de Portugal”, pode ler-se. Ocupava o cargo de secretário de Estado da Administração Interna.

João Pinho de Almeida 2

No entanto, este post é seguido de um outro. O agora deputado partilhou um novo ‘evento de vida’ informando logo de seguida o seu novo cargo: começava a trabalhar na Assembleia da República. 

A ex-ministra da Agricultura e do Mar, Assunção Cristas, que volta à bancada parlamentar do CDS para ocupar o lugar de deputada, eleita por Leiria, não quis também deixar se despedir das funções governativas que ocupava desde 2011. Deixou, também ela, uma mensagem no Facebook na qual promete ser “uma observadora atenta e empenhada”. 

Assunção Cristas

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

João Taborda da Gama (filho de Jaime Gama), ex-secretário de Estado da Administração Local e ex-colunista do Diário de Notícias, foi mais irónico na sua despedida.

João Taborda

Já Emídio Guerreiro, que foi reconduzido do anterior Executivo de Passos Coelho, diz adeus às suas funções governavas como secretário de Estado do Desporto e da Juventude, com a “consciência bem tranquila”.

Emídio Guerreiro

Tal como Assunção Cristas, Pedro Mota Soares que também tinha transitado para o segundo Governo PSD/CDS, despediu-se igualmente pelo Facebook. O agora ex-ministro da Solidariedade, Emprego e Segurança Social deixou uma mensagem de agradecimento “a este país único e fantástico que é Portugal”.

Pedro Mota Soares

Fernando Negrão, ministro da Justiça durante o segundo Governo de Passos Coelho e Paulo Portas, dispensou as redes sociais mas não deixou de enviar uma mensagem àqueles que tutelava. No site da Polícia Judiciária pode ler-se a sua missiva: “Quero agradecer-vos o trabalho desenvolvido na presente legislatura e, em especial, o empenho e o espírito de missão demonstrados ao longo dos últimos anos, que foram anos de sacrifícios e dificuldades para muitos”. Referindo às melhorias na área da Justiça, Negrão afirma ainda que continuará a “pugnar por que assim seja nos anos que se avizinham”. O agora ex-ministro da Justiça aproveitou, ainda, para deixar votos de boas festas. 

Por seu lado, Mónica Ferro, agora ex-secretária de Estado Adjunta e da Defesa Nacional, sentia-se “feliz” por ter terminado o seu curto mandato com o encerramento de uma conferência denominada “A Violência Contra as Mulheres nos Conflitos Armadas”: 

monica ferro

*Texto editado por Helena Pereira